quarta-feira, 23 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Convênio ICMS nº 51/07 - Parcelamento de débitos - Remissão de juros e multas

Em 18 de abril de 2007, o Conselho Nacional de Política Fazendária ("CONFAZ") celebrou o Convênio ICMS 51, que autoriza os Estados do Acre, Alagoas, Amapá, Paraíba, Paraná, Rondônia, Roraima e São Paulo a instituir programa de parcelamento de débitos de ICM e ICMS, bem como de redução de suas multas e demais acréscimos legais.


Convênio ICMS nº 51/07 - Parcelamento de débitos - Remissão de juros e multas

Vinicius Jucá Alves*

Rafael Aluchna de Lima*

Em 18 de abril de 2007, o Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ) celebrou o Convênio ICMS 51 (clique aqui), que autoriza os Estados do Acre, Alagoas, Amapá, Paraíba, Paraná, Rondônia, Roraima e São Paulo a instituir programa de parcelamento de débitos de ICM e ICMS, bem como de redução de suas multas e demais acréscimos legais.

Poderão ser objeto do parcelamento e da remissão de juros e multas os débitos vencidos até 31 de dezembro de 2006, constituídos ou não, inscritos ou não em dívida ativa, inclusive ajuizados, de acordo com as condições e limites estabelecidos. O convênio não se aplica aos parcelamentos em curso.

O Estado de São Paulo editou o Decreto nº 51.960/2007 (clique aqui), com base no Convênio ICMS 51/2007, que criou o programa de (i) remissão de juros e multa e (ii) parcelamento de débitos de ICM e ICMS relativos a fatos geradores ocorridos até 31.12.2006. As principais características desse programa são:

Forma de pagamento

Redução de multas

Redução de encargos dos juros incidentes sobre principal e multa

Juros incidentes

Parcela única

75%

60%

--

Em até 12 parcelas

50%

40%

1% ao mês

Em mais de 12 parcelas e em até 120 parcelas

50%

40%

SELIC e 1% no mês do pagamento

Em até 180 parcelas1

50%

40%

SELIC e 1% no mês do pagamento

Em qualquer caso de parcelamento, a parcela mínima é de R$ 500,00. A consolidação dos débitos ajuizados deve incluir o pagamento das custas, dos emolumentos judiciais e dos honorários advocatícios, que ficam reduzidos para 1% (um por cento) do valor do débito fiscal. Outro ponto importante é que o contribuinte poderá utilizar depósitos judiciais relativos ao débito incluído no programa para quitá-lo.

O ingresso no programa será por opção do contribuinte, a ser formalizada até o dia 30 de setembro de 2007, e homologada pelo fisco. Caso decida aderir ao parcelamento, o contribuinte deverá autorizar o débito automático das parcelas em conta corrente mantida em instituição bancária conveniada com uma das Secretarias Estaduais de Fazenda. Em qualquer caso, o contribuinte deve renunciar o direito em que se fundam discussões judiciais ou administrativas sobre os débitos incluídos.

_______________

1 Nessa modalidade, o valor da primeira parcela não poderá ser inferior a 1% (um por cento) da média da receita bruta mensal auferida pelo estabelecimento no ano de 2006 e nenhuma parcela será menor que a primeira corrigida. Será exigida uma garantia bancária ou hipotecária, a ser apresentada em até 90 dias contados da adesão.

________________

*Advogados do escritório Pinheiro Neto Advogados

* Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

© 2007. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS


 












_______________

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

Compartilhar

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Alexandre Knopfholz

Alexandre Knopfholz

Migalheiro desde 2006

Fernanda Pederneiras

Fernanda Pederneiras

Migalheira desde 2019

José Roberto Trautwein

José Roberto Trautwein

Migalheiro desde 2017

Fernando Welter

Fernando Welter

Migalheiro desde 2018

Guilherme Alonso

Guilherme Alonso

Migalheiro desde 2016

Laís Gomes Bergstein

Laís Gomes Bergstein

Migalheira desde 2010

Selma Ferreira Lemes

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Jones Figueirêdo Alves

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011