Sábado, 7 de dezembro de 2019

ISSN 1983-392X

Brumadinho: onde estão os sindicatos?

Bruna Esteves Sá

O que vemos é uma total inércia e apatia prejudicial ao país no sentido mais amplo que se possa imaginar.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Ainda no auge da discussão sobre as alterações introduzidas pela reforma trabalhista, sobretudo a questão da alteração da obrigatoriedade do pagamento da contribuição sindical e a importância e relevância - inegáveis - que os sindicatos têm - ou deveriam ter - para seus representados acontece a tragédia em Brumadinho.

E cadê o sindicato dos empregados e/ou das terceirizadas da Vale? Ou a Federação ou Confederação acaso alguém alegue que a diretoria do sindicato da região está entre mortos e desaparecidos?

Neste momento era de suma importância que o(s) sindicato(s) da(s) categoria(s) envolvida(s) se manifestasse(m) no sentido de mostrar o que fez e está fazendo para defender seus representados. E o fizesse com estardalhaço, a quatro ventos!

Essa demonstração da importância do sindicato não se restringiria apenas aos trabalhadores atingidos por essa tragédia mas a todas as categorias de trabalhadores que não entendem/conhecem/reconhecem o papel que o sindicato dos empregados tem - ou deveria ter - na defesa ferrenha de seus representados.

Demonstraria sem mais delongas aos leigos e às “más línguas” porque a contribuição sindical, confederativa, negocial ou qualquer outra que viesse a ser criada em assembléia é devida e seria paga de bom grado pelos representados ainda que facultativa.

Seria uma prestação de serviço enorme a todos os trabalhadores brasileiros e ao movimento sindical.

Porém, o que vemos é uma total inércia e apatia prejudicial ao país no sentido mais amplo que se possa imaginar.

_______________

*Bruna Esteves Sá é sócia do escritório Esteves Sá Advocacia e Assessoria Jurídica.