Sexta-feira, 19 de abril de 2019

ISSN 1983-392X

Plenário confirma decisão que limita candidatos a cargos diretivos no TJ/MG

Por unanimidade, o Plenário referendou decisão do presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, que em julho de 2008, durante o recesso forense, concedeu liminar na Ação Direta de Inconstitucionalidade - ADI 4108, e suspendeu a vigência dos parágrafos 2º e 3º do artigo 100 do Regimento Interno do TJ/MG. Os dispositivos alargavam o rol de desembargadores que podiam concorrer aos cargos de direção da corte estadual.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009


TJ/MG


Plenário confirma decisão que limita candidatos a cargos diretivos no TJ/MG

Por unanimidade, o Plenário referendou decisão do presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, que em julho de 2008, durante o recesso forense, concedeu liminar na Ação Direta de Inconstitucionalidade - ADI 4108 (clique aqui), e suspendeu a vigência dos parágrafos 2º e 3º do artigo 100 do Regimento Interno do TJ/MG (clique aqui). Os dispositivos alargavam o rol de desembargadores que podiam concorrer aos cargos de direção da corte estadual.

A liminar foi concedida em regime de urgência, explicou a relatora da ADI, ministra Ellen Gracie, tendo em vista que a eleição no TJ/MG ocorreria dias depois de ajuizada a ação no STF.

Os ministros decidiram referendar a decisão seguindo o entendimento da ministra Ellen Gracie. Ela salientou em seu voto que os dispositivos questionados são contrários ao que diz a Lei Orgânica da Magistratura (Lei Complementar 35/79 - clique aqui). E, segundo a ministra, as regras e normas contidas na Loman são de obediência obrigatória.

Mesmo que já tenha ocorrido a eleição em Minas, lembraram os ministros, a decisão desta segunda-feira, 2/2, convalida os efeitos da decisão liminar.

Regimento x Loman

Pelos dispositivos – suspensos - do Regimento Interno do TJ/MG, a eleição para presidente e vice daquele Tribunal poderia ser feita entre os membros integrantes da metade mais antiga da Corte Superior que ainda não tenham exercido o cargo. E essa metade seria apurada depois de excluídos os desembargadores inelegíveis, os impedidos e os que, antecipadamente, declarassem não ser candidatos.

A Loman, contudo, prevê que essa votação se dá pela maioria dos membros efetivos dos tribunais, dentre os juízes mais antigos, em número correspondente ao dos cargos de direção, excluídos aqueles que tiverem exercido quaisquer cargos de direção por quatro anos, ou o de Presidente, até que se esgotem todos os nomes, na ordem de antiguidade.

_________________

patrocínio

Bradesco VIVO

últimas quentes