Segunda-feira, 21 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

Em nota, ministra Matilde Ribeiro ressalta que não incita insurgência racial

x

quinta-feira, 29 de março de 2007


Nota

Ministra Matilde Ribeiro ressalta que não incita insurgência racial

A Secretaria Especial de Política da Promoção da Igualdade Racial (Seppir) do governo federal divulgou nesta terça-feira uma nota para esclarecer as declarações da ministra Matilde Ribeiro em entrevista publicada pela BBC Brasil.

O texto afirma que a frase da ministra de que "'não é racismo quando um negro se insurge contra um branco' aparece no título de maneira descontextualizada, induzindo o leitor ao equívoco".

A Secretaria acrescenta ainda que "a ministra deixa claro, no decorrer da conversa, que 'não está incitando' esse tipo de comportamento e afirma: 'Não acho que seja uma coisa boa'."

Confira abaixo a íntegra da nota divulgada pela Seppir:

"Nota de Esclarecimento

Em relação à entrevista da ministra Matilde Ribeiro, divulgada pela BBC Brasil nesta terça-feira (27/3), esta Secretaria esclarece que a frase 'não é racismo quando um negro se insurge contra um branco' aparece no título de maneira descontextualizada, induzindo o leitor ao equívoco.

A ministra deixa claro, no decorrer da conversa, que 'não está incitando' esse tipo de comportamento e afirma: 'Não acho que seja uma coisa boa'.

A afirmação apenas reconhece a histórica situação de exclusão social de determinados grupos étnicos no Brasil, prevalente após 120 anos da abolição, que pode, por vezes, provocar esse tipo de atitude - também condenável.

Esclarecemos, ainda, que a missão da Seppir é justamente tomar iniciativas contra as desigualdades raciais no país e formular políticas públicas de igualdade racial, de forma conjugada com os demais ministérios e em diálogo com diversos setores da sociedade civil.

A Secretaria também atua no sentido da valorização e do respeito às diversidades, em um trabalho integrado com negros, indígenas, ciganos, judeus e palestinos em espaços como o Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial e a Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial, com a intenção de garantir a essas comunidades acesso a bens e serviços públicos, qualidade de vida e oportunidades iguais.

Secretaria Especial de Política da Promoção da Igualdade Racial"

Após polêmica, ministra diz querer se 'reposicionar'

A ministra Matilde Ribeiro, titular da Secretaria Especial de Política da Promoção da Igualdade Racial (Seppir), disse nesta quarta-feira que os excluídos lutarem pelos seus direitos "não é uma forma de racismo. É, sim, uma forma de se afirmar como cidadão".

Matilde fez a declaração em uma entrevista ao Portal do PT (Partido dos Trabalhadores), em que propôs se "reposicionar" em relação às afirmações que fez em entrevista à BBC Brasil, quando disse que "não é racismo quando um negro se insurge contra um branco".

"Embora eu tenha dito isso num contexto de uma resposta muito mais ampla há poucos dias, o que causou uma polêmica, vou me reposicionar: o racismo e a discriminação racial são existentes na sociedade brasileira", disse Matilde Ribeiro na entrevista ao Portal do PT.

"Racismo é uma forma de manifestação existente em várias sociedades, não apenas no Brasil, e está balizado por poder. Quem tem poder econômico, político, poder de decisão, toma decisão excluindo quem não tem."

"Balizado por poder"

"Os que lutam para ser incluídos querem ter sua cidadania garantida e isso é um direito constitucional. Lutar pelos direitos não é uma forma de racismo. É, sim, uma forma de se afirmar como cidadão", acrescentou.

A ministra ressaltou que o negro no Brasil não tem se separado do resto da sociedade e "tem atuado ao longo da história para fazer parte da vida política do país junto com os brancos".

Matilde Ribeiro cita como exemplos dessa integração atividades associadas à "africanidade" do brasileiro, como a prática da capoeira e a atividade das escolas de samba, que não são associadas exclusivamente aos negros no país.

"A cultura brasileira é fortemente negra, e ela está para todos", disse. "Nós temos consciência, seja a partir da política governamental ou a partir do diálogo com o movimento negro, de que o desenvolvimento das políticas expressa uma realidade dessa sociedade que tem uma diversidade muito latente, e se coloca para a vida brasileira."

"E também há um convencimento histórico de que a mudança no comportamento preconceituoso de brasileiros não deve ser impulsionada pelos próprios negros e, sim, pela sociedade como um todo", completou.

_______
_________

Fonte: BBC Brasil
__________________

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes