Sexta-feira, 19 de abril de 2019

ISSN 1983-392X

Internet poderá vir a ser utilizada como veículo de comunicação oficial

PL que autoriza a União, os Estados e os municípios a utilizar a Internet como veículo de comunicação oficial está entre os 21 itens da pauta da reunião da CCJ, marcada para as 10h de amanhã, 29/10. A proposta, de autoria do senador Demóstenes Torres – DEM/GO, conta com o parecer favorável da relatora, senadora Serys Slhessarenko - PT/MT.

terça-feira, 28 de outubro de 2008


Informatização

Internet poderá vir a ser utilizada como veículo de comunicação oficial

PL que autoriza a União, os Estados e os municípios a utilizar a Internet como veículo de comunicação oficial está entre os 21 itens da pauta da reunião da CCJ, marcada para as 10h de amanhã, 29/10.

A proposta, de autoria do senador Demóstenes Torres – DEM/GO, conta com o parecer favorável da relatora, senadora Serys Slhessarenko - PT/MT.

Para Demóstenes Torres, o PLS 323/06 (clique aqui), caso venha a ser transformando em lei, irá permitir maior controle social da gestão pública, principalmente nos pequenos municípios, onde os atos administrativos, muitas vezes, são fixados em murais dentro da própria prefeitura.

"O uso da Internet como meio de divulgação de informações oficiais dará maior transparência aos atos das três esferas de governo, ao mesmo tempo em que vai atingir a população prontamente, com maior abrangência e de forma eficaz", prevê Demóstenes Torres.

Após receber parecer da CCJ, o projeto segue para a Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT, onde será votado em decisão terminativa.

Livro didático

Na mesma reunião, a CCJ, presidida pelo senador Marco Maciel – DEM/PE, deverá analisar o parecer do senador César Borges – PR/BA favorável ao projeto da senadora Patrícia Saboya - PDT/CE que confere à Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação – CNE - a atribuição de centralizar, normatizar e controlar a política do livro didático no país, inclusive nos seus aspectos operacionais, envolvendo o ensino infantil, fundamental e médio.

O projeto também concede à Câmara de Educação Básica o direito de selecionar o conteúdo do livro didático, o processo de escolha dos títulos e a definição de prazos mínimos para sua adoção, tanto na constituição dos acervos das bibliotecas escolares, quanto no uso pelos estudantes, em todas as etapas e modalidades da educação básica.

Atualmente, as decisões nessa área são tomadas pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE, que gerencia os programas, e pela Secretaria de Educação Básica, do Ministério da Educação, que os monitora.

A senadora acredita que a centralização da atividade de escolha de livros didáticos na Câmara de Educação Básica, além de trazer maior economia para os cofres do governo, irá permitir que os profissionais optem por livros de maior qualidade técnica, para atender as necessidades de professores e alunos.

Após análise da CCJ, o projeto segue para a Comissão de Educação, Cultura e Esporte para ser votado em decisão terminativa.

______________

patrocínio

Bradesco VIVO

últimas quentes