Domingo, 19 de janeiro de 2020

ISSN 1983-392X

O registro da distribuição da execução (CPC, art. n°. 615-A) e a fraude à execução

Mirna Cianci e Rita Quartieri

A interpretação simplesmente literal do dispositivo conduziria à apressada conclusão de que o art. n°. 615-A do CPC teria introduzido em nosso sistema uma nova hipótese de fraude à execução, bastando, portanto, que o credor, de modo próprio (rectius sem ordem judicial) providenciasse a averbação da distribuição da execução, para que resultasse ineficaz qualquer alienação patrimonial.

terça-feira, 8 de janeiro de 2008


O registro da distribuição da execução (CPC, art. n°. 615-A) e a fraude à execução

Mirna Cianci*

Rita Quartieri*

A interpretação simplesmente literal do dispositivo conduziria à apressada conclusão de que o art. n°. 615-A do CPC (clique aqui) teria introduzido em nosso sistema uma nova hipótese de fraude à execução, bastando, portanto, que o credor, de modo próprio (rectius sem ordem judicial) providenciasse a averbação da distribuição da execução, para que resultasse ineficaz qualquer alienação patrimonial.

Não sobrevive, todavia, essa exegese a uma análise histórica e sistemática do instituto, cujo aprofundamento revela total inadequação dessa afirmação que vem predominando na doutrina recente das reformas do processo1, com o argumento de que a hipótese se amoldaria no inciso III do art. n°. 593 do CPC, que prevê a fraude "nos demais casos expressos em lei". No entanto, como a expressão revela, tais hipóteses devem ser expressamente previstas em lei, como é o caso da presunção de fraude quando a alienação for posterior à inscrição da dívida ativa (art. n°. 185 do Código Tributário Nacional - clique aqui -). Não é o caso do art. n°. 615-A.

No contexto n°. histórico temos que o reconhecimento da fraude à execução pelos Tribunais e em especial pelo Superior Tribunal de Justiça2 sempre alinhavou, como pressuposto, a exigência da pendência de demanda capaz de reduzir à insolvência o devedor. Essa conduta, inclusive, sempre foi muito criticada pela doutrina, na medida em que favorecia conluios entre devedor e terceiro, mas, é de se admitir, foi orientação que predominou naquela Corte, revelando que, numa análise histórica da evolução jurisprudencial, a citação na execução deve anteceder o reconhecimento dessa causa de ineficácia.

Se tivesse pretendido o legislador aderir à tendência doutrinária e contrariar a jurisprudência dominante, teria simplesmente modificado o ordenamento de modo a considerar em fraude à execução a alienação de bens feita após a simples distribuição da execução, independente de citação. Não o fez e essa omissão traduz justamente a mens legis, que, tudo indica, preferiu manter a orientação jurisprudencial.

Num exame sistemático, que melhor se adapta a qualquer estudo hermenêutico, temos a conjugação dos artigos n°. 593, inciso II e 615-A, onde dois requisitos permanecem no sistema, a basear todo e qualquer reconhecimento da fraude à execução, seja na ordem processual, seja na legislação extravagante ou superveniente:

(i) a pendência da demanda e
(ii) a redução do devedor ao estado de insolvência.

Esses requisitos permanecem válidos em nosso sistema e o afastamento de tais exigências resultaria em desvirtuamento do instituto, com seu deslocamento apenas e tão somente nos casos de averbação, especialmente levando em conta tratar-se de ato de iniciativa exclusiva da parte, sem qualquer rigor em sua limitação inicial e portanto sujeito a posterior adequação ao volume da dívida, capaz de comprometer, muitas vezes de modo inadequado, a totalidade do patrimônio do devedor.

A vingar aquela orientação, a alienação de quaisquer bens averbados já configuraria fraude. E é direito fundamental do executado, diante da superioridade de seu patrimônio em relação ao débito exeqüendo, a livre disposição de bens que estejam fora da garantia da execução, descaracterizada a situação de insolvência exigida pelo texto legal.

Diante da harmonia do sistema processual, o art. n°. 615-A merece trato de convivência com os demais dispositivos que regulam a matéria, mesmo porque a averbação dá-se em momento posterior ao ajuizamento da ação e antes da citação.

Ademais disso, se considerado como marco da fraude a data da averbação não haveria tratamento idêntico ao tema, pois teríamos momentos distintos para delimitar o regime de ineficácia, a depender do desejo do exeqüente em promover ou não a averbação, já que se trata de faculdade, e não de dever.

Nem socorre ao intérprete a previsão de responsabilidade do credor por eventuais excessos que possam resultar em prejuízos ao devedor, posto que não será garantia de pleno e adequado ressarcimento. Leve-se em conta que o devedor possa ter a possibilidade de engatilhar negócios vantajosos e que a simples averbação sequer lhe traga ao conhecimento as perdas a que venha a ser submetido, posto que o interessado, apenas tomando conhecimento dessa nota, certamente deixará de tomar a iniciativa de manifestar sua intenção.

A precariedade do ato também não recomenda a antecipação da fraude. Não há vinculação dos bens averbados à futura penhora, podendo o exeqüente indicar bens de maior liquidez (como o dinheiro, que é preferencial na ordem de bens penhoráveis), o que desaconselha tenha o instituto conseqüência tão grave como a ineficácia ab initio.

Na verdade, a correta exegese do art. n°. 615-A recomenda ser considerado como mais uma hipótese de inversão do ônus da prova, interpretação que viria a aperfeiçoar o sistema, e não a contrariá-lo.

O registro da penhora (CPC, art. n°. 659, § 4º) idêntica polêmica trouxe a debate, e a respeito se firmou entendimento de que essa providência revelaria apenas o resultado da ciência a terceiros, não sendo o ato integrativo da penhora, como não é a averbação integrativa da fraude.

Antes da modificação ao art. n°. 659 do CPC os Tribunais exigiam para reconhecer a fraude prova de que o adquirente conhecia a demanda em curso capaz de reduzir o devedor a insolvência, atribuindo o encargo probatório ao exeqüente. A dificuldade de prova, no entanto, desaguava na prevalência do negócio jurídico em prejuízo da fraude, em desprestígio à atividade jurisdicional desenvolvida na execução.

Diante disso, reforma processual anterior fez constar do referido dispositivo (art. n°. 659) previsão de inscrição da penhora no registro imobiliário, criando presunção absoluta, neste caso, de conhecimento de terceiros a respeito do ato de constrição. Em hipótese de ausência de registro a presunção seria relativa, cabendo ao adquirente a prova de que não tinha ciência da demanda capaz de reduzir o devedor à insolvência.

Com o mesmo desígnio, o registro da distribuição da execução cria presunção absoluta (§ 3º, art. n°. 615-A) a respeito do conhecimento de terceiros sobre a demanda em curso, e, por conta disso, este fato independe de prova (CPC, art. n°. 334, inciso IV).

Esta interpretação é a que melhor se adapta à tendência que inspirou a reforma, de uma atuação jurisdicional efetiva e ao mesmo tempo conciliadora dos direitos fundamentais de ação e defesa, como forma de outorga do justo e adequado processo.

______________

1 Nesse sentido: ASSIS, Araken. Manual da Execução. 11. ed. São Paulo: RT, 2007, p. 259. BUENO, Cassio Scarpinella. A nova etapa da reforma do Código de Processo Civil. São Paulo: Saraiva, 2007, v. 3, p. 51.

2 Direito processual civil. Execução de alimentos. Fraude de execução.

3 Requisitos. Citação válida do devedor. Prova da Insolvência. Ciência dos adquirentes a respeito da ação em curso. Embargos de declaração.

Reexame de provas vedado.

- Inviável o recurso especial quando o Tribunal Estadual decidiu fundamentadamente as questões necessárias ao deslinde da controvérsia, sem omissões, contradições, tampouco obscuridades no julgado, embora em sentido diverso do pretendido pela parte.

- Para caracterização da fraude de execução prevista no art. n°. 593, inc. II, do CPC, ressalvadas as hipóteses de constrição legal, necessária a demonstração de dois requisitos: (i) que ao tempo da alienação/oneração esteja em curso uma ação, com citação válida;

(ii) que a alienação/oneração no curso da demanda seja capaz de reduzir o devedor à insolvência. Precedentes.

- Dessa forma, se o Tribunal de origem entende que os requisitos da fraude de execução estão presentes, a modificação do julgado esbarra na proibição de se analisar fatos e provas em sede de recurso especial.

Recurso especial não conhecido.

(REsp 862.123/AL, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 07.05.2007, DJ 04.06.2007 p. 351)

_______________

*Procuradoras do Estado de São Paulo e Coordenadoras da Escola Superior da Procuradoria do Estado de São Paulo – ESPGE/SP






_______________

últimos artigos

Lei Romeo Mion

Eudes Quintino de Oliveira Júnior

Como devem se comportar os condomínios em tempos de incertezas?

Amanda Lobão

Como são tributados os produtos de cesta básica?

Lucas Moreira

Breve análise sobre a constitucionalidade da decisão do STF

Ana Beatriz Ferreira Rebello Presgrave

CAR como fomento do agronegócio

Vanessa Rosin Figueiredo e Maria Mercedes Filártiga Cunha