Sábado, 19 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

Maturidade do mercado jurídico impulsiona TI, no Rio

terça-feira, 12 de dezembro de 2006


Tecnologia

Maturidade do mercado jurídico impulsiona TI, no Rio

A maturidade do mercado jurídico e a preocupação das bancas de direito em estar em consonância com a aceleração das automações na área jurídica - em cartórios, tribunais e principalmente nos clientes etc.- aliados à necessidade de garantir competitividade são os principais geradores de negócio no mercado de TI para a área jurídica, no Rio de Janeiro. A informação é da BCS Informática, especializada em soluções para escritórios de advocacia e departamentos jurídicos, que prevê 100% de crescimento da sua filial carioca, em 2007.

Segundo Décio Sartore, gerente da regional da BCS no Rio de Janeiro, o crescimento do mercado jurídico de TI, no Rio, se deve a uma nova postura, mais empresarial, dos escritórios de advocacia. "Há uma demanda por soluções profissionais com determinadas características como qualidade e segurança tecnológica, com plataformas integráveis; know-how, confiabilidade e idoneidade do fornecedor, além de serviços de pós-venda como suporte e manutenção”, explica.

Essa visão dos advogados de construir uma infra-estrutura que propicie integração, base sólida para futuros negócios e segurança, acabou por restringir investimentos em soluções não profissionais, que serão um empecilho à integração com o judiciário e no atendimento das necessidades dos clientes, no longo prazo, tendendo a desaparecer. "O investimento em desenvolvimento interno de sistemas, que tem sido uma peculiaridade marcante das bancas cariocas, engessou muitos escritórios, limitando a integração com outras plataformas. E por não prover escalabilidade, estas soluções tornaram-se extremamente desatualizadas, de difícil manutenção, custo muito alto, pois manter equipe para suporte e desenvolvimento do sistema é caro. Além disso, não é preciso inventar a roda”, avalia.

Outras características que impulsionam o mercado jurídico de TI são o desejo dos advogados de se afastarem das atividades administrativas do escritório e focarem em seu core business, o que depende de estrutura confiável e suporte eficiente e a adoção de soluções tecnológicas pelos pequenos escritórios. Anteriormente, o mercado estava muito focado nas bancas médias e grandes. O lançamento de alternativas que eliminam o desembolso inicial, como formatos de comercialização que locam toda infra-estrutura, contribui para levar tecnologia de ponta para as advocacias menores. A BCS, por exemplo, oferece o BCSFlex, que provê outsourcing jurídico de TI, tanto para escritórios de pequeno porte como para projetos temporários dos grandes.

Ainda segundo o gerente da regional, o Rio de Janeiro tem escritórios com altas taxas de adoção de infra-estrutura tecnológica na área jurídica. Entretanto, cerca de 40% destes possuem sistemas caseiros e devem se confrontar, futuramente, com sérios problemas de continuidade e manutenção, pois com o avanço tecnológico, as equipes precisam de treinamentos e adequação dos produtos internos, gerando gastos e tempo. Outra peculiaridade é que as advocacias cariocas se dividem em três categorias. A primeira, de mega escritórios com estrutura própria, detém cerca de 25% do mercado total; escritórios menores com terceirização não profissional, normalmente feita por conhecidos, atinge 30% e a de escritórios de todos os portes com terceirização profissional, em que a BCS é líder. Esta última categoria corresponde a 40% do mercado total. Os 5% restantes não possuem nenhuma espécie de sistemas jurídicos.

Apesar do destaque em vendas do Sisjuri - sistema de gestão de processos, casos e rotinas administrativas, e do GED Worksite, que gerencia documentos e conhecimento, Sartore salienta que o que mais tem impulsionado as vendas é o mix de produtos e serviços que a empresa oferece. "Nosso objetivo é fornecer tudo em tecnologia para a área jurídica, que vai desde o 'outsourcing' da infra-estrutura e de profissionais, inclusive residentes, suporte, manutenção, até os sistemas especializados e customizados para necessidades específicas de cada escritório", completa.

Atualmente, 300 advocacias, em todo o Brasil, são clientes da BCS. A filial do Rio é responsável por 15% do faturamento da empresa.

Sobre a BCS Informática - Empresa voltada para o mercado jurídico com softwares específicos para o segmento, nasceu em 1987, com o intuito de proporcionar facilidades tecnológicas no trabalho e no dia-a-dia dos advogados. O desenvolvimento do SISJURI acompanhou a própria evolução do mercado durante os 18 anos de existência da empresa que hoje tem cerca de 300 clientes em todo país, como S. Moutinho Durazzo S/C Ltda Advogados e Consultores; Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados; Felsberg, Pedretti, Mannrich e Aidar Advogados e Consultores Legais; Castro Barros, Sobral, Gomes Advogados; França Ribeiro Advocacia, Velloza, Girotto e Lindenbojm Advogados Associados. O SISJURI tornou-se o mais completo sistema brasileiro voltado para este mercado. A empresa, que também distribui softwares da InterWoven e Workshare para este segmento, possui escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Porto Alegre e Salvador.

______________

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes