Quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

ISSN 1983-392X

Direito marcário

STF nega seguimento a recursos da ABNT sobre suposta ofensa marcária

Decisão foi da 2ª turma.

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

A 2ª turma do STF negou provimento, com aplicação da multa prevista no art. 1.021, § 4º, do CPC, ao agravo regimental interposto contra a decisão monocrática do ministro Fachin, que negou seguimento a recursos extraordinários da ABNT.

O Tribunal paulista entendeu que a referência à expressão ABNT tão somente para indicar a origem das normas comercializadas não gera ofensa marcária: Propriedade industrial. Ausência de cerceamento. Litispendência não configurada. Referência à expressão ABNT tão somente para indicar a origem das normas comercializadas, e o que neste feito não se discute, portanto sem ofensa marcária. Improcedência do pedido cominatório, com indenização cumulada. Litigância temerária bem reconhecida. Sentença mantida. Recurso desprovido.” 

O STJ, em decisão da 3ª turma, entendeu que "presente a circunstância de que a ora recorrida (Target) tem em seu favor um provimento jurisdicional que a autoriza a comercializar as normas técnicas de titularidade da ABNT, é forçoso reconhecer o seu direito de fazer referência às marcas nominativa e figurativa de titularidade da autora – nome e logo –, apenas para indicar a origem das normas por ela comercializadas".

Na decisão monocrática que negou seguimento aos recursos da ABNT contra as decisões, Fachin afirmou que a discussão revela-se adstrita ao âmbito infraconstitucional, tornando oblíqua ou reflexa eventual ofensa à Constituição, o que inviabiliza o processamento do recurso extraordinário.

A decisão do STF confirma decisão do TJ/SP, reconhecendo que tendo sido negada a incidência da tutela do direito autoral é lícita a menção do sinal “ABNT” para designar a sua distribuição, em face do disposto no art. 132, I, da lei 9.279/96.

A decisão foi favorável à empresa Target, recorrida, e ao IBPI - Instituto Brasileiro de Propriedade Intelectual, que atuou no caso como amicus curiae. O escritório Newton Silveira, Wilson Silveira e Associados - Advogados atuou na causa pelo Instituto.

Confira a íntegra da decisão.

__________

t

leia mais

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco VIVO

últimas quentes