CNJ

21/11/2006
Adauto Suannes

"Deu no Migalhas (dos leitores – "CNJ" – clique aqui): 'Isso porque há uma noção popular - ou preconceito, ou má-compreensão, ou meia-verdade - de que um maçom deve solidariedade aos demais membros da Maçonaria.' - Não entendi essa 'noção popular', meu caro Francepiro. Nem eu nem certo cliente que, condenado por se haver negado a pagar pensão à mulher, peticionou juntando documentos a demonstrar que estava impossibilitado de fazê-lo e pedindo a revogação do decreto de prisão. Pleito indeferido. 'Ouvi dizer que o juiz (hoje desembargador) é maçom. Tenho um amigo maçom. E se eu falasse com ele? Ele pode dizer ao juiz que eu também sou maçom.' Dito e feito. O juiz chamou os autos à conclusão, e, 'apreciando melhor o pedido de folhas', reconsiderou a absurda decisão anterior. Quer o número do processo? Claro que só se pode cumprimentar um juiz que reconhece que errou. Mas, 'est modus in rebus'. De outra vez foi um grão-mestre explícito e notório que me telefonou para que eu 'examinasse com atenção' o caso de seu irmão de opa. 'Você está sugerindo que eu não examino com atenção os processos antes de julgar?' foi minha indagação. A conversa terminou ali. Quer mais? Amigo meu, por insistência minha, prestou concurso para a magistratura. O presidente da banca, maçom notório, chamou-o: 'O senhor está praticamente aprovado. Basta renunciar ao sacerdócio'. Esqueci de dizer que meu amigo era padre, o que não o impedia de ser juiz, da mesma forma com há juízes que são ministros protestantes. Quer que eu indique nomes? 'Só se o senhor renunciar à maçonaria' foi a resposta do candidato praticamente aprovado. Adivinhe o que aconteceu. O CNJ ainda não pegou a mão, reconheço, mas é fato que há muita coisa que deve ser por ele revista. Uma delas certamente é o fato de juízes serem vistos 'visitando' escritório da esposa, do esposo ou de filhos. Se você nunca viu isso, eu já vi. Outra é fazer o que fez o Tribunal de Justiça de São Paulo, que proibiu magistrados aposentados de irem visitar desembargadores na sala do lanche. Esses súbitos ataques de saudade tinham o inconveniente de ter do lado de fora da sala de lanche ninguém menos do que o cliente do tal aposentado saudoso."

Envie sua Migalha