Quinta-feira, 25 de abril de 2019

ISSN 1983-392X

Parceria entre PUC/SP e Lawsoft amplia capacidade de atendimento de Escritório Modelo do curso de Direito

quarta-feira, 4 de junho de 2008


Escritório Modelo

A PUC/SP e a Lawsoft Desenvolvimento de Sistemas acabam de fechar parceria para a informatização do Escritório Modelo – Dom Paulo Evaristo Arns da Faculdade de Direito da PUC de São Paulo.

  • Veja abaixo matéria na íntegra.

______________
________

Parceria entre PUC/SP e Lawsoft amplia capacidade de atendimento do curso de Direito

A PUC/SP e a Lawsoft Desenvolvimento de Sistemas acabam de fechar parceria para a informatização do Escritório Modelo – Dom Paulo Evaristo Arns da Faculdade de Direito da PUC de São Paulo. Com a implantação do sistema de gestão Law Office a entidade agilizará o atendimento aos 4 mil casos em andamento na instituição e em longo prazo conquistará autonomia para duplicar o número de casos atendidos.

A coordenadora jurídica do escritório, Anna Claudia Pardini Vazzoler, diz que a principal razão para a implantação de um sistema de gestão no escritório foi a diminuição do prejuízo causado pelo acompanhamento manual dos processos. O acompanhamento era feito por fichas e o escritório precisava guardar centenas de pastas de casos encerrados para não perder os dados. "O sistema além de facilitar o manuseio dos processos ajudará na gestão da rotina do escritório", enfatiza.

Anna Claudia destaca ainda que a atual dinâmica do mercado exige que o advogado tenha conhecimentos gerais de gestão, seja financeira, seja de pessoal, e a maioria dos advogados não estão preparados para essa realidade, exercendo essas funções de forma instintiva. "O sistema escolhido não é uma mera informatização, mas ajudará também na gestão geral do escritório. Será uma excelente oportunidade para os alunos exercitarem a realidade que encontrarão fora da Universidade", diz.

Com a experiência de quem já implantou sistemas de gestão em centenas de escritórios por todo o País, o sócio-fundador da Lawsoft, Bento Ribeiro, destaca que os principais problemas de um escritório estão principalmente no planejamento organizacional e no fluxo de documentos. "É o planejamento que propicia a boa organização, divisão da equipe, delega tarefas, controla sua execução, o que é não é tarefa simples, pois a profissão exige a revisão atenta de todo trabalho realizado pela equipe", comenta. Segundo ele, se o planejamento não for bem feito, atrapalha não só a evolução dos casos, como impede o crescimento da banca. "Na maioria das vezes, os escritórios começam bem, os advogados são competentes e conseguem conquistar vários clientes, mas se complicam na entrega dos serviços, provocando atrasos, o que exige a contratação de estagiários e profissionais", destaca. O resultado disso, segundo o especialista, é que a produtividade continuará baixa em função da ausência de controle e organização correta das funções.

Quanto ao fluxo de documentos, aponta que os escritórios precisam ter um sistema de armazenamento de documentos, principalmente eletrônicos. Ribeiro argumenta que hoje os escritórios produzem mais documentos eletrônicos que em papel. E os que transitam em meio físico apresentam problema em termos de armazenagem, organização e consulta. "Se o escritório não tem um fluxo correto de documentos, vê-se em uma situação complicada para dar prosseguimento aos casos. Sistemas eletrônicos e soluções internas de organização constituem ajuda essencial", conclui.

Diversificação curricular

Há muito que um diploma na mão não é sinônimo de futuro certo. Para os 500 mil advogados do País, é apenas o início de uma longa batalha por diferenciação. Cada vez mais exigentes, os clientes esperam preços competitivos e serviços de qualidade. Nesse cenário, sobreviver passar a ser questão de administração.

O reflexo é visto no novo perfil do profissional que se ingressa no mercado. Angelo Caldeira Ribeiro terminou o curso de direito na USP em 1999, e no ano seguinte iniciou pós-graduação em gestão na FGV. Ele diz que foi um passo importante para compreender o cliente e atender melhor às suas necessidades, mas ajudou, principalmente, a desenvolver estratégias de posicionamento que deixaram o seu escritório mais competitivo.

"As empresas querem respostas imediatas. Foi-se o tempo em que um advogado podia se dar ao luxo de esperar dois dias para dar uma opinião jurídica ou uma resposta ao cliente", destaca Ribeiro, e explica que nos últimos anos a gestão dos escritórios, que eram visto como bancas de profissionais, se profissionalizou. Os escritórios passaram a ser geridos como empresas. "A gestão dos escritórios passa por uma revolução. O serviço jurídico está sob a mira dos sócios, pois é o core-business. É a sua execução que trará reputação e sucesso para o negócio. O profissional que quiser trabalhar nesses escritórios, por sua vez, deve dominar os conceitos de gestão para realizar atendimentos com excelência", enfatiza.

Os que quiserem se diferenciar devem lançar mão de todas as ferramentas para agilizar o processo. O processo eletrônico digital praticamente obrigou os advogados a incorporarem tecnologia no seu cotidiano. Segundo Ribeiro, muita coisa tende a mudar no dia-dia. Os processos andarão mais rápido, a competitividade, que poderá acontecer, inclusive, entre advogados de cidades diferentes, aumentará, e é preciso fazer disso uma oportunidade.

____________







____________

patrocínio

Bradesco VIVO
Advertisement

últimas quentes