Terça-feira, 25 de junho de 2019

ISSN 1983-392X

Em MT, PM que matou advogada é condenado a 19 anos de cadeia

sexta-feira, 11 de abril de 2008


19 anos

PM que matou advogada é condenado no Mato Grosso

O ex-policial militar Valtencir Moreira Costa foi condenado pelo TJ de Tabaporã a 19 anos e 10 meses de prisão pelo assassinato da advogada Andréa Carvalho Furtado Pereira. O crime aconteceu no dia 16/4/07. A condenação ocorreu a unanimidade do corpo de jurados. Por sete a zero, confirmaram a denúncia do MP, assistido pela OAB/MT, de homicídio triplamente qualificado. O presidente da OAB, Francisco Faiad, esteve no Tribunal do Júri para acompanhar o julgamento.

Por mais que tivesse tentando, o ex-policial e sua defesa não conseguiram convencer os sete jurados de inocência. Com uma história sem nexo, o ex-PM tentou atribuir o assassinato a um terceiro elemento, que havia encontrado ao chegar no escritório de Andrea, no centro de Tabaporã. Não conseguiu, no entanto, apagar as inúmeras evidências que deram qualificação ao homicídio. Andréa foi morta com dois tiros.

O julgamento, apesar de tranqüilo, ocorreu sob forte esquema de segurança, montado pela Polícia Civil e Polícia Militar. O Tribunal foi montado nas dependências da Câmara Municipal de Tabaporã, que ficou repleta de populares. A sessão foi presidida pela juíza Ana Helena Alves Corsell. A Ordem atuou como assistente da Promotoria Criminal, com o advogado João Batista Cavalcanti da Silva, presidente da Subseção de Poxoréo.

"Fez se justiça" – disse o presidente da OAB/MT, Francisco Faiad. Ele esteve em Tabaporã com a finalidade de acompanhar o julgamento. Com ele, a secretária-geral da Ordem, Luciana Serafim, e os conselheiros Luís Carlos Negreiros e Felício Ikeno, além de dezenas de advogados da região, além do presidente da subseção da OAB de Juara, Élcio Lima do Prado. "Infelizmente, a condenação não repara a perda que os familiares de Andréa e também a advocacia de Mato Grosso perdeu. Andréa era jovem e talentosa" – disse Faiad. Amigos e familiares de Andréia confeccionaram camisetas com a foto da vítima pedindo justiça.

Valtecir foi punido por homicídio qualificados em motivo fútil, que dificultou a defesa da vítima e meio insidioso e cruel. A perícia constatou, durante as investigações, que os projéteis que atingiram Andréa têm as mesmas características dos encontrados dentro da caminhonete do ex-soldado. Na fuga, após matar a advogada, ele acabou capotando e abandonando o veículo. Testemunhas também informaram que viram o ex-policial entrando e saindo do escritório de Andréa, na tarde em que ela foi morta.

O Conselho de Disciplina da Polícia Militar de Mato Grosso decidiu pela expulsão de Valtencir da corporação. De acordo com ata da reunião final que tratou do processo, o ex-policial, que já estava com o recebimento de seus soldos suspensos, não reunia condições de permanecer nas fileiras da Polícia Militar.

___________________

informativo de hoje

patrocínio

VIVO

últimas quentes