sexta-feira, 25 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

A inconstitucionalidade da lei 12.234/10 - IV

Em artigo publicado na Folha de São Paulo, muito apropriadamente intitulado "A pena é o processo", o mestre em Direito pela Universidade de Harvard (EUA) e professor de Direito Constitucional, Joaquim Falcão, observa que "o simples existir do processo retém o investimento, torna bens indisponíveis, paralisa a circulação de riqueza e o prestígio político e moral.


A inconstitucionalidade da lei 12.234/10 - IV

No Estado Democrático de Direito quem garante as garantias?

René Ariel Dotti*

Em artigo publicado na Folha de São Paulo, muito apropriadamente intitulado "A pena é o processo", o mestre em Direito pela Universidade de Harvard/EUA e professor de Direito Constitucional, Joaquim Falcão, observa que "o simples existir do processo retém o investimento, torna bens indisponíveis, paralisa a circulação de riqueza e o prestígio político e moral. Fecham-se contas bancárias. (...) Na democracia, porém, o direito de defesa não deve sofrer constrangimentos. O réu pode até ser inocentado. Mas jamais terá sido totalmente imune. A pena é o processo com seus custos colaterais". (Tendências/Debates, 8/6/10, p. A3).

Nada mais correto. Em outra passagem do mesmo texto, o ex-membro do CNJ acentua: "O processo impõe custos instantâneos ao pretendido réu. Custos muitas vezes maiores do que a incerta condenação legal. Não são impostos pelo juiz nem pela lei. São custos colaterais. Verdadeiras penas sem julgamento".

Certamente, a experiência vivida no CNJ permitiu ao articulista a oportunidade para conhecer vários casos de abuso de poder e abuso de autoridade praticados em nome do interesse punitivo. Nunca é demais repetir a pergunta: "No Estado Democrático de Direito quem garante as garantias?".

Não se trata de pergunta retórica. Na verdade, existe uma dúvida fundada e assim reconhecida pelo PLS 156 (clique aqui), de reforma do CPP (clique aqui), ao instituir um novo órgão para atuar na fase do inquérito policial: o Juiz das Garantias. Como é sabido, o presidente da Comissão de Juristas que redigiu o anteprojeto foi o Ministro Hamilton Carvalhido, do STJ, ex-membro do Ministério Público estadual do Rio de Janeiro, enquanto o seu relator foi o Procurador da República em Minas Gerais, Eugênio Pacelli de Oliveira. Ambos ligados à mesma instituição; o primeiro, na origem; o segundo, no presente. E, justamente por isso, merecedores da homenagem que lhes devem prestar os cidadãos em geral e os advogados criminalistas em particular, pela oportuna e necessária inovação que não admite a figura do Juiz-investigador no modelo acusatório.

Entre os direitos e as garantias fundamentais declarados na Constituição está a seguinte proclamação: "a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária" (art. 5º, LXV).

Mas essa imperativa providência está sendo atendida em razoável proporção? Quando, onde? (Segue).

__________________

 

*Professor titular de Direito Penal da Universidade Federal do Paraná - UFPR, foi membro do Tribunal de Justiça Desportiva da Federação Paranaense de Futebol e diretor-jurídico do Coritiba Foot Ball Club. É um dos advogados que redigiu o recurso para o STJD. Advogado do Escritório Professor René Dotti

 

 

 

 

______________

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Thais Tozzini Ribeiro

Thais Tozzini Ribeiro

Migalheira desde 2019

Lorenzo Midea Tocci

Lorenzo Midea Tocci

Migalheiro desde 2018

Ingrid Leite

Ingrid Leite

Migalheira desde 2020

Taíssa Romeiro

Taíssa Romeiro

Migalheira desde 2020

Daniel Carnio Costa

Daniel Carnio Costa

Migalheiro desde 2020

Vitor Morais de Andrade

Vitor Morais de Andrade

Migalheiro desde 2011

Lygia Molina

Lygia Molina

Migalheira desde 2020