Sábado, 23 de março de 2019

ISSN 1983-392X

Até quando Catilina, abusarás de nossa paciência?”

Claudio Slaviero

De forma exemplarmente cívica, a paciência do nosso governador Roberto Requião se esgotou. Ao rejeitar “a verba ridícula” de R$ 1,5 milhão, que o Ministério da Agricultura prometeu repassar ao Paraná, para combater a febre aftosa, Requião afirmou ironizando “estamos abrindo mão dessa fabulosa quantia, que o governo federal pretende nos dar. Não precisamos dessa ninharia, mas pode fazer falta para a fiscalização em Mato Grosso do Sul. Somando duas verbas rigorosamente ridículas, podemos ter alguma coisa significativa. Vamos radicalizar na solidariedade”.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2006


“Até quando Catilina, abusarás de nossa paciência?”

Claudio Slaviero*

De forma exemplarmente cívica, a paciência do nosso governador Roberto Requião se esgotou. Ao rejeitar “a verba ridícula” de R$ 1,5 milhão, que o Ministério da Agricultura prometeu repassar ao Paraná, para combater a febre aftosa, Requião afirmou ironizando “estamos abrindo mão dessa fabulosa quantia, que o governo federal pretende nos dar. Não precisamos dessa ninharia, mas pode fazer falta para a fiscalização em Mato Grosso do Sul. Somando duas verbas rigorosamente ridículas, podemos ter alguma coisa significativa. Vamos radicalizar na solidariedade”.

Requião manifestou também seu descontentamento com a atuação do Ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, que na sua avaliação não reagiu adequadamente diante do contingenciamento de recursos feito pela equipe econômica - “diante da não liberação de recursos, qualquer ministro com espinha dorsal de verdade teria se demitido, para que nós não acabássemos num escândalo e num prejuízo brutal como esse que o Brasil está sofrendo”.

É isso mesmo, governador!

Queremos um Brasil rico e respeitado pelas outras nações do mundo. É para isso que trabalhamos e pagamos impostos. Queremos resultados!

Não terá espinha dorsal de verdade o brasileiro que continuar tendo paciência e continuar concordando com a situação do jeito que está, com o já indisfarçável “salve-se quem puder” confirmado pelas informações, que se seguem:

1- A arrecadação de impostos e tributos deverá ficar R$ 6 bilhões acima do projetado pelo governo para este ano e chegará ao total de R$ 321 bilhões, conforme palavras de Joaquim Levy, secretário do Tesouro Nacional;

2- A MP 2555 que altera o limite de enquadramento do Simples está emperrada no Senado;

3- Será de R$ 10 bilhões para o país o custo das sucessivas elevações da taxa Selic, já que os juros básicos corrigem 56 % do débito federal;

4- Diante da valorização do real, pequenas e médias empresas estão deixando de exportar. A Associação de Comércio Exterior do Brasil, ao mesmo tempo que informa que 451 empresas já desistiram do mercado externo, estima que 600 a 800 deixarão de exportar seus produtos até o fim do ano;

5- A economia brasileira perde o fôlego no terceiro trimestre e a produção industrial, em setembro, deve ter recuado 1,6 %, frente a agosto, segundo o IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada);

6- A despeito da vigilância sanitária ser uma responsabilidade do governo, o presidente Lula culpa os pecuaristas pela febre aftosa e afirma que “o mundo tratou com mais seriedade o problema da aftosa, do que determinados setores dentro do próprio Brasil”;

7- Dentro desse mesmo espírito de “esperteza”, o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, rejeita “a radicalização na solidariedade” de Requião e afirma que “é preciso que os grandes produtores chorem menos e façam mais. O que eles gostariam mesmo é de não pagar as suas dívidas junto à União”;

Indagado a respeito dos efeitos dos focos de aftosa, sobre o setor de agricultura, o ministro Marinho revela total descaso com a dignidade dos cidadãos brasileiros ao afirmar que “ainda não tratamos do assunto. Vamos aguardar para ver o tamanho do estrago”.

Por muito menos a Revolução Francesa não perdoou Maria Antonieta!
______________

*Presidente da Associação Comercial do Paraná





______________