Segunda-feira, 14 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

Protógenes Queiroz e Walter Guerra obtêm salvo-conduto para depor em CPI

O ministro Carlos Alberto Menezes Direito concedeu nesta quarta-feira, 1/4, liminar no HC 98441 em favor do delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz e com os efeitos estendidos a Walter Guerra Silva.

quarta-feira, 1º de abril de 2009


Satiagraha


Protógenes Queiroz e Walter Guerra obtêm salvo-conduto para depor em CPI

O ministro Carlos Alberto Menezes Direito, do STF, concedeu nesta quarta-feira, 1/4, liminar no HC 98441, em favor do delegado da PF Protógenes Queiroz e com os efeitos estendidos a Walter Guerra Silva.

Na liminar, Protógenes pedia para não ser obrigado a assinar termo de compromisso como testemunha no depoimento à CPI das escutas telefônicas clandestinas. Pediu também para permanecer calado sem o risco de ser preso e para ter assistência de advogado durante o depoimento. O mesmo pedido foi apresentado por Walter Guerra, que alegou estar em situação idêntica à de Protógenes, e foi atendido pelo ministro Menezes Direito.

Decisão

Em sua decisão, o ministro observou que as CPIs possuem poderes semelhantes às autoridades judiciais e por isso as pessoas convocadas a depor não podem escusar-se dessa obrigação. No entanto, as CPIs devem exercer esses poderes respeitando a CF/88 (clique aqui) que garante o direito de não se auto-incriminar, de ficar em silêncio, e ser assistido por advogado. Segundo o ministro, esses direitos valem para qualquer pessoa, seja na condição de testemunha ou de investigada, como é o caso do delegado.

Ele foi responsável pela operação que investigou e prendeu o banqueiro Daniel Dantas, dono do banco Opportunity, alguns executivos da instituição, o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta e o investidor Naji Nahas – todos acusados de crimes contra o Sistema Financeiro. Depois de deflagradas as prisões, o nome de Protógenes foi associado – pela imprensa – a supostos grampos ilegais que teriam sido feitos inclusive no STF. Ele foi afastado da função de diretor de Inteligência Policial da Polícia Federal e é alvo de inquérito policial em São Paulo.

O ministro Menezes Direito afirmou que "o indiciado ou testemunha tem o direito ao silêncio e de não produzir prova contra si mesmo, embora esteja obrigado a comparecer à sessão na qual será ouvido, onde poderá, ou não, deixar de responder às perguntas que lhe forem feitas".

Foi determinada em seguida pelo relator a comunicação imediata da decisão ao deputado federal Marcelo Itagiba, presidente da CPI das escutas telefônicas clandestinas.


_______________
____________________

Leia mais

  • 31/3/09 - Delegado Protógenes Queiroz pede salvo-conduto ao Supremo para depor à CPI das escutas telefônicas - clique aqui

  • 23/1/09 - Governo bloqueia mais de US$ 2 bilhões em contas no exterior. Procuradoria da República em SP contesta valor – clique aqui

  • 30/12/08 - Paulo Lacerda é exonerado da direção da Abin – clique aqui

  • 4/12/08 - Presidente do TRF da 3ª região acolhe suspensão de segurança da AGU – clique aqui

  • 2/12/08 - JF condena Daniel Dantas a dez anos de prisão - clique aqui

  • 18/11/08 - Juiz continuará à frente do processo em que Dantas é acusado de corrupção - clique aqui
  • 7/11/08 - STF decide pela liberdade de Daniel Dantas - clique aqui
  • 11/7/08 - Daniel Dantas - O caso e a repercussão na imprensa -clique aqui.

______________

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes