Quinta-feira, 14 de novembro de 2019

ISSN 1983-392X

MPF/PA - Telemar pode ser obrigada a garantir internet sem provedor

O MPF/PA ajuizou ação civil pública com pedido de liminar para que seja eliminada a utilização de provedores adicionais (Terra, UOL, Globo, IG) no acesso ao serviço de internet banda larga da Telemar Norte Leste S/A, o Velox. A ação foi proposta hoje à Justiça Federal em Belém, pelo procurador da República Daniel César Azeredo Avelino.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008


Exigência ilegal

MPF/PA - Telemar pode ser obrigada a garantir internet sem provedor

O MPF/PA ajuizou ação civil pública com pedido de liminar para que seja eliminada a utilização de provedores adicionais (Terra, UOL, Globo, IG) no acesso ao serviço de internet banda larga da Telemar Norte Leste S/A, o Velox.

A ação foi proposta à JF em Belém pelo procurador da República Daniel César Azeredo Avelino.

Segundo o MPF, a Telemar é acusada de violar o CDC (clique aqui), por repassar informações falsas e obrigar a contratação de outras empresas para oferecer um serviço.

A Anatel foi apontada como responsável também, segundo o MPF, por ter criado, por meio do regulamento para o acesso a internet que editou, uma necessidade descabida do ponto de vista técnico.

O MPF sustenta que não há necessidade de contratação de provedor para acesso dos clientes da Velox à internet, porque trata-se de um serviço de telecomunicações. A Telemar afirmou que é responsável apenas pelo fornecimento do sinal de conexão e que os provedores adicionais seriam imprescindíveis para liberar o acesso ao canal da internet ao usuário.

Segundo o MPF, a investigação da Coordenadoria de Informática concluiu que essa informação é falsa e que os provedores adicionais têm apenas a função de provedores de conteúdo (fornecimento de conta de e-mail, página pessoal ou empresarial na Internet, banco de dados etc), podendo a Telemar oferecer o acesso à internet diretamente.

"Uma vez que a contratação dos outros provedores é tecnicamente desnecessária, a Telemar realiza a prática de venda casada, limitando a livre concorrência e o direito de escolha do consumidor, uma vez que esse não tem a opção de utilizar outros provedores que não os oferecidos pela Telemar - provedores gratuitos", por exemplo.

A Anatel figura no processo como ré, para que suspenda a norma que determina o uso dos provedores pagos para acesso a internet. Segundo o MPF, essa normatização da Anatel ignora as especifidades técnicas da tecnologia ADSL (utilizada no acesso à conexão banda larga e que dispensa o provedor), induzindo o consumidor a um gasto que poderia ser evitado, além de limitar a livre concorrência e o direito à informação para a sociedade.

O procurador pediu que a Justiça, em caso de decisão favorável ao MPF, determine alcance nacional para a mudança.

A ação tramita na 5ª Vara da Justiça Federal em Belém com o número 2008.39.00.009147-0.

___________________

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes