Sábado, 19 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

TST - Carrefour é isentado de dano moral por revista diária em empregada

O Carrefour Comércio e Indústria Ltda. foi inocentado da acusação de dano moral por realizar revistas em uma ex-empregada que reclamou que a vistoria diária à saída do trabalho lhe causava constrangimentos.

quarta-feira, 13 de maio de 2009


Sem constrangimento

TST - Carrefour é isentado de dano moral por revista diária em empregada

O Carrefour Comércio e Indústria Ltda. foi inocentado da acusação de dano moral por realizar revistas em uma ex-empregada que reclamou que a vistoria diária à saída do trabalho lhe causava constrangimentos.

Ao analisar o recurso da comerciária na 3ª Turma do TST, a relatora, ministra Rosa Maria Weber Candiota Rosa, verificou que o Tribunal Regional da 9ª região demonstrou que não houve situações "vexatórias, humilhantes ou abusivas", e que decisão em sentido contrário somente seria possível mediante a revisão das provas, o que não é permitido na instância superior.

Dispensada sem justa causa em 2004, após onze anos de trabalho, a comerciária entrou na Justiça contra a empresa para pedir, entre outras verbas trabalhistas, indenização por danos morais, alegando que se sentia ofendida moralmente com as revistas diárias feitas pelo serviço de segurança da firma.

O juiz foi favorável à sua queixa e condenou a empresa a pagar-lhe indenização por danos morais no valor de R$ 4 mil, manifestando que atualmente existem equipamentos de segurança e vigilância "mais eficazes e menos vexatórios" que a revista pessoal.

Ao analisar o recurso do Carrefour, o TRT/PR não viu a agressão moral reconhecida na sentença e retirou a indenização da condenação. A comerciária recorreu ao TST, mas a relatora manteve a decisão, esclarecendo que o acórdão regional registrou claramente que o fato de a empresa realizar revista nos seus empregados, por si só, não configura dano moral.

"A forma como essas revistas eram efetuadas é que pode vir a causar constrangimento a ponto de ensejar indenização por dano moral", esclareceu. "No caso, tratava-se de situação comum a todos os empregados, onde o fiscal não tinha contato físico com os pertences vistoriados, nem eles eram despejados no balcão à sua frente". A Turma foi unânime ao rejeitar o recurso da empregada.

  • Processo Relacionado : RR-11830-2005-007-09-00.0 - clique aqui.

__________________
____________

Leia mais

  • 26/3/09 - TST - Revista íntima de empregada faz laboratório indenizá-la em mais de R$ 50 mil – clique aqui.
  • 17/10/08 - Danos morais - Itabuna Têxtil é condenada por efetuar revista íntima – clique aqui.
  • 30/8/08 - STJ - Mulher será indenizada por revista íntima abusiva em visita a presídio – clique aqui.
  • 7/2/08 - TRT da 15ª Região - Furto na empresa não justifica revista íntima das empregadas – clique aqui.
  • 15/10/07 - Para o TST, revista moderada de bolsas em hospital não configura dano moral – clique aqui.
  • 14/5/07 - TST mantém condenação da Trifil por revista íntima constrangedora – clique aqui.
  • 14/2/07 - Lojas Marisa condenadas em R$ 30 mil por revista constrangedora – clique aqui.
  • 22/11/06 - Empregado submetido a revistas íntimas será indenizado – clique aqui.
  • 16/10/06 - TST: Revista moderada em bolsas e sacolas não constitui dano moral – clique aqui.
  • 15/9/06 - Decisão do TST mantém condenação por abuso em revista íntima – clique aqui.
  • 6/12/05 - Ninguém é culpado até prova em contrário? Para os juízes da 4ª Turma do TRT/SP, a revista íntima sem autorização judicial inverte essa ordem jurídica – clique aqui.

__________________

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes