Segunda-feira, 14 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

Ética e imprensa

Sérgio Roxo da Fonseca

Não que haja uma ética para cada profissão como, por exemplo, uma ética jurídica, uma ética médica e uma ética jornalística. Tenho sustentado que o conhecimento humano tem uma única raiz, daí a impossibilidade de se encontrar várias éticas. Acredito na existência de uma única ética.

segunda-feira, 5 de abril de 2004

Ética e imprensa

Sérgio Roxo da Fonseca*

Não que haja uma ética para cada profissão como, por exemplo, uma ética jurídica, uma ética médica e uma ética jornalística. Tenho sustentado que o conhecimento humano tem uma única raiz, daí a impossibilidade de se encontrar várias éticas. Acredito na existência de uma única ética.

Mesmo assim há uma divisão insuperável quanto à origem da ética, para uns na ordem divina, para outros na ordem humana.

Os irmãos Karamazov, pretendendo matar o pai, demonstraram a profundidade do problema.  Cito de memória. Um deles propõe o parricídio através de um plano que escaparia das regras humanas. Aliocha lembra que é possível fugir do julgamento dos homens, mas que é impossível fugir das leis de Deus. Mas Deus não existe, responde o irmão. Bem, se Deus não existe, então tudo é permitido.

A última frase revela o problema. As normas jurídicas, morais e éticas são derivadas ou não de Deus ? A negação da existência de Deus implica ou não a inexistência do direito, da moral e da ética ?   Se Deus não existe, então tudo é permitido. Os homens não têm meios para conter a própria violência humana. Precisam de Deus,  segundo tal visão.

Aponta-se erro na conclusão, ao se afirmar que todas as normas são frutos da cultura humana. Se Deus existe ou não existe, não faz diferença porque com Deus ou sem Deus o homem tem de ser ético. Os homens criaram o direito, a moral e a ética porque são irmãos, o que é o bastante de se bastar.

O tema ganha importância com a veiculação da notícia segundo a qual um jornalista do New York Times, Jayson Blair, confessou que estava frequentemente bêbado e drogado enquanto redigia suas reportagens. Menti, mentid, menti, disse ele. Não se sabe se bebia porque mentia ou mentia porque bebia. Objetivamente a reportagem era mentoriosa.

A imprensa é a maior geradora de normas de conduta da história recente. O Legislativo e o Judiciário expedem regras um, dois, dez anos depois dos fatos. A imprensa profere julgamentos todos os dias.

Causa repugnância, saber que um dos  jornalistas do New York Times, confessadamente bêbado,  tenha mascarado a realidade por ele testemunhada, passando a moldar pela mentia  a conduta e a opinião de um número desconhecido de pessoas.

Não creio numa ética especial para jornalistas – sou um deles. Mas estou convencido da necessidade de um rígido controle ético sobre o material que diariamente invade a nossa vida.  A liberdade de imprensa deve ter contornos quase sagrados, mas seus limites humanos merecem ser sempre definidos e controlados porque enfim somos humanos.

______________

* Advogado, professor da UNESP e Procurador de Justiça de São Paulo, aposentado

_________________