segunda-feira, 21 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

IV Prêmio Innovare 2007, a justiça do século XXI

A Juíza de Direito Flávia Birchal, Promotora de Justiça Lílian Marotta e a Psicóloga Maria Cristina Leão de Araújo, que concorrem ao Prêmio Innovare na categoria Juizado Especial, apresentaram a prática "Rede Proteção Judicial", que é desenvolvida desde 2005 em Belo Horizonte.


IV Prêmio Innovare 2007, a justiça do século XXI

"Rede Proteção Judicial"

Stanley Martins Frasão*

A Juíza de Direito Flávia Birchal, Promotora de Justiça Lílian Marotta e a Psicóloga Maria Cristina Leão de Araújo, que concorrem ao Prêmio Innovare na categoria Juizado Especial, apresentaram a prática "Rede Proteção Judicial", que é desenvolvida desde 2005 em Belo Horizonte.

O projeto tem por objetivo oferecer uma resposta estatal eficaz e efetiva a crimes de menor potencial ofensivo, através de abordagens temáticas, que favoreçam uma atuação integrada e reflexiva sobre as questões analisadas:

1. Projeto Provida, atenção à violência intrafamiliar e interpessoal;
2. Projeto Despertar, atenção aos usuários de drogas;
3. Projeto Via Legal, atenção aos infratores de trânsito; e
4. Projeto Pássaros, defesa da fauna silvestre.

A primeira visita foi realizada no dia 3.8.07, 9 horas, com a presença das autoras da prática Rede Proteção Judicial, que explicaram o funcionamento da mesma, disponibilizando todas as informações dos Projetos, visualizando-se a integração das atividades do Juizado Especial Criminal com aquelas praticadas pelos diversos órgãos e instituições que operam e podem contribuir para a pacificação de conflitos sócio-penais, com atenção especial às questões psicossociais que envolvem o infrator e o delito. Na segunda visita, em 7.8.07, às 19 horas, tive a oportunidade de assistir e participar de uma audiência com 18 multitransatores de grupos de reflexão em parceria com a ONG CAMT referente ao Projeto Despertar. A audiência foi aberta pelo MM Juiz João Luiz Nascimento de Oliveira, com a presença da Representante do Ministério Público, Defensora Pública, representante do CEAPA, CAMT e componentes do Setor Psicossocial do Juizado e 2 estagiários, que explicou aos transatores a importância do Projeto e da finalidade da transação penal, que ao final foi aceita pelos mesmos. Houve o pronunciamento de cada um dos transatores, que em síntese ressaltaram um avanço na abordagem dos órgãos estatais envolvidos com a questão, fizeram elogios à CAMT, demonstrando satisfação no comparecimento às reuniões, principalmente quanto a importância das informações recebidas.

O que deu ensejo à criação da prática? Enfrentar o julgamento dos crimes de acordo com a sua natureza, especificidade e característica, criando-se objetivos e metas para orientação do trabalho. O problema precisava ser corrigido? Sair da inércia das condenações em cestas básicas, por medidas voltadas diretamente para o fato delituoso em análise, utilizando-se o máximo do corpo técnico e a capacidade organizativa do Juizado Especial Criminal, na busca inclusive da não reincidência dos infratores.

Explico o processo de implementação da prática. É designado de um Facilitador, de acordo com o tema e objetivo estabelecidos, que organiza um escopo simplificado do Projeto, após o diagnóstico, inclusive da legislação aplicável, imputações e benesses previstas para cada tipo penal. Busca de parceiros entre entidades públicas, empresariais ou sociais afetas à questão tratada, objetivando criar formas mais adequadas e atuais de prestação de serviços, pecuniárias, doação de bens e participação em cursos que favoreçam a reflexão e a reeducação do infrator. Somente após o cumprimento da transação penal a respectiva homologação é exarada.

As dificuldades encontradas? Ineditismo da proposta, implicando na quebra e mudança de mentalidades e paradigmas principalmente dos profissionais do direito, ausência de recursos humanos, materiais e financeiros; consolidar o enfoque multidisciplinar que integrasse uma concepção de justiça humanística; ausência de equipamentos e infra-estrutura apropriados (Poder Judiciário, Ministério Público e Defensoria Pública) para o implemento e o desenvolvimento dos projetos por via de redes interinstitucionais.

São fatores de sucesso da prática: o fortalecimento, inclusive da credibilidade, do Juizado Especial Criminal de Belo Horizonte, integrando-se várias esferas do serviço público, organizações governamentais e ONG's, unindo-se forças e esforços no tratamento dos problemas de criminalidade na sociedade da capital mineira; fomento da educação/sensibilização dos agentes (CF - clique aqui - art. n°. 225, parágrafo 1º, VI); aumento da eficácia e efetividade das medidas judiciais aplicadas; aproximação do Poder Judiciário da sociedade, vítimas e infratores; tratamento equânime para os autores das infrações através de audiências multitransatores.

A prática é instrumento de pacificação da sociedade e de aumento da segurança pública porque diante dos Projetos criados as fórmulas educativas e refletivas favorecem a diminuição da reincidência, geram uma resposta jurisdicional mais célere e eficaz para os delitos de menor potencial ofensivo, constituindo-se em instrumento de pacificação da sociedade e de aumento da segurança pública.

A equipe tem a seguinte composição atualmente (agosto/2007):

1 juiz coordenador, 6 juizes, 7 promotores criminais, 3 coordenadores da conciliação, 24 estagiários de direito, 70 conciliadores (estudantes de direito), 2 psicólogas judiciais, sendo uma coordenadora, 5 assistentes sociais, 2 oficiais de apoio judicial, 4 estagiários de psicologia e os facilitadores: 2 do Projeto Provida, 3 do Projeto Despertar, 1 do Projeto Via Legal e 1 do Projeto Pássaros.

Após a divulgação dos Projetos as parcerias estão consolidadas com as Promotorias de Justiça do juizado Especial, do Meio Ambiente, Secretaria de Estado de Defesa Social através do Núcleo de Prevenção à Criminalidade, Fundação de Parques Municipais, Fundação Zoobotânica, Prefeitura de Belo Horizonte, OGN`s, UFMG através do Departamento de Psicologia e o Núcleo de Estudos em Direito Ambiental, Polícia Militar e Civil.

__________________

*Consultor externo do Prêmio Innovare. Conselheiro Seccional da OAB/MG. Advogado do escritório Homero Costa Advogados









______________

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

Compartilhar

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Pedro Vinícius Eroles

Pedro Vinícius Eroles

Migalheiro desde 2015

Helder Fonseca

Helder Fonseca

Migalheiro desde 2016

Yago Oliveira

Yago Oliveira

Migalheiro desde 2017

Luis Augusto Guterres

Luis Augusto Guterres

Migalheiro desde 2017

Guilherme Elia C. Silva

Guilherme Elia C. Silva

Migalheiro desde 2017

Vitor Dias Conceição

Vitor Dias Conceição

Migalheiro desde 2019

Marcus Reis

Marcus Reis

Migalheiro desde 2017