sexta-feira, 25 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Basiléia II - Novas normas para alocação de capital ao risco operacional

O Banco Central do Brasil ("Banco Central") deu mais um passo na implementação do Acordo da Basiléia II que visa, entre outros objetivos, aprimorar o cálculo do capital regulatório das instituições financeiras (na regulamentação bancária, o termo técnico é "Patrimônio de Referência Exigido" ), para que se torne mais sensível aos riscos a que são expostas .


Basiléia II - Novas normas para alocação de capital ao risco operacional

José Luiz Homem de Mello*

Alexandre Betzios**

Introdução

O Banco Central do Brasil ("Banco Central") deu mais um passo na implementação do Acordo da Basiléia II que visa, entre outros objetivos, aprimorar o cálculo do capital regulatório das instituições financeiras (na regulamentação bancária, o termo técnico é "Patrimônio de Referência Exigido"1), para que se torne mais sensível aos riscos a que são expostas2.

De acordo com a Resolução do Conselho Monetário Nacional - CMN nº. 3.490, de 29 de agosto de 2007 (clique aqui), que produzirá efeitos a partir de julho deste ano, dentre as parcelas que compõem o Patrimônio de Referência Exigido das instituições financeiras encontra-se uma parcela referente ao risco operacional, o que não era objeto de alocação específica de capital no passado.

Em 30 de abril de 2008, foram editadas a Circular nº. 3.383 (clique aqui) e a Carta-Circular nº. 3.315, que tratam dos procedimentos para o cálculo da parcela do patrimônio exigido referente ao risco operacional. Esse novo componente do capital regulatório passará a ser exigido a partir de 1º de julho de 20083.

Em 2006 já havia sido determinada pelo CMN a implementação de estrutura de gerenciamento do risco operacional4, conceituado como "a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas, ou de eventos externos". Referida estrutura, com prazo até 31 de dezembro de 2007 para ser adotada pelas instituições financeiras, deve: identificar, avaliar, monitorar, testar, controlar, mitigar riscos; documentar e armazenar informações; prever uma política de gerenciamento (papéis e responsabilidades); estabelecer processos de comunicação e informação, bem como plano de contingência com estratégias para assegurar condições de atividade e minimizar perdas. Ademais, a responsabilidade pela implementação, elaboração dos diversos relatórios exigidos e manutenção da estrutura de gerenciamento do risco operacional é da Diretoria (com a indicação de diretor específico) e do Conselho de Administração (se houver).

No entanto, os requerimentos de capital para o risco operacional, inseridos na Fase II de implementação do Acordo da Basiléia II (inicialmente prevista para encerrar-se até o final de 2007), vieram a ser estabelecidos pelo Banco Central através da Circular 3.383/08.

Parcela de Capital Alocado ao Risco Operacional

De acordo com a Circular 3.383/08, o cálculo da parcela de capital referente ao risco operacional deve ser efetuado semestralmente, com base em uma das seguintes metodologias, a critério da instituição financeira:

(i) Abordagem do Indicador Básico

(ii) Abordagem Padronizada Alternativa

(iii) Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

Para a Abordagem do Indicador Básico, a exigência corresponde à média dos três últimos períodos anuais da aplicação de um fator de 15% ao indicador de exposição ao risco operacional. Tal indicador corresponde, para cada período anual, à soma dos valores semestrais das receitas de intermediação financeira e das receitas com prestação de serviços, deduzidas as despesas de intermediação financeira ("Indicador Básico").

Já para a Abordagem Padronizada Alternativa, o fator aplicado ao indicador alternativo de exposição ao risco operacional varia de acordo com o fator Beta de cada linha de negócio da instituição financeira. Referido indicador alternativo deve corresponder, para cada período anual, à média aritmética dos saldos semestrais das operações de crédito, de arrendamento mercantil e de outras operações com características de concessão de crédito e dos títulos e valores mobiliários não classificados na carteira de negociação, multiplicada por 0,035 ("Indicador Alternativo"). Sobre o Indicador Alternativo, serão aplicados os seguintes fatores Beta, conforme o caso: 12% para as linhas de negócio de varejo, administração de ativos e corretagem de varejo; 15% para as linhas de negócio comercial e de serviços de agente financeiro; e 18% para as linhas de negócio de finanças corporativas, negociação e vendas e pagamentos e liquidações.

Por fim, para a Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada, aplica-se o fator Beta de 15% ao Indicador Alternativo para as linhas de negócio de varejo e comercial. Por outro lado, aplica-se o fator Beta de 18% ao Indicador Básico para as demais linhas de negócio da instituição financeira.

Tendo em vista a complexidade do cálculo da parcela de capital a ser alocada pelas instituições ao risco operacional, a Carta-Circular 3.315/08 traz esclarecimentos em relação aos procedimentos de apuração da referida parcela, através de exemplos práticos dos cálculos, utilizando-se das três metodologias possíveis.

Comentário Final

O Banco Central resolveu adotar inicialmente os modelos mais simples de cálculo de capital regulatório para o risco operacional. A abordagem avançada, com base em modelos internos de cada instituição financeira, até pela complexidade de modelagem matemática e pela necessidade de base estatística, a princípio terá seus critérios definidos entre 2008 e 2009. A validação dos sistemas de classificação interna pela abordagem avançada para risco de crédito, bem como o estabelecimento de cronograma de validação para abordagem avançada de risco operacional estão previstos para ocorrer entre 2009 e 2010. Por fim, a validação de metodologias internas de apuração do requerimento de capital para risco operacional somente ocorreria entre 2010 e 20115. Trata-se de uma mudança em linha com o Acordo de Basiléia II para agregar um importante aspecto de risco antes não considerado, que assim passará a exigir um capital regulatório específico.

______________

1 Até 2007 o termo utilizado era "Patrimônio Líquido Exigido".

2 Os riscos abordados no Pilar 1 são os riscos de crédito, de mercado e o operacional.

3 Artigo 9º da Resolução CMN nº3.490, de 29 de agosto de 2007.

4 Através da Resolução CMN nº 3.380, de 29 de junho de 2006.

5 Cronograma nos termos do Comunicado do Banco Central nº. 12.746, de 9 de dezembro de 2004, que pode estar sujeito a alterações.

_______________

*Sócio do escritório Pinheiro Neto Advogados

**Associado da área empresarial do escritório Pinheiro Neto Advogados

* Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

© 2008. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS











___________________

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Fabio Campista

Fabio Campista

Migalheiro desde 2018

Alarico Marques Pereira

Alarico Marques Pereira

Migalheiro desde 2019

Luiz Antonio Borri

Luiz Antonio Borri

Migalheiro desde 2018

Rafael Junior Soares

Rafael Junior Soares

Migalheiro desde 2018

Daniella Meggiolaro

Daniella Meggiolaro

Migalheira desde 2018

Renan Binotto Zaramelo

Renan Binotto Zaramelo

Migalheiro desde 2019

José Pastore

José Pastore

Migalheiro desde 2009

Claudia Petit Cardoso

Claudia Petit Cardoso

Migalheira desde 2003

Bruna Lyra Duque

Bruna Lyra Duque

Migalheira desde 2018