Domingo, 19 de janeiro de 2020

ISSN 1983-392X

Separação-lázara

Jones Figueirêdo Alves

A ressurreição legal da separação judicial, no novo CPC, para além de desconsiderar o trajeto histórico que conduziu à emenda 66/2010, altera o próprio sistema constitucional advindo pela emenda. Uma separação tipo-Lázaro.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Na última quinta-feira, 4, o projeto do novo CPC, na Comissão Especial do Senado, foi aprovado por votação simbólica, sem quaisquer contestações. Agora vai a plenário, e assim deve ser votado quarta-feira próxima, 10, às 11h, em sessão extraordinária.

Interessa urgente que o conhecimento jurídico da lei não seja reservado apenas aos juristas. Interessa também à sociedade civil, destinatária da norma, que seja a lei por ela melhor conhecida e acessível; operando-se, de tal maior ciência e exercício, a plena efetividade dos avanços do sistema legal.

Assim sucede com o divórcio direto, no seu novo modelo jurídico existente desde 2010, tal como introduzido na Constituição pela emenda 66, a encerrar o dualismo legal então existente segundo a redação primitiva do parágrafo 2º do art. 226 da Magna Carta. O vetusto texto implicava o divórcio a uma prévia separação judicial por mais de um ano ou, alternativamente, à separação de fato, por mais de dois anos, exigida a comprovação temporal.

Com a emenda 66, o casamento é dissolvido pelo divórcio, formulado (i) sem qualquer prazo mínimo da união existente; (ii) sem necessidade de qualquer causa motivadora eficiente, (iii) sem exigência de imputação de culpa ao outro cônjuge; (iv) sem exigência de prévia separação judicial ou administrativa e (v) sem prévia partilha dos bens.

Diante de tal emenda à Constituição, "ficaram não recepcionadas as normas de direito material e de direito processual que tratavam do instituto jurídico da separação judicial" (STRECK, 2014).

Nessa linha posicionou-se a melhor doutrina, a tanto que o projeto original do Senado Federal (PLS 166/10) do novo CPC, conforme proposta de Comissão Especial presidida pelo Ministro Luiz Fux, do STF, houve de entender não mais possível o dualismo de ações judiciais para findar, em seus efeitos jurídicos, uma mesma união desfeita, assim expungindo do estatuto a anacrônica separação judicial.

Na Câmara dos deputados o projeto recebeu diversas modificações pontuais, uma delas, surpreendentemente, para reintroduzir a separação, abolida pela emenda nº 66/10. Em seu retorno à Casa de Origem, o referido PLS 166/10 obteve na sua tramitação final, o relatório do senador Vital do Rêgo, que manteve a maioria das mudanças oferecidas pelos deputados.

No ponto, as emendas senatoriais de nº 61, do senador Pedro Taques; de nº 129, do senador João Durval, e as de nºs. 136, 137, 138, 139, 140, 141, 142 e 143 do senador Antônio Carlos Valadares, cuidaram dos artigos 23, inciso III; 53, inciso I; 189, inciso II; 708, 746, 747 e 748 e Seção IV do SCD e, com extrema acuidade técnica, insurgiram-se contra a referência à separação judicial (em todas as suas modalidades) como forma de dissolução da sociedade conjugal ao longo do texto do substitutivo da Câmara.

Pois bem: o relator, no exame de tais emendas, admitiu, de pronto, como "pacífico que, após a emenda à Constituição nº 66, de 2010, não há mais qualquer requisito prévio ao divórcio. A separação, portanto, que era uma etapa obrigatória de precedência ao divórcio, desvestiu-se dessa condição". Entretanto, optou por rejeitá-las, sob a equivocada premissa de suposta divergência doutrinária significante.

Na hipótese, aludiu ao enunciado nº 544-Jornadas de Direito Civil, pela não extinção da separação judicial, quando consabido que tal entendimento apresentou-se eventual e episódico, não traduzindo, aliás, o aludido verbete a posição da maioria absoluta dos civilistas do país.

De fato, não é o que sustenta a comunidade jurídica, a exemplo do consagrado jurista Lênio Streck, para quem é inconstitucional "repristinar" a separação judicial no Brasil. Ele defende que devemos deixar a separação judicial de fora do novo CPC em nome da Constituição. Bem de ver, a propósito, que ao cabo de quatro anos, desde a emenda nº 66/2010, as separações (judiciais ou por escritura) sobrevivem apenas por mera insciência popular da nova ordem jurídica e ficam reduzidas ano a ano: 68 mil, diante de 243.224 divórcios (2010); e 8 mil, diante de 351.153 divórcios (2011), quando os divórcios cresceram 45,6% em relação a 2010 e as separações foram mínimas.

Como destaca Streck, a ressurreição legal da separação judicial, no novo CPC, para além de desconsiderar o trajeto histórico que conduziu à emenda nº 66/2010 (inclusive sua própria exposição de motivos), altera o próprio sistema constitucional advindo pela emenda. Uma separação tipo-Lázaro – diz ele.

Realmente: a nova ordem processual não pode permitir uma "separação- lázara", deixando morta a constitucionalidade do instituto ressuscitado.

___________________________

*Jones Fiqueirêdo Alves é desembargador decano do TJ/PE. Diretor nacional do IBDFAM - Instituto Brasileiro de Direito de Família, onde coordena a Comissão de Magistratura de Família.


últimos artigos

Lei Romeo Mion

Eudes Quintino de Oliveira Júnior

Como devem se comportar os condomínios em tempos de incertezas?

Amanda Lobão

Como são tributados os produtos de cesta básica?

Lucas Moreira

Breve análise sobre a constitucionalidade da decisão do STF

Ana Beatriz Ferreira Rebello Presgrave

CAR como fomento do agronegócio

Vanessa Rosin Figueiredo e Maria Mercedes Filártiga Cunha