Terça-feira, 20 de agosto de 2019

ISSN 1983-392X

O labor administrativo junto ao INSS

Alessandro Batista

Tentaremos em breves linhas demonstrar o caminho de um dos mais concorridos serviços prestados pelo INSS, a Certidão Negativa de Débito, que, sem sombra de dúvidas, é dentre todas as certidões emitidas por entes públicas, a melhor aparelhada de normas e dotada de grande praticidade devido ao sistema informatizado

segunda-feira, 10 de janeiro de 2005

O labor administrativo junto ao INSS


Alessandro Batista*

Tentaremos em breves linhas demonstrar o caminho de um dos mais concorridos serviços prestados pelo INSS, a Certidão Negativa de Débito, que, sem sombra de dúvidas, é dentre todas as certidões emitidas por entes públicas, a melhor aparelhada de normas e dotada de grande praticidade devido ao sistema informatizado.

Todos os dias são emitidas, centenas e centenas de Certidões Negativas de Débito, pelo INSS. O trabalho de buscá-la junto à autarquia previdenciária é árduo, seja pela complexidade que envolve o arcabouço normativo previdenciário, seja pelas imposições instituídas pelo INSS, que muitas vezes são desconhecidas pelo contribuinte.

É de uma destas imposições que comentaremos brevemente, invocando a normatização aplicável a espécie, como o objetivo de demonstrar que existe ainda, alguns abusos dentro do Instituto.

Sabemos que, sem a certidão negativa de débito a atividade de algumas empresas é impossível, na maioria das situações por exigência estatal, seja em licitações ou qualquer outro expediente que assim exija.

Ocorre que o dia a dia do contribuinte em busca da emissão da Certidão é, eivado de contratempos e exigências instituídas pelo INSS, que senão forem cumpridas obstam a emissão da Certidão. Para o inicio desta busca, o primeiro passo é pedir a certidão negativa, este pedido recebe o nome de PCND, através deste a autarquia previdenciária emite um relatório de restrições que apresentará ou não, restrições que deverão ser sanadas.

Para a confecção do pedido, o contribuinte necessita dirigir-se até uma Agência da Previdência Social, manifestando sua vontade de ver emitida uma Certidão Negativa de Débito de sua empresa. Contrariamente ao disposto nos normativos previdenciários o instituto vem requerendo do contribuinte a apresentação de alguns documentos, Contrato Social, Procuração e ou autorização, para que o contribuinte possa ser atendido.

E, aí encontramos uma arbitrariedade, o INSS autarquia criada na forma do art. 37 XIX, com redação dada pela EC n.º 19/98, tem em seu bojo legislativo o princípio assistencial e na forma da Lei 8.212 e o Decreto 3.048 atentam para os seguintes princípios;

Art. 1º A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade, destinado a assegurar o direito relativo à saúde, à previdência e à assistência social.

Parágrafo único. A seguridade social obedecerá aos seguintes princípios e diretrizes:

I - universalidade da cobertura e do atendimento;

II -uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais;

III -seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços;

IV - irredutibilidade do valor dos benefícios, de forma a preservar-lhe o poder aquisitivo;

V - eqüidade na forma de participação no custeio;

VI - diversidade da base de financiamento;

VII-caráter democrático e descentralizado da administração, mediante gestão quadripartite, com participação dos trabalhadores, dos empregadores, dos aposentados e do governo nos órgãos colegiados”.

As autarquias, pessoas jurídicas de direito público de capacidade meramente administrativa, são criadas e extintas por lei específica. E nos exatos limites da Lei submetem-se ao controle da adminstração central. Com o INSS não é diferente, e nem poderia, fora criado por Lei específica e com finalidade específica também, no caso do INSS pela Lei 8.029/90.

Afim de melhor gerir a atividade do INSS, são criadas constantemente instruções normativas que internamente direcionam e disciplinam as atividades do instituto e a relação com os contribuintes e segurados.

No caso específico que aqui tratamos, a instrução normativa aplicável a espécie a IN 100, estabelece no artigo 543 que;

"Art. 543. As certidões previstas neste Capítulo poderão ser solicitadas por qualquer pessoa:

I- em qualquer APS;

II- pela Internet, no endereço http://www.previdencia.gov.br/, ou pelos quiosques de auto atendimento da previdência Social (PREVFACIL), independentemente de senha, observado o disposto no § 1º do art. 549.

Parágrafo único. O solicitante deverá fornecer o número de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), ou no Cadastro Específico do INSS (CEI) ou o Número de Inscrição do Trabalhador, no caso de contribuintes individuais, e especificar a finalidade da certidão que requerer nos termo do art. 548".

O normativo supra é claro quanto a conferir o pedido a quem manifestar interesse desde que munido do CNPJ, não necessitando a apresentação de qualquer outro documento, pois é certo também que ao intranei autárquico previdenciário não é atribuída a competência de examinar tais documentos, sendo certo que a validade do contrato social é conferido pelo seu registro em cartório que dá a fé pública, e o mesmo ocorre com a procuração.

Mas contrariamente ao disposto pelo normativo, bem como os princípios que regem a autarquia previdenciária, a exigência vem ocorrendo cerceando o direito do contribuinte de obter da administração pública documento e informações que lhe pertencem.

Ademais, tal procedimento só vem resultar em maiores filas de espera e descrédito da autarquia perante os contribuintes.

E, o cerceamento fica mais evidente com a leitura do artigo 551 da IN 100, que diz;

Art. 551. A entrega da CND ou da CPD-EN, expedida por APS, independe de apresentação de procuração emitida pelo sujeito passivo”.

Conhecendo o dia a dia do INSS, exercendo a advocacia administrativa junto ao Instituto, reconhecemos grandes avanços, com a dedicação e empenho de muitos funcionários técnicos, fiscais, gerentes, superintendentes, conselheiros, e também por parte do Ministro e do Ministério. Mas é inegável que alguns retrocessos, insistem em perturbar o bom andamento e o crescimento do Instituto.

Mas, não temos dúvidas que; nós operadores do direito, que militamos junto à autarquia previdenciária, temos grande responsabilidade no atendimento prestado pela mesma. E para que haja melhoras no atendimento, bem como modificações normativas que melhor possam disciplinar os serviços do instituto, temos que participar de forma mais próxima de suas decisões e criações, seja opinando, seja manifestando nossa concordância ou discordância.

Sempre com o devido respeito, mas com a autoridade de cidadãos e Advogados, que como prescreve a Constituição Federal (artigo 133) são indispensáveis à administração da justiça, devemos sim nos posicionar de maneira mais combatente diante de focos de arbitrariedades. Certo de que somos indispensáveis à administração da Justiça, muito justo pensar que o mesmo pode considerar para a administração pública em geral, assim incluímos a autarquia previdenciária na qual exercemos o labor advocatício atuando nas demandas que se referem ao ente.
____________

*Adv
ogado da Advocacia Najjarian Batista





____________