Segunda-feira, 25 de março de 2019

ISSN 1983-392X

Invasão do Iraque:“Um boi para não entrar, uma boiada para não sair?”

Mário Gonçalves Júnior

Pouco sei sobre a guerra. Possivelmente apenas o que a maioria sabe, o que a imprensa divulga, que certamente não esgota o assunto. As reais motivações, principalmente. Democracia? Petróleo? Armas químicas?

sexta-feira, 19 de março de 2004

Invasão do Iraque:

“Um boi para não entrar, uma boiada para não sair?”

Mário Gonçalves Júnior*

“O amor é a força mais abstrata,

e também a mais potente,

que há no mundo”.

(Gandhi)

Pouco sei sobre a guerra. Possivelmente apenas o que a maioria sabe, o que a imprensa divulga, que certamente não esgota o assunto. As reais motivações, principalmente. Democracia? Petróleo? Armas químicas?

Qualquer que tenha sido o verdadeiro motivo da invasão do Iraque, o cenário que se forma com a tragédia de Madri e a decisão do novo governo socialista de retirar as tropas espanholas, objetivamente falando, é de confirmação da eficácia dos métodos da Al Quaeda: acuaram um dos países do Ocidente, agindo sobre a emoção e o medo do seu povo. Vidas inocentes foram sacrificadas estupidamente para se atingir exatamente esse objetivo.

Se a violência do terror deve estar parecendo útil aos terroristas, da violência dos aliados não se pode ter a mesma sensação de eficácia. Tomou-se um país com a facilidade de roubar doce de criança (guardadas as devidas proporções). Mas o terrorismo segue firme.

O mundo está num mato sem cachorro. Por mais insana que tenha sido a decisão dos EUA e Inglaterra, que se valeram de uma mentira para justificar a derrubada da ditadura sanguinária de Sadam, qualquer coisa que se faça agora dará no mesmo: se os aliados recuarem, os desumanos métodos das organizações terroristas serão coroados de êxito pleno; se for intensificada a guerra contra o terror, este não será banido completamente, por mais cruentas que sejam as batalhas. Alguém já observou, com perspicácia sobrenatural, que o terrorismo não é um grupo de pessoas, mas uma ideologia (“Al Quaeda” significa, aliás, “A Rede”). Ideologia não pode ser eliminada a tiros e bombas.

Entre “dar um boi para não entrar na briga, e uma boiada para não sair dela”, hoje se sabe que a primeira alternativa teria sido mais sensata.

Todos sabem disto, até o Papa João Paulo, que rezou em sua capela particular, chorando de joelhos. Quando a maior autoridade espiritual do planeta recolhe-se em postura de desespero e impotência, pode ser sinal de que a última (ou única) alternativa, agora, seja simplesmente orar.

Quem vive da espada... já dizia Jesus. O ódio realimenta-se.

Gandhi também pregava a doutrina da não-violência, desejava a paz entre hindus e muçulmanos, entre indianos e ingleses. Para o maior líder indiano, “o ahima (amor) não é somente um estado negativo que consiste em não fazer o mal, mas também um estado positivo que consiste em amar, em fazer o bem a todos, inclusive a quem faz o mal”. Jejuava, incentivava greves e desobediência civil, mas jamais a luta armada.

Lições históricas não faltaram. Nem violência. Então, o que faltou?

_________________

* Advogado do escritório Demarest e Almeida Advogados

___________________