Domingo, 8 de dezembro de 2019

ISSN 1983-392X

Operação Faroeste

TJ/BA adia eleição para escolha de novo presidente após magistrados serem afastados

Eleição aconteceria nesta quarta-feira, 20. Operação da PF foi deflagrada um dia antes.

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Após o afastamento de quatro desembargadores e dois juízes do TJ/BA na terça-feira, 19, durante a operação Faroeste, que tem como alvo magistrados da Bahia, a eleição para a escolha da nova presidência da Corte, que estava marcada para acontecer nesta quarta-feira, 20, foi adiada. Ainda não há uma data para que a eleição aconteça.

t

O caso

Quatro desembargadores e dois juízes do TJ/BA foram afastados de seus cargos por suspeita de envolvimento em um esquema de venda de decisões judiciais e grilagem de terras, entre eles o atual presidente do TJ, desembargador Gesivaldo Nascimento Britto.

O afastamento foi determinado pelo ministro Og Fernandes, do STJ, pelo prazo inicial de 90 dias, podendo ser reavaliado. O afastamento também atinge José Olegário Monção, Maria da Graça Osório, Maria do Socorro Barreto Santiago, Marivalda Moutinho e Sérgio Humberto Sampaio. Eles também estão proibidos de acessarem as dependências do TJ/BA, bem como de se comunicarem com funcionários e utilizarem serviços da Corte. 

De acordo com o ministro, o conjunto probatório apresentado pelo MP acerca do suposto esquema criminoso fornece indícios claros sobre como se dava a dinâmica de sua operacionalização.

A operação foi deflagrada a pedido da PGR e da PF. O inquérito do MPF apura suspeitas de crimes como corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Cerca de 200 policiais federais estão cumprindo 40 mandados de busca e apreensão e quatro de prisões contra pessoas ligadas ao esquema. As ações são realizadas nas cidades de Salvador, Barreiras, Formosa do Rio Preto e Santa Rita de Cássia (BA) e em Brasília. 

A investigação teria se iniciado por suspeitas do envolvimento do presidente do TJ/BA em um esquema de grilagem de terras no oeste da Bahia, caso que também está sob apuração no CNJ. 

Segundo o MPF, as informações já reunidas no inquérito revelaram a existência de um esquema de corrupção praticado por uma organização criminosa integrada por magistrados e servidores do TJBA, advogados e produtores rurais que, juntos, atuavam na venda de decisões para legitimar terras no oeste baiano.

De acordo com a PGR, investigações preliminares revelam que decisões obtidas ilicitamente permitiram grilagem de cerca de 360 mil hectares de terra no oeste baiano. O esquema ainda envolveria o uso de laranjas e empresas para dissimular os benefícios obtidos ilicitamente. A suspeita é de que o grupo envolvido na dinâmica ilícita movimentou cifras bilionárias.

Convocação 

O desembargador Augusto de Lima Bispo assumiu a presidência do TJ/BA e convocou juízes para o preenchimento das vagas em razão dos afastamentos.

A magistrada Cassinelza da Costa Santos Lopes atuará no lugar do desembargador José Olegário Monção e o juiz Manuel Carneiro Bahia de Araújo atuará no lugar da desembargadora Maria do Socorro. Os substitutos dos outros desembargadores afastados ainda não foram definidos.

leia mais

patrocínio

Bradesco VIVO

últimas quentes