Terça-feira, 20 de agosto de 2019

ISSN 1983-392X

Um direcionamento para a arbitragem

Daniel Bushatsky

É ponto pacífico que a arbitragem, amparada pela nova e moderna roupagem da Lei n° 9307/96 e dos artigos 851, 852 e 853 do Código Civil, referentes ao compromisso, evoluíram o processo decisório, subtraindo considerável demanda da Justiça Comum.

terça-feira, 3 de maio de 2005

Um direcionamento para a arbitragem


Daniel Bushatsky*

É ponto pacífico que a arbitragem, amparada pela nova e moderna roupagem da Lei n° 9307/96 e dos artigos 851, 852 e 853 do Código Civil, referentes ao compromisso, evoluíram o processo decisório, subtraindo considerável demanda da Justiça Comum.

Afora isto, a morosidade, o formalismo excessivo, o ritualismo e a perplexidade do juiz diante de situações não rotineiras, são traços marcantes e comuns a qualquer processo entranhado na justiça brasileira, principalmente a dos grandes pólos urbanos, acentuando-se mais quando se exigem conhecimentos mais técnicos do magistrado.

Empresas de todos os portes estão gradualmente exigindo em seus contratos a inclusão da cláusula que alude à arbitragem como o melhor modo de solução de conflitos.

Países desenvolvidos tratam a arbitragem de forma inerente aos seus sistemas econômicos e jurídicos. Nos Estados Unidos, a título ilustrativo, há uma expressão que se imortalizou “... não é mais o meio alternativo de solução de conflitos e sim, o meio propício à solução de conflitos...”.¹

Uma grande limitação encontrada na arbitragem brasileira é o objeto nela tratado, porquanto restrita a questões de direito patrimoniais de caráter privado (artigo 1° da Lei n° 9307/96 e artigo 852 do Código Civil). Fica, portanto, impossível, que lides entre Estado e cidadãos ou entre Estado e empresas sejam resolvidos dessa forma. Será justo isto?

O valor de uma casa quando é desapropriada pelo Estado para, digamos, a construção de uma avenida, ou fixação do valor da contribuição de melhoria, são casos nos quais o Estado pode estar pagando menos ou cobrando mais, respectivamente, dos cidadãos do que o valor justo que um perito apuraria.

Sabendo-se da impossibilidade de o Estado participar de conciliação ou de mediação, o único meio cabível para resolver os seus litígios é obviamente através do Poder Judiciário e seus muitos anos para alcançar a solução, enquanto as câmaras demoram no mínimo 45 dias e no máximo 6 meses (artigo 23 da Lei especifica, exceto se convencionado diferente). Acrescente-se a agilização do processo e a economia monetária.

Ora, se etimologicamente a palavra processo significa ir para frente, e parafraseando Benjamin Cardozo, em sua evocação a Roscol Pound, “o direito deve ser estável mas não pode permanecer estático, o jurista como o viajante, deve estar pronto para o amanh㔲, não vejo o porquê de, metaforicamente, não caminharmos em direção a uma ampliação da arbitragem.

Críticos desmereceram essa proposta relembrando pontos muito discutidos e há muito tempo já superados pelos doutrinadores, como o princípio do duplo grau de jurisdição ou o “devido processo legal” garantia prevista no artigo 5°, inciso XXXV, da Constituição Federal, que, supostamente, não estariam presentes na arbitragem.

Deve-se pensar adiante, relembrando-se que uma das inúmeras câmaras de arbitragem da França, a CCI (Câmara de Comercio Internacional), já superou 60.000 casos, entre eles, litígios envolvendo nações, dissensos entre setor público e setor privado. A arbitragem não só agiliza a solução, bem como atrai investimentos estrangeiros daqueles que desconfiam do Judiciário e querem soluções mais rápidas e confiáveis aos seus problemas. Não seria o caso do Brasil?
____________

___________

1Judicial Reform Roundtable II, Williamsgurg, Va. Estados Unidos, maio, 1996.
2
Benjamin Cardozo, A Evolução do Direito ( The growth of Law), p.1; Rosce Pound, Interpretation of legal history; p.1.
____________

* Advogado do escritório Martins-Costa Advogados Associados






_____________