Sexta-feira, 18 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

TRF da 4ª região suspende liminar contra sistema de cotas da Universidade Federal de Santa Catarina

sexta-feira, 14 de março de 2008


TRF da 4ª região

Suspende liminar contra sistema de cotas da Ufsc

A 3ª Turma do TRF da 4ª região julgou procedente, nesta semana, recurso interposto pela UFSC contra liminar concedida a uma candidata ao curso de engenharia mecânica. A turma entendeu que a instituição de ensino tem autonomia para implantar políticas afirmativas, como a criação de cotas para ingresso de seus alunos.

A vestibulanda obteve liminar que reduzia, apenas para ela, o percentual de reserva de vagas da Ufsc para 10% - para alunos egressos do ensino público - e 5% - para auto-declarados negros. O sistema de cotas da universidade catarinense garantia 20% de vagas para egressos de escolas públicas e 10% para negros oriundos do sistema público.

Para o desembargador federal Luiz Carlos de Castro Lugon, cujo voto foi acompanhado pela maioria dos integrantes da turma, é simplismo alegar que a Constituição (clique aqui) proíbe discriminação de raça ou de cor. A partir da declaração dos direitos humanos, lembrou o magistrado, buscou-se proibir a intolerância em relação às diferenças, o tratamento desfavorável a determinadas raças, a sonegação de oportunidades a determinadas etnias. "Basta olhar em volta para perceber que o negro no Brasil não desfruta de igualdade no que tange ao desenvolvimento de suas potencialidades e ao preenchimento dos espaços de poder", ressaltou.

É fato irrecusável, disse Lugon, que à figura do negro se associou "uma conotação de pobreza que a disparidade acaba por encontrar dupla motivação: por ser pobre ou por ser negro, presumidamente pobre". Para o magistrado, não se trata de reparar no presente uma injustiça passada ou uma compensação pelas agruras da escravidão: "A injustiça aí está, presente: as universidades, formadoras das elites, habitadas por esmagadora maioria branca". O desembargador ressaltou que ver a disparidade atual e aceitá-la comodamente "é uma atitude racista em sua raiz".

Ainda segundo Lugon, as cotas raciais não constituem a única providência necessária e nem a solução para o problema. No entanto, elas não são um mero paliativo, pois "uma elite nova, equilibrada em diversificação racial, contribuirá em muito para a construção da sociedade pluralista e democrática que o Brasil requer". O interesse particular não pode prevalecer sobre a política pública, não se pode sacrificar a busca por um modelo de justiça social apenas para evitar prejuízo particular, concluiu.

No final de janeiro, o desembargador federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz suspendeu uma liminar da Justiça Federal de Florianópolis que impedia a Ufsc de utilizar o sistema de cotas. A medida tinha sido concedida em uma ação movida pelo MPF. Esse recurso ainda será analisado pela 3ª Turma do tribunal, mas não há data definida.

N° dos Processos

________________

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes