Domingo, 20 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

Advogados da União em estágio probatório não participarão de concurso de promoção

O presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, suspendeu decisões de duas varas cíveis federais, uma de Joinville e outra de Curitiba, que reconheciam a advogados da União de 2ª categoria o direito de participar de concurso de promoção dentro da carreira antes de completarem três anos de exercício. As decisões foram tomadas em processos de Suspensão de Tutela Antecipada.

quarta-feira, 25 de março de 2009


Sem promoção


Advogados da União em estágio probatório não participarão de concurso de promoção

O presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, suspendeu decisões de duas varas cíveis federais, uma de Joinville e outra de Curitiba, que reconheciam a advogados da União de 2ª categoria o direito de participar de concurso de promoção dentro da carreira antes de completarem três anos de exercício. As decisões foram tomadas em processos de Suspensão de Tutela Antecipada.

A controvérsia vem de um choque de leis que estabelecem os prazos do estágio probatório e da estabilidade do servidor público. O concurso de promoção exige que os candidatos à 1ª categoria devem ter passado por estágio confirmatório de três anos.

Contudo, a Lei 8.112/90 (clique aqui) prevê que o estágio probatório é de dois anos, enquanto a CF/88 (clique aqui), no artigo 41, diz que a estabilidade só garantida após três anos de efetivo serviço no cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público. Com isso, há órgãos da administração pública "estendendo" o estágio em mais um ano, para que ele termine no ponto em que o servidor será considerado aprovado e estável.

Para os advogados que desejam concorrer à promoção após o segundo ano de estágio, a estabilidade prevista no artigo 41 da Constituição Federal não se confunde com estágio de dois anos, previsto também na Lei complementar 73/93.

Mas, de acordo com o ministro Gilmar Mendes, as legislações estatutárias que preveem prazo inferior a três anos para o estágio probatório estão em desconformidade com a Constituição. "Não há como dissociar o prazo do estágio probatório do prazo da estabilidade", sentenciou.

De forma prática, com o deferimento das STA, a tutela antecipada - uma decisão que antecipa os efeitos da decisão de mérito - fica cassada e os advogados da União de 2ª categoria permanecerão impedidos de participar das promoções, pelo menos, até a decisão de mérito.

  • Processos relacionados :

STA 310 - clique aqui.

STA 311 - clique aqui.

_____________________________

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes