Quarta-feira, 24 de abril de 2019

ISSN 1983-392X

Sem-terras e sem-tetos resolveriam seus problemas trabalhando

Sylvia Romano

Após uma manhã de caos, onde muitos cidadãos não conseguiram chegar aos seus compromissos em razão de um movimento dos sem-teto, que interditou por horas algumas das principais rodovias que dão acesso à cidade de São Paulo, começo a questionar a validade dessas organizações que, explorando alguns miseráveis chamados antigamente de “buchas de canhão”, tentam desestabilizar a sociedade.

sexta-feira, 4 de maio de 2007


Sem-terras e sem-tetos resolveriam seus problemas trabalhando

Sylvia Romano*

Após uma manhã de caos, onde muitos cidadãos não conseguiram chegar aos seus compromissos em razão de um movimento dos sem-teto, que interditou por horas algumas das principais rodovias que dão acesso à cidade de São Paulo, começo a questionar a validade dessas organizações que, explorando alguns miseráveis chamados antigamente de “buchas de canhão”, tentam desestabilizar a sociedade. Outra possibilidade seria a de que, “elementos infiltrados” nestes grupos, estariam “marqueteiramente” propondo essas ações para definitivamente acabarem com o movimento dos sem-terra e dos sem-teto.

Nós brasileiros sempre fomos um povo pacífico e trabalhador. Somos todos filhos e netos de imigrantes que vieram para o País em busca de melhoria de vida e crescimento. A maioria conseguiu atingir tais objetivos, principalmente os que trabalharam muito. Sorte, alguns tiveram, mas a maioria quanto mais trabalhou, mais sorte teve. Sei que problemas sociais existem em todo o mundo, mas querer que o Estado e a sociedade resolvam esse conflito da forma mais paternalista possível, que é a doação de terras ou moradia, não vai levar aquela parcela da população a lugar nenhum. O ser humano só valoriza o que tem se teve de lutar — e muito — para consegui-lo. Trabalhar cansa, eu sei, pois trabalho há muitos anos; estudar também cansa, eu sei, porque estudei por muito tempo; e trabalhar e estudar ao mesmo tempo, então, cansa mais ainda, mas de forma nenhuma isso me matou, pelo contrário, só me engrandeceu.

O que pretendem os movimentos com essas manifestações de “Poder”? Incomodar o cidadão que não tem nada a ver com o problema, cidadão este que trabalha, paga seus impostos e, de certa maneira, está levando sua vida com dignidade, pois com certeza se esforçou para fazer jus à sua casa, seu carro, seu emprego e suas responsabilidades? Aí vem este grupo de baderneiros, sob o cabresto de ideologias ultrapassadas, interferir no sagrado direito de ir e vir, atrapalhando a vida de todos, impedindo que muitos trabalhadores cumpram com suas obrigações, só porque um bando de preguiçosos e fracassados, querem morar de graça e receber terras que não lhe pertencem e que possam, num passe de mágica, serem vendidas assim que receberem os seus títulos de propriedade.

Acho que o nosso governo que, um dia já foi de esquerda, deveria enquadrar estes movimentos de forma enérgica, pois senão daqui a pouco, estes facínoras não irão só quebrar o Congresso como há pouco tempo fizeram, mas também acabarão com toda a nossa estrutura agrícola e com o País.

__________




*Advogada do escritório Sylvia Romano Consultores Associados










_______