Domingo, 16 de dezembro de 2018

ISSN 1983-392X

A presença do advogado na mediação

Cláudia Junqueira De Almeida Prado e Adriana Nobis

Para o advogado, a experiência em sessão de mediação ou conciliação, envolve exercício pessoal muitas vezes difícil pois, ao mesmo tempo em que ele defende e informa seu cliente.

sexta-feira, 1º de setembro de 2017

A presença dos advogados nas sessões de mediação ou de conciliação, é tanto mais importante quando sabe-se que elas têm como característica, enriquecedora de seus fundamentos, mediadores e conciliadores, oriundos das mais diversas áreas do conhecimento humano. E ainda, que tais processos devem respeito ao princípio da decisão informada, cabendo aos mediadores e conciliadores, prestar todos os esclarecimentos necessários à implementação desse princípio. Aqui surge a primeira dificuldade, qual seja, admitir que profissionais de um lado, jejunos em direito, prestem tais esclarecimentos, e, de outro lado, quando o mediador tem por origem a advocacia, esclarecer sem dar a impressão de que está sendo parcial. Neste caso, o cuidado deve ser redobrado, pois as partes devem ser informadas não só, sobre os princípios norteadores da mediação e da conciliação, como também, sobre as consequências de eventuais soluções às quais chegarem, que deverão respeitar a legislação em vigor e essa função, exercida por advogados mediadores ou conciliadores, por mais cuidadosos que sejam, pode parecer repita-se, à alguma das partes, que o facilitador tenha perdido a condição essencial da imparcialidade, que é princípio fundamental, garantidor dos meios alternativos/adequados de solução de conflitos. Assim sendo, quando as partes, em qualquer ambiente no qual se dê a mediação ou conciliação, estiverem acompanhadas por seus advogados, essa função informativa acerca das consequências do acordo e a respeito das normas legais aplicáveis ao caso, caberá a eles. Logo, para a garantia do processo de medição ou de conciliação são partes necessárias os mediadores, mediandos e os advogados.

Nesse diapasão, não se deve perder de vista que é missão fundamental do advogado a defesa de seu constituído, e o faz, exercendo, primeiramente a evitação do litígio, a teor do que dispões o artigo 2º, § 1º do Código de Ética da Advocacia, que expressamente consigna, entre seus deveres "estimular a conciliação entre os litigantes, prevenindo, sempre que possível, a instauração de litígios." D'outra parte, ainda que no exercício de tal evitação, é certo que o advogado exerce a parcialidade e, ao mesmo tempo, preserva sua função de guardião dos direitos de seus clientes, cuidando para que, acaso sejam firmados acordos, estes sejam conforme a legislação. E, nesse sentido sua parcialidade é mitigada.

Para o advogado, a experiência em sessão de mediação ou conciliação, envolve exercício pessoal muitas vezes difícil pois, ao mesmo tempo em que ele defende e informa seu cliente, não raras vezes, vê-se na eminência de ter que despir-se de algumas convicções para permitir que se ouçam e até realizem desejos dos mediandos, que não estão nas petições que são levadas à apreciação do Poder Judiciário e que nelas, não teriam sentido ou ainda, que são inexprimíveis por petição. E, ao mesmo tempo, manter-se fiel à defesa.

Inegável por outro lado, que a mediação ou a conciliação, exigem momentos nos quais somente os mediandos e mediadores devem estar em sessão. Momentos esses, de profunda intimidade, especialmente em questões que envolvam relações continuadas, como em direito de família, empresarias e condominiais, nos quais a presença do advogado pode constranger seus constituintes e, mais, fazer com que o conflito escale. Aqui, é importante que os advogados, compreendam a importância de se retirarem ou mesmo não comparecerem as sessões e mais, não instruírem seus representados como se estivessem indo a uma audiência perante um juiz, pois o objeto da mediação é o ponto de vista do cliente e não, a matéria de direito.

__________

*Cláudia Junqueira de Almeida Prado é mediadora do Instituto de Mediação Luiz Flávio Gomes.







*Adriana Nobis é mediadora do Instituto de Mediação Luiz Flávio Gomes.

Instituto de Mediacao Luiz Flavio Gomes

últimos artigos

As vítimas ocultas de João de Deus

Eudes Quintino de Oliveira Júnior

STJ decide pela tributação do 13º salário na competência do efetivo pagamento

Cristiane Ianagui Matsumoto Gago, Lucas Barbosa Oliveira e Lorenzo Midea Tocci

Não incidência do ICMS no transporte de gado em pé

Ana Silvia Teixeira Ribeiro e Cristiano Aparecido Quinaia Quinaia

Ebook mostra as lições dos advogados na implantação e atualização de um sistema jurídico

Luciano Martins

Petróleo e gás: a revisão da política de conteúdo local

Marina Fontão Zago