Migalhas

Terça-feira, 7 de abril de 2020

ISSN 1983-392X

Cenário
FSB Inteligência

Cenário - 20.8.18

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Os dois debates que colocaram frente a frente os candidatos ao Planalto serviram de bússolas para orientar as próximas estratégias que serão adotadas pelas campanhas no rádio e na TV.

Antes do horário eleitoral começar - no dia 31 -, os presidenciáveis passarão por sabatinas em veículos de comunicação importantes.

A mais esperada delas é, sem dúvida, a do Jornal Nacional.

A tradicional sequência de entrevistas terá início na próxima segunda-feira, 27, e vai reeditar um modelo no qual muitos já sucumbiram.

Nesta semana de preparação e ajustes, os candidatos vão testar suas melhores frases e os gestos mais plásticos possíveis. Vão fugir de tudo o que possa (minimamente!) expor ao risco.

Para quem está na frente das pesquisas de intenção de voto, o desafio é reduzir os espaços para que as fraquezas reveladas na Band e na RedeTV! não apareçam na Globo - nos mesmos dias do JN, os candidatos participarão do Jornal das Dez, na GloboNews.

Quem busca ganhar relevância tende a apostar no óbvio, combinando generalismos com sorrisos - e torcendo, é claro, para não ser constrangido na bancada.

No caso do PT, os próximos dias serão dedicados a fazer barulho.

O partido quer que Fernando Haddad seja entrevistado e espera contar com o resultado de pesquisas eleitorais, que devem ser divulgadas a partir de hoje, para pressionar.

Na madrugada de hoje, Haddad participou de seu primeiro evento como candidato na TV aberta. O petista foi entrevistado no programa Canal Livre, da Band.

Reforço 1

Efeito da superexposição

Jair Bolsonaro (PSL) não quer nem pensar em dispersão de votos.

Sua equipe estuda incrementar as táticas de redação nas redes sociais para reforçar a comunicação via internet.

Reforço 2

'Juntos' de novo

Ana Cristina Valle, segunda ex-mulher de Bolsonaro, tem acompanhado o presidenciável em agendas específicas e em atos públicos nos quais o candidato do PSL não abre mão de vê-la por perto.

Versão 2018

Marina calibra o tom

A campanha de Marina Silva (Rede) comemorou o destaque que a candidata obteve no debate da RedeTV!, ao bater-boca com Jair Bolsonaro.

O staff verde acredita que Marina deixou aflorar a indignação genuína.

Com isso, ainda segundo a percepção dos aliados, conseguiu aquilo que os candidatos estão tentam desesperadamente desde as convenções partidárias: a atenção do eleitorado feminino.

Na por coincidência, Marina visitará, hoje, o Instituto Maria da Penha, entidade que acolhe mulheres vítimas de violência.

Campanha

A Lava Jato e as urnas

Não é só Álvaro Dias (Podemos) que tem se apresentado como "candidato da Lava Jato".

Pelo Brasil, cresce o número de políticos que se autodefinem assim em busca de votos.

Deltan Dallagnol, um dos procuradores da operação, rebate nas redes sociais que a Lava Jato não apoia nenhum político.

Mais Médicos

Aniversário na Bahia

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara é a organizadora, mas os deputados preferiram levar para a Bahia o seminário que celebrará os cinco anos do programa Mais Médicos.

O evento acontecerá amanhã em Salvador.

Judicialização

Precatórios do Fundeb

O Ministério Público Federal iniciará, a partir de amanhã, um mutirão para reunir prefeituras brasileiras que deixaram de receber verbas do Fundeb nos prazos adequados e agora estão torrando parte dos precatórios com honorários para escritórios privados de advocacia.

O MPF pretende fazer um pente fino nas decisões dos tribunais de Justiça estaduais que permitiram a vinculação do recebimento das verbas atrasadas do Fundeb ao desconto de honorários que chegam a até 30% do montante que deveria ser aplicado em Educação.

Jurisprudência do STF e entendimento do TCU indicam que as ações deveriam ser acompanhadas pela advocacia pública.

Agenda

Seminário - O STF recebe o seminário "Elas por Elas". O evento promovido pelo CNJ debaterá a presença da mulher no comando de instituições públicas.

Patrimônio - Os candidatos registrados devem, a partir de hoje, detalhar o patrimônio declarado à Justiça Eleitoral.

Multas - O ministro do STF Alexandre de Moraes recebe hoje representantes de empresas multadas por desobedecer ordem do tribunal para liberar estradas bloqueadas durante a greve dos caminhoneiros.

Nos jornais

Roraima - Após 700 imigrantes venezuelanos serem atacados no sábado por brasileiros em Pacaraima (RR), o presidente Michel Temer decidiu enviar homens da Força Nacional para conter a situação. (manchete de O Globo)

França - O governador de São Paulo, Márcio França (PSB), mantém estreita relação com a ONG Adesaf. Desde que a organização foi criada, em 2001, França e seu grupo político já lhe destinaram mais de R$ 56 milhões em contratos públicos. (manchete da Folha de S.Paulo)

FHC - Em entrevista, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirma que o Brasil se aproxima da eleição mergulhado num clima de ódio e de medo. O tucano se diz assustado com a possibilidade de Jair Bolsonaro (PSL) chegar ao segundo turno. (O Globo)

Wagner - O ex-governador da Bahia Jaques Wagner, em entrevista, explica por que não quis ser o vice na chapa presidencial do PT. Para ele, se o partido acusa a "interdição artificial" da candidatura do ex-presidente Lula, indicar um substituto legitimaria a trama. (Valor Econômico)

TSE - Ministros do TSE consideram controverso o pedido do MDB que, na prática, tenta reduzir em 35% o tempo de propaganda na TV e no rádio de Geraldo Alckmin (PSDB). A avaliação é de que o registro eleitoral possui os dados necessários para validar a coligação. (Folha de S.Paulo)

Desaprovação - Os principais candidatos à Presidência começam oficialmente a campanha eleitoral desaprovados pela maioria absoluta da população, segundo a pesquisa Barômetro Político Estadão-Ipsos. (O Estado de S. Paulo)

TSE - Todos os 27.813 candidatos que pretendem disputar as eleições terão que detalhar a partir de hoje a declaração de bens feita ao TSE. (Folha de S.Paulo)

Teto - Em 13 estados a despesa com pessoal do Judiciário ou Ministério Público está perto de romper o teto imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal. (manchete do Valor Econômico)

Inadimplentes - Em julho, o total de brasileiros com dívidas em atraso chegou a 63,4 milhões, segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). (manchete de O Estado de S. Paulo)

Mansueto - O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, alerta para o fato de que não há consenso para reduzir significativamente os atuais gastos tributários. (Valor Econômico)

-