Terça-feira, 12 de novembro de 2019

ISSN 1983-392X

Exceção de pré-executividade em face da execução fiscal

Leon Frejda Szklarowsky

Nas Ordenações, todos os créditos fiscais eram abrangidos, prestigiando a ação executiva, na sua cobrança. Os romanos já aplicavam o processo sumaríssimo à cobrança de todas as dívidas, mesmo as oriundas dos contratos.

quarta-feira, 27 de outubro de 2004


Exceção de Pré-executividade em face da Lei de Execução Fiscal


Embargo do devedor e garantia do juízo


Leon Frejda Szklarowsky*


PROPOSTA DE ALTERAÇÃO LEGISLATIVA

Nas Ordenações, todos os créditos fiscais eram abrangidos,prestigiando a ação executiva, na sua cobrança. Os romanos já aplicavam o processo sumaríssimo à cobrança de todas as dívidas, mesmo as oriundas dos contratos.

Juízos privativos existiam na legislação lusitana, tal qual relatam as Ordenações1.

A Carta de Lei, de 22 de dezembro de 1761, atribuía ao Conselho da Fazenda a jurisdição exclusiva para processar e decidir as execuções das rendas e de todos os direitos e bens da Coroa, de qualquer natureza.

O Alvará de 16.12.1774 ordenava proceder executivamente contra os devedores na conformidade dos Regimentos da Fazenda e da Lei do Reino, devendo o juiz mandar passar mandados executivos pelas dívidas que liquidamente constassem dos Livros da Alfândega e, depois de feita a penhora, cabia-lhe remeter os autos ao Superintendente - Geral para proceder de forma sumária, verbalmente, e de plano, mas tão somente aqueles meios que necessários fossem para o descobrimento da verdade e defesa das partes, dando apelação e agravo para o Juízo dos Feitos da Fazenda.

A penhora fazia-se administrativamente pela própria administração ativa (a que fiscaliza, autua e impõe as penalidades) e somente depois, na fase recursal, a competência passava para o Juízo.

Modelo semelhante, séculos depois, foi concebido pela Comissão designada pelo Ministro Mário Henrique Simonsen2, composta dos notáveis juristas, Gilberto de Ulhôa Canto, Geraldo Ataliba e Gustavo Miguez de Mello.

A Lei 242, de 29.11.1842, instituiu o Juízo dos Feitos da Fazenda Nacional em primeira instância e restabeleceu o privilégio do foro para as causas da Fazenda Nacional, abolido que fora pela Lei de 4 de outubro de 1831. Instruções e regulamentos foram expedidos, para facilitar a execução dessa lei e, da Diretoria Geral do Contencioso, provieram as Instruções de 31 de janeiro e 10 de abril de 1851, para uso dos Procuradores dos Feitos da Fazenda, ancestral dos Procuradores da Fazenda Nacional. Este, advogado e representante da Fazenda Nacional3, nos juízos de primeira instância, devia proceder no desempenho de seu cargo com toda a civilidade, decência, boa fé e discrição próprias de um perfeito advogado4.

No Brasil imperial, com Dom Pedro I, surge o Conselho de Estado, suprimido pelo Ato Adicional de 1834, e restabelecido por Dom Pedro II, Em 1831, a Regência criou o Tribunal do Tesouro Nacional, que tinha, entre suas atribuições, a suprema direção e fiscalização da receita e despesa da Nação, inspecionando a arrecadação, distribuição e contabilidade de todas as rendas públicas e decidindo todas as questões administrativas, “que a tais respeitos possam ocorrer”. Ao Procurador Fiscal competia, então, promover o contencioso fiscal.

O Brasil republicano, entretanto, espelhado no modelo dos Estados Unidos da América, estabeleceu a Justiça Federal, que absorveu o Contencioso Administrativo.

Não existe, pois, no País, um contencioso administrativo propriamente dito, porquanto os conselhos de contribuintes e os conselhos da Previdência, na órbita federal, e os tribunais e conselhos administrativos, nas esferas dos Estados e dos Municípios, não podem assim ser chamados, devido ao óbice constitucional5.

O Decreto 9885, de 29.2.1888, expedido em face da autorização concedida pela Lei 3348, de 20.10.1887 (artigo 8º, § 5º), tornou sem efeito toda a legislação anterior acerca do processo executivo e visava acelerar a cobrança da dívida ativa, que abrangia a dívida tributária e não tributária.

A legislação revogada fundava-se basicamente na Lei de 22.12.1761, no Decreto 736, de 20.11.1850, na Lei 628, de 17.9.1851, e na Instrução de 31.1.1851. A execução fiscal obedeceria, desde então, ao citado decreto e às disposições dos Decretos 737, de 1850, e 9549, de 1886, no que fossem aplicáveis.

O Decreto lei 960, de 17.12.38, substituiu esse diploma e perdurou, com algumas modificações, até o advento do Código de Processo Civil de 1973 (Código Buzaid ).

Com esse diploma legal, o executivo fiscal passou a denominar-se execução fiscal ou ação de execução, alterando fundamente o sistema da execução forçada fiscal, visto que o processo comum e o fiscal foram unificados.

Houve várias tentativas de reformulação legislativa, no sentido de dotar o País de uma legislação processual fiscal ágil e moderna6.

A Lei 6830, de 22 de setembro de 1980 - LEF, regula atualmente a cobrança da dívida ativa da União, dos Estados, do DF, dos Municípios e respectivas autarquias, aplicando-se subsidiariamente o Código de Processo Civil7.

O artigo 16 oferta ao executado o prazo de 30 dias para oferecer embargos, perante o próprio juízo da execução, os quais, na nova sistemática, constituem uma ação, na qual o devedor - executado é o autor. Ou, na expressão de Liebman: ação incidente do executado. A sentença ensina Alexandre de Paula, proferir-se-á naqueles e não na ação de execução. Eis por que a autuação em separado se faz necessária, ocasião em que o executado deverá alegar toda a matéria útil à defesa, requerer provas e juntar documentos e o rol de testemunhas, segundo o princípio da eventualidade, concentrando-se então toda a defesa do devedor. Neste sentido, o Min. Sálvio de Figueiredo8.

Não admite a LEF os embargos, antes de garantido o juízo.

Esta é também a prédica do CPC - artigo 737, com o beneplácito da jurisprudência9 Assim entende Silva Pacheco10. O direito anterior exigia fosse o juízo seguro pela penhora, depósito da coisa ou seu equivalente.

Não obstante, Theotonio Negrão coleciona acórdãos que admitem a apresentação de embargos, antes de seguro o Juízo, nos casos em que o título executivo não se reveste das formalidades legais, denotando abuso de direito ou se o executado é pobre e não dispõe de bens para dar à penhora. Copiosa é a doutrina citada, abrangendo todas as facetas11.Em harmonia com o sacro princípio constitucional do contraditório, o insigne jurista Athos Carneiro mostrou-se sensível a esse posicionamento.

Em casos excepcionais, admite-se, pois, a dispensa do pressuposto básico da garantia do juízo, com fonte na Carta Magna.

O executado pode efetuar o pagamento no juízo da execução e não obrigatoriamente na repartição fiscal e alegar o pagamento nos próprios autos da execução fiscal12, antes de efetivada a penhora, quando então o juiz deverá abrir vista dos autos ao exeqüente, atento ao magistério ditado pela jurisprudência, sinalizada pelo acórdão relatado, pelo Min. Pádua Ribeiro13.

O Tribunal Regional Federal, da 4ª Região, em acórdão relatado pelo ínclito juiz, Teori Albino Zavascki, com o beneplácito dos seus pares, decidiram que “a chamada exceção de pré – executividade do título consiste na faculdade, atribuída ao executado, de submeter ao conhecimento do juiz da execução, independentemente de penhora ou embargos, determinadas matérias próprias da ação de embargos do devedor. Admite-se tal exceção, limitada, porém, sua abrangência temática, que somente poderá dizer respeito a matéria suscetível de conhecimento de ofício ou à nulidade do título, que seja evidente e flagrante, isto é, nulidade cujo reconhecimento independa de contraditório ou dilação probatória”. Cita, em abono a essa tese, Pontes de Miranda, Galeno de Lacerda e Araken de Assis14. Em sentido contrário, julgado desta mesma Corte15.

A doutrina e a jurisprudência contemplam fartamente a tese já vitoriosa de que a nulidade da execução pode ser argüida a qualquer momento e não requer seja o juízo seguro, nem sejam apresentados embargos à execução. Basta simples petição, devendo ser decretada ex officio16, ou resolvida incidentalmente17.

É à exceção de pré - executividade18. Ainda, oposição pré - processual ou processual, nas lições de Pontes de Miranda19. Na preleção de Milton Flaks, na prática forense, essa liberalidade tem sido comum20.

O STJ, pela palavra do Rel. Min. Eduardo Ribeiro, da 3a. T. sentenciou que a nulidade do título, em que se alicerça a execução, pode ser oposta por simples petição, por ser suscetível de exame, de ofício, pelo magistrado21, homenageando as Súmulas 346 e 473 do Pretório Excelso. Iterativa e torrencial é a orientação pretoriana22.

Realmente, se as decisões sumuladas ordenam que a Administração pode (sem receio, acrescentamos que ela deve, não apenas pode) anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornem ilegais, porque deles não se originam direitos, respeitados sempre os direitos adquiridos, com razão bastante, podemos anunciar que o Judiciário deve fazê-lo, de imediato, ao se confrontar com ato ou título maculado com a saga da nulidade ou de vício insanável.

Roberto Rosas registra que o julgado não pode evidentemente ser invocado para amparar a revogação do ato por conveniência ou oportunidade, já que somente a Administração é seu árbitro, todavia, devem fazê-lo, tanto a Administração, quanto o Judiciário, na hipótese de ilegalidade ou ilegitimidade do ato23.

Jansen de Almeida, defendendo, com veemência essa já cristalizada postura, indaga, com muita pertinência: “se o credor criar um falso título executivo ou lhe faltar algum requisito essencial, deverá o devedor dispor de seu patrimônio, com o fim de garantir o juízo para opor embargos do devedor?” E responde com segurança que não!24

Nelson Nery Júnior e Rosa Maria Nery indicam, entre outros, o magistério de Pedro Barcelos, que admite os embargos, independentemente de estar garantido o juízo, conquanto Alcides de Mendonça Lima se oponha a tal prática25.

Ainda Alberto Caminha Moreira, em opulento estudo, fundado em rica jurisprudência e sólida doutrina, confirma esse entendimento26. Neste sentido, Cândido Dinamarco, Celso Neves, Humberto Theodoro Júnior, Ovídio Batista da Silva, Ernane Fidelis dos Santos. Luiz Edmundo Bojunga, Marcos Valls Feu Rosa, Donaldo Armelin, Haroldo Garcia Vitta, Hugo de Brito Machado, Schubert de Farias Machado, Wildo Lacerda Dantas.

A LEF ampara, ex abundantia, essa exegese, ao ditar que, até a decisão de primeira instância, a certidão de dívida ativa poderá ser emendada ou substituída, assegurada ao executado a devolução do prazo, com o apoio inequívoco do artigo 26 que autoriza a extinção da execução fiscal, até a decisão de primeira instância, se, a qualquer título, for cancelada a inscrição da dívida ativa, sem qualquer ônus para as partes. Entretanto, a doutrina e a jurisprudência, por unanimidade, têm instruído que a desistência da execução fiscal, após os embargos, não afasta a responsabilidade da exequente pelo ônus da sucumbência.

No passado, o Decreto do Império número 9885, de 29 de fevereiro de 1888, que disciplina o processo executivo fiscal, com excepcional clarividência, proclamava que se o réu comparecesse, antes de feita a penhora, não seria ouvido, salvo se ocorressem as hipóteses de haver sido paga a dívida, mediante comprovação através de documento autêntico ou mediante certidão de anulação da dívida, passada, pela repartição fiscal arrecadadora, ou ainda a requerimento do Procurador da Fazenda, por ordem transmitida pelo Tesouro.

Portando, a lei autorizava o comparecimento do devedor em Juízo, para se defender, independentemente da realização da penhora, nos casos de nulidade do processo executivo ou quitação da dívida, ocorrendo, então a extinção da execução27.

O Decreto 848, de 11 de outubro de 1890, que regulava a organização da Justiça Federal, também admitia a defesa em a garantia do Juízo, nas mesmas hipóteses, bem como o decreto 5225, de 1932, do Estado do Rio Grande do Sul.

PRO
POSTA

Propomos a alteração dos artigos 737 do Código de Processo Civil e 16 da Lei 6830, de 25 de setembro de 1980, com o objetivo de sanar este vácuo legal, consagrando a orientação doutrinária e jurisprudencial.

Ao artigo 737, sugerimos o acréscimo de um parágrafo único, permitindo que o devedor, excepcionalmente, possa opor-se à execução, por meio de embargos, antes de seguro o juízo, desde que comprove, por meio de documento hábil, a nulidade do título ou da execução ou o pagamento da dívida.

A seu turno, ao § 1º do artigo 16, sugerimos o acréscimo da seguinte oração: ... “salvo se o devedor comprovar, por documento hábil, a nulidade do título ou da execução ou o pagamento da dívida”, in verbis:

Art. 737 - Parágrafo único – Excepcionalmente, serão admitidos embargos, independentemente de estar seguro o juízo, se o devedor comprovar, por documento hábil, a nulidade do título ou da execução ou o pagamento da dívida.

Art. 16 - Parágrafo único – Não são admissíveis embargos do executado antes de garantida a execução, salvo se o executado comprovar, por documento hábil, a nulidade do título ou da execução fiscal ou o pagamento da dívida.

Justifica-se plenamente a alteração desses diplomas legais, para harmonizá-los, com a melhor doutrina e com mansa e pacífica jurisprudência, o que de resto se conforma com a legislação anterior ao Decreto – lei 960, de 1938, e ao Código de Processo Civil de 1939, que tratavam da matéria, com precisão cirúrgica.

No caso da execução fiscal, essa modificação legal encontra arrimo também no § 8º do artigo 2º e no artigo 26 da Lei 6830, de 1980, pois este diploma legal já permite que, até a decisão de primeira instância, a certidão da dívida ativa – título executivo fiscal – possa ser emendada ou substituída, e a execução fiscal extinta, sem qualquer ônus, para as partes, se, antes da decisão de primeira instância, a inscrição da dívida ativa, for cancelada, a qualquer título.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ARDANT, Gabriel. Histoire de 1'Impôt. 1ª ed. Paris, Fayard, 1971 (L.I), 1972 (L.II)

ATALIBA, Geraldo. Hipótese de Incidência Tributária. 3a. ed., São Paulo, Revista dos
Tribunais, 1981.

ATALIBA, Geraldo, e Outros. Elementos de Direito. Tributário. 1ª. ed. São Paulo, Revista
dos Tribunais, 1978.

BALEEIRO, Aliomar. Cinco Aulas de Finanças e Política Fiscal. 2ª. ed. São Paulo,
Bushatsky, 1975.

_________________. Uma Introdução à Ciência das Finanças; atualizada por Flávio Bauer
Novelli, l4ª. ed. Rio de Janeiro, Forense, 1984.

_________________. Direito Tributário Brasileiro; atualizada por Flávio Bauer Novelli. 10ª.
Ed. Rio de Janeiro, Forense, 1984,

_________________. Limitações Constitucionais ao Poder de Tributar. 5ª. ed. Rio de
Janeiro, Forense, 1980.

BECKER, Alfredo Augusto. Teoria Geral do Direito Tributário. 2ª. ed. São Paulo, Saraiva,
1972.

BERTRAME, Pierre. Os Sistemas Fiscais; tradução de J. L. da Cruz Vilaça; com apêndice "Perfil do Sistema Tributário Brasileiro", por Marco Aurélio Greco. 1ª. ed.
Coimbra, Almedina, 1976.

BORGES, José Souto Maior. Obrigação Tributária: uma introdução metodológica, 1ª. ed.,
São Paulo, Saraiva, 1984.

_______________________. Lançamento Tributário (vol. IV do Tratado de Direito
Tributário Brasileiro), 1ª. ed. Rio de Janeiro, Forense, 1981.

_______________________. Lei Complementar Tributária. 1ª ed. São Paulo, Revista dos Tribunais/EDUC, 1975.


_______________________. Isenções Tributárias, 2ª. Ed. São Paulo, Sugestões Literárias,
1980.

BRÊTAS, Anchises, e Outros. Direito Econômico do Planejamento. 1ª. Ed. Belo Horizonte,
UFMG, 1980.

CARNEIRO, Alberto Gomes Santana. "Reflexões Jurídicas e Metajurídicas sobre os Empréstimos Compulsórios". Projeção - Revista Brasileira de Tributação e Economia, Brasília, ABTT, 76 (9): 43-53; (10): 43/53, (11): 40-46, (12): 37-50, ao/dez 1976.

CARRAZZA, Roque Antônio. O Regulamento no Direito Tributário Brasileiro. 1ª. Ed., São
Paulo, Revista dos Tribunais 1981.

CARVALHO, A. A. Contreiras de. Doutrina e Aplicação do Direito Tributário. 2ª. ed. Rio de
Janeiro, Freitas Bastos, 1973.

CARVALHO, Paulo de Barros. Teoria da Norma Tributaria. 2ª. ed. São Paulo, Revista dos
Tribunais, 1981.

COELHO, Sacha Calmon Navarro. Teoria Geral do Tributo e da Exoneração Tributária. 1ª.
ed., São Paulo, Revista dos Tribunais, 1982.

COSSON, Jean. Les industriels de 1ª fraude fiscale. 2ª. ed., Paris, Seuil, 1971.

DEODATO, Alberto. Manual de Ciência das Finanças. 18ª. ed. São Paulo, Saraiva, 1981.

DÒRIA, Antônio Roberto Sampaio. Elisão e Evasão Fiscal, 2ª., ed., São Paulo, Bushatsky,
1977.

DUVERGER, Maurice. Eléments de Fiscalité. 1ª. ed., Paris, P.U.F. - Thémis, 1976.

FALCÃO, Amílcar de Araújo. Fato Gerador da Obrigação Tributária: atualizado por Geraldo
Ataliba. 4ª, ed. São Paulo, Revista dos Tribunais, 1977.

FANUCCHI, Fábio. Curso de Direito Tributário Brasileiro. 4ª. ed. São Paulo, IBET/Resenha
Tributária, 1978, vol. I e II.

FLAKS, Milton. Comentários à Lei da Execução Fiscal. 1ª. ed., Rio de Janeiro, Forense,
1981.

FONROUGE, Carlos M. Giuliani. Derecho Financiero. 2ª. ed. Buenos Aires, Depalma, 1970
(V, I e II).

FONSECA, Herculano Borges da. As Instituições Financeiras do Brasil. 1ª. ed. Rio de
Janeiro, Crown Editores Internacionais, 1970 (?).

GALLO, Antonio Felippe Gallo, Código Tributário Nacional, Malheiros, 1998.

GAUDEMAT, Paul Marie. Finances Publiques. (T.I, Politique financiere - Budget et Trésor)
2ª. ed., Paris, Ed. Montchrestien, 1974.

_____________________. Précis de Finances Publiques (T.II, Les ressources publiques –
Emprunt et Impot) 1ª, ed. Paris. Ed. Montchrestien, 1970.

GRECO, Marco Aurélio. Dinâmica da Tributação e Procedimento. 1ª. ed. São Paulo, Revista
dos Tribunais, 1979.

GRIZIOITI, Benvenuto. Princípios de Ciência de Las Finanzas; trad. por Dino Jarach. 1ª. ed.
Buenos Aires, Depalma, 1959.

GUIMARÃES, Ylves José de Miranda. A Situação Atual da Parafiscalidade no Direito
Tributário. 1ª. ed. São Paulo, Bushatsky, 1977.

HARADA, Kiyoshi, Direito Financeiro e Tributário, Atlas, 4ª edição.

JARACH, Dino. El Hecho Imponible (Teoria General del Derecho Tributário Sustantivo). 2ª
ed. Buenos Aires, Abeledo-Perrot, 1971.

LAURÈ, Maurice. Traité de Politique Fiscale. 2ª. ed. Paris, P.U.F., 1957.

LOPES FILHO, Osiris de Azevedo. Regimes Aduaneiros Especiais. 1ª. ed. São Paulo, Revista dos Tribunais, 1984.

MACHADO JR., J. Teixeira, e REIS, Heraldo da Costa. A Lei 4.320 comentada. 14ª. ed. Rio
de Janeiro, IBAM, 1984.

MAGALHÃES, Augusto T. R. de. Os Bancos Centrais (e sua função reguladora da moeda e
do crédito). 1ª. Ed. Rio de Janeiro, Casa do Livro, 1971.

MALERBI, Diva Prestes Marcondes. Elisão Tributária. 1ª. ed. São Paulo, Revista dos
Tribunais, 1984.

MARTINS, Ives Gandra da Silva (Coordenador Geral). Curso de Direito Tributário. 1ª. ed.
São Paulo, Saraiva, 1983.

MELO FILHO, Álvaro. Direito Tributário (metodologia e aplicação). 1ª. Ed. Rio Janeiro, Forense, 1976.

MORAES, Bernardo Ribeiro de. A Taxa no Sistema Tributário Brasileiro, 1ª. Ed. São Paulo
Revista dos Tribunais, 1986.

_________________________. Doutrina e Prática das Taxas. 1ª ed. São Paulo, Revista dos
Tribunais, 1976.

_________________________. Sistema Tributário da Constituição de 1969. 1ª, ed., 2ª,
tiragem. São Paulo, Revista dos Tribunais, 1979.

MORAES, Bernardo Ribeiro de, e Outros. Interpretação no Direito Tributário, 1ª. Ed. São
Paulo, Saraiva/EDUC, 1975.

MOREIRA, João Baptista. A Contribuição de Melhor ia e a Imposição da Valorização Imobiliária. (vol. VIII do Tratado de Direito Tributário
Brasileiro). 1ª. Ed. Rio de Janeiro, Forense, 1981.

NASCIMENTO, A. Theodoro. Preços, Taxas e Parafiscalidade (vol. VII do Tratado de Direito Tributário Brasileiro. 1ª. ed. Rio de Janeiro, Forense,
1977.

NGAOSYVATHN, Pheuiphanh. Le role de 1ímpôt das Les pais Ne voei de développement.
1ª. Ed. Paris, L.G.D.J., 1974.

NOGUEIRA, Johnson Barbosa. A Interpretação Econômica no Direito Tributário. 1ª. ed.
São Paulo, Resenha Tributária, 1982.

NOGUEIRA, Ruy Barbosa. Curso de Direito Tributário. 5ª. ed. São Paulo, Saraiva, 1980.

______________________. Da Interpretação e da Aplicação das Leis Tributárias. 2ª. ed.,
revista, São Paulo, Bushatshky, 1974.

PONTES, Aloysio Lopes. Instituições Financeiras Privadas. 2ª. ed. Rio de Janeiro, Forense,
1982.

RESENDE, César Vieira de, e Outros. Direito Tributário Aplicado, lª. ed., Brasília, ESAF,
1984.

ROSA JONIOR, Luiz Emygdio F. da. Manual de Direito Financeiro e Direito Tributário. 4ª
ed. Rio de Janeiro, Freitas Bastos, 1983.

SANTOS, Manoel Lourenço dos. Direito Tributário. 4ª. ed. Rio de Janeiro, Fundação
Getúlio Vargas, 1970.

SCHMÖLDERS, G6unter. Psychologie des finances et de 1'impôt (trad. p/ Gisela Khairallah) ,
1ª. Ed. Paris, P.U.F., 1973.

____________________. Teoria General del Impuesto; tradução de Luís A. Martin Merino,
Madrid, Editorial de Derecho Financeiro, 1962.

SOUSA, Rubens Gomes de. Compêndio de Legislação Tributária. 4ª. ed. póstuma, São
Paulo, Resenha Tributária, 1982.

SOUSA, Rubens Gomes de e Outros. Comentários ao Código Tributário Nacional (Parte Geral) 1ª. ed. São Paulo, Revista dos Tribunais/EDUS,
1975.

____________________. Interpretação no Direito Tributário, 1ª.ed. São Paulo,
Saraiva/EDUC, 1975.

SZKLAROWSKY, Leon Frejda. Execução Fiscal, 1ª. ed. Brasília, ESAF, 1984.

TROTABAS, Louis, e COTTERET, Jean-Marie. Droit Fiscal. 1ª. ed. Paris Dalloz, 1973, VEIGA, Cl6vis de Andrade. Direito Financeiro Aplicado. 1ª. Ed. São Paulo, Revista dos
Tribunais, 1975.

VILLEGAS, Héctor B. Curso de Direito Tributário; tradução de Roque Antônio Carrazza.1ª
ed. São Paulo, Revista dos Tribunais, 1980.

__________________. Curso de Finanzas, Derecho Financiero y Tributario. 1ª. ed., reimp.
Buenos Aires, Depalma, 1973.

XAVIER, Alberto Pinheiro. De Lançamento no Direito Tributário Brasileiro. 1ª. ed. São
Paulo, Resenha Tributária, 1983.

___________________. Os Princípios da Legalidade e da Tipicidade da Tributação. 1ª.
ed. São Paulo, Revista dos Tribunais, 1978.

MORAES, Bernardo Ribeiro. Compêndio de Direito Tributário. 1ª. ed. São Paulo, Forense,
1984.

SZKLAROWSKY, Leon Frejda. Contencioso Administrativo-Fiscal no Brasil. Rev. Da Fac.
de Direito, Fortaleza, 26(2): julho - dez, 1985.

GIARDINO, Cleber et ATALIBA, Geraldo. Inscrição da Dívida Ativa, Fundação Privativa dos Advogados Públicos,
RDA 149/33.

QUEIRQZ, Cid Heráclito. A Nova Lei das Execuções Fiscais. Procuradoria - Geral da
Fazenda Nacional, Imprensa Nacional, 1981.

COSTA, Ramon Valdes. El Contencioso Tributário en America Latina. Separata de La Ver.
Uruguaya de Derecho Procesal, Montevideo, 1982.

WAMBIER, Teresaa Arruda Alvim, Controle das Decisões Judiciais, Editora Revista dos Tribunais, São Paulo, 2001.
______________

1Cf. Novel, L. 17, Cap. 17, § 1O..

2Cf. Portaria 254, de 25 de maio de 1977, Vide comentário do Professor Teofilo Cavalcanti, in Folha de São Paulo, de 28.5.77, pág. 16.

3Cf., de Agostinho Marques Perdigão Malheiro, Manual do Procurador dos Feitos da Fazenda Nacional, 2ª ed., Rio, Ed. Laemmert, 1873; Antonio Herculano de Souza Bandeira, Novo Manual do Procurador dos Feitos da Fazenda, Rio, 1888, e Silvio Meira, Direito Tributário Romano, Ed. Revista dos Tribunais, 1978.

4Cf. Manual, de Malheiros Perdigão cit., pp. 1 e 7.

5Cf. artigo 5o, XXXV.

6Cf. nossa Execução Fiscal, ESAF, Ministério da Fazenda, Brasília, 2ª edição, 1980, pp. 13 e segs., com ampla bibliografia.

7A Comissão, que elaborou o anteprojeto, transformado, na Lei 6830, de 22 de setembro de 1980, estava constituída dos Procuradores da Fazenda Nacional, Cid Heráclito de Queiroz, Pedrylvio Francisco Guimarães Ferreira, Gilberto Siqueira Rangel e Leon Frejda Szklarowsky; Procuradores da República, Gildo Corrêa Ferraz, Carlos Geminando da Franca; e Instituo de Administração Financeira da Providência e Assistência Social, Milton Baptista Seara ( Cf. Exposição de Motivos 223, de 20 de junho de 1980, in nosso Execução Fiscal, ESAF, 1984, página 373).

8RESP 2773-RS, DJ 18.6.90.

9Cf. RT 638/115.

10Coment. à LEF, Saraiva, 1995, pág. 192.

11Cf. . Código de Processo Civil e legislação processual em vigor, Saraiva, 26a. ed. at. até 20.2.95.

12Cf. RT 599/95.

13Cf. ac. 105.944, MG, TFR, 4a. T., DJ 12.6.86.

14Cf. decisão da 2ª Turma, em 7 de novembro de 1996, Agravo Regimental no AI 96.04.47992/RS;

15Cf. decisão da 1ª Turma, Relator Juiz Gilson Dipp, AC 97.04.19614-8-RS, publicado no DJU de 119-11-97.

16Cf. RT 671/187.

17Min. Cláudio Santos - RESP 3079 - MG, DJU 10.9.90, pág. 9126.

18Cf. Carlos Henrique Abrão, Manoel Álvares, Maury Bottesini, Odmir Fernandes e Ricardo Chimenti (Lei de Execução Fiscal, Revista dos Tribunais, 1997, pág. 130 .

19Cf. Dez Anos de Pareceres, 1975, IV/132/133.

20Com. à LEF, Forense, 1981, pág. 223

21Cf. RESP 3264-PR
22
Cf. RT 511/221, 596/146, JTA 57/37, 95/128, 107/230, 97/228, RTJESP 85/274, RJTAMG 18/111

23Cf. Direito Sumular, Malheiros, 7a. edição, 1995, págs. 192/4.

24Cf. A exceção de pré -, in Suplemento & Justiça, Correio Braziliense, 11.9.95!.

25Cf. CPC e Legislação Processual em vigor, RT, 1994, pág. 756.

26Cf. Defesa em embargos do executado, Editora Saraiva, 1998.

27Cf. arts. 10, 12 e 31 da lei cit. Cf. Novo Manual do Feitos da Fazenda, de Souza Bandeira, Rio, agosto de 1888, Nota 114.
___________

*Professor, Advogado e Subprocurador-Geral da Fazenda Nacional aposentado




_______________