Domingo, 19 de janeiro de 2020

ISSN 1983-392X

Saudades

Manuel Alceu Affonso Ferreira

Poetou Drummond de Andrade que “Não há vivos; há os que morreram e aqueles que esperam a vez...”. Pois bem. Enquanto paciente (e irresignadamente!) aguardo a minha, assisto à partida dos amigos e contemporâneos.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008


Saudades

Manuel Alceu Affonso Ferreira*

Poetou Drummond de Andrade que "Não há vivos; há os que morreram e aqueles que esperam a vez...".

Pois bem. Enquanto paciente (e irresignadamente!) aguardo a minha, assisto à partida dos amigos e contemporâneos. Alguns, de partidas antes anunciadas pela velhice, pelas doenças ou pelos riscos negligentemente assumidos. Já outros, todavia, apartando-se de súbito, sem os pré-avisos que servem, ao menos, para suavizar o choque futuro.

Destes últimos, pensava eu durante o concorrido velório na Assembléia Legislativa, Hélio Quaglia Barbosa foi o derradeiro, carregando consigo o patrimônio moral, intelectual e jurídico, que suas imensas virtudes, e apenas elas, souberam construir.

O "Quaglia", como o chamávamos, a um só tempo era visceralmente ético, sem ser farisaico; inteligente, sem ser presunçoso; culto, sem ser pedante; tenro, sem ser demagogo; sensível, sem ser piegas; arguto, sem ser ladino. Tinha, dos bacharéis de sua geração, a magnânima emoção e o calor humano. Juiz na essência e na imanência, reverenciava a lei, mas jamais a manejou como édito inflexível, transformando-a em jus durum alheio ao drama concreto submetido a julgamento.

Tais talentos, o mais tarde ministro do Superior Tribunal de Justiça exerceu-os desde os idos em que, no Secretariado Paulista, colaborou com Hely Lopes Meirelles. E transportou-os à Magistratura, onde os autos que recebia não representavam mero e achavascado papelório de intermináveis laudas, mas sim fiel tradução das imensas angústias de litigantes aflitos.

Dizia Rolland que a verdadeira justiça não permanece sentada diante de sua balança, limitando-se a ver oscilarem os seus pratos. Ao contrário, Quaglia pertencia à categoria dos juízes ativos e conscienciosos, estes que esmiuçam as particularidades de cada litígio antes de fazer sobressair o peso de um daqueles pratos, cientes de que, antes de corresponder a um medíocre e glacial cumprimento da disposição legislada, a justiça há de conformar-se à vontade constitucional e homenagear o que for adequado.

Faz pouco, contou-me certo ilustre membro de tribunal superior que, ao receber qualquer processo, desde logo forma convicção lastreada na noção de justiça, para aí então — e somente então — averiguar se o seu projeto decisório combina com aquele adotado pelo legislador. Sem chegar a tanto, mas disso próximo, Quaglia teimosamente perseguia o justo, pelo que, preservado o objetivo maior buscado, a justiça, cuidava de emprestar à lei a interpretação ditada pela eqüidade.

Tudo isso relembrei, esperando a minha vez (...), durante aquela vigília póstuma na qual, a evidenciar a tocante simplicidade do ali velado, a bandeira do São Paulo Futebol Clube ocupava lugar destacado. Quiçá tenha sido, no apaixonado torcedor, a melhor oportunidade em que, vencendo a inata timidez de menino, conseguiu alardear a (justíssima...) preferência tricolor.

É, a imortalidade principia com a morte. O nosso querido Quaglia deixa riquíssimas lições e infindáveis saudades, ainda que, nessa transitória ausência física, graças a Deus eternamente presente...

_____________

* Advogado



 

__________

últimos artigos

Lei Romeo Mion

Eudes Quintino de Oliveira Júnior

Como devem se comportar os condomínios em tempos de incertezas?

Amanda Lobão

Como são tributados os produtos de cesta básica?

Lucas Moreira

Breve análise sobre a constitucionalidade da decisão do STF

Ana Beatriz Ferreira Rebello Presgrave

CAR como fomento do agronegócio

Vanessa Rosin Figueiredo e Maria Mercedes Filártiga Cunha