Quarta-feira, 16 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

STJ

Empresas de comércio eletrônico não precisam estipular multa por atraso na entrega

Entendimento é da 2ª seção do STJ ao julgar recurso de administradora de lojas virtuais.

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Empresas de comércio eletrônico não são obrigadas a fixar, no contrato padrão que regula suas operações pela internet, cláusulas de multa e perdas e danos para a hipótese de atraso no cumprimento de suas obrigações perante o consumidor. Foi o que entendeu a 2ª seção do STJ ao dar parcial provimento a recurso de administradora de lojas virtuais.

t

Em ACP, o MP/SP afirmou que, enquanto os contratos da companhia fixavam prazos e obrigações para os clientes, nada diziam a respeito da data de entrega dos produtos e, consequentemente, de penalidades contra as fornecedoras.

O parquet requereu que a administradora fosse obrigada a incluir no contrato padrão informações sobre prazo de entrega da mercadoria, previsão de multa e indenização por perdas e danos em razão de atraso.

Em 1º grau, os pedidos foram julgados improcedentes, mas o TJ/SP reformou a sentença ao considerar o descumprimento reiterado de prazos de entrega anunciados pelas lojas e também a possível situação de fragilidade contratual em que se encontraria o consumidor.

Relatora do recurso especial no STJ, a ministra Nancy Andrighi ponderou que o CDC dispõe de medidas suficientes para garantir a proteção aos compradores no caso de mora das empresas – como a responsabilização pelos prejuízos, inclusive com o acréscimo de juros e atualização monetária.

"É indevida a intervenção estatal para fazer constar cláusula penal genérica contra o fornecedor de produto em contrato padrão de consumo, pois além de violar os princípios da livre-iniciativa e da autonomia da vontade, a própria legislação já prevê mecanismos de punição daquele que incorre em mora."

A ministra destacou que um dos objetivos do CDC é reequilibrar as relações de consumo, reconhecendo a posição de hipossuficiência do consumidor em relação ao fornecedor. Para atingir essa finalidade, a lei dispõe de várias regras e medidas, inclusive sobre a nulidade de cláusulas contratuais livremente estabelecidas na aquisição de produtos ou serviços.

Entretanto, pontuou que a relativização do princípio da liberdade contratual pelo CDC não significa a sua extinção, de forma que, enquanto não houver abusos, consumidores e fornecedores possuem grande margem de liberdade para a celebração de várias formas de contrato.

"Na presente hipótese, não se verifica abusividade das cláusulas contratuais firmadas pela recorrente a ponto de exigir uma atuação estatal supletiva. Analisando as razões recursais em conjunto com o acórdão impugnado, a intervenção estatal nos contratos a serem celebrados pela recorrente não encontra fundamento na legislação consumerista."

No voto que foi acompanhado pela maioria do colegiado, Nancy Andrighi também ressaltou que a multa imposta ao consumidor na hipótese de atraso no pagamento é revertida, normalmente, para a instituição financeira que dá suporte às compras a prazo.

"Sob este ângulo, sequer há reciprocidade negocial a justificar a intervenção judicial de maneira genérica nos contratos padronizados da recorrente", concluiu a relatora ao votar por restabelecer a sentença.

O voto foi seguido por maioria do colegiado.

Informações: STJ.

leia mais

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes