Congresso

19/12/2006
Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP

"Sr. Diretor de Migalhas. Sem dúvida, do jeito que vai, a casa vai cair ou quebrar. Quando fizeram a Constituinte ela deveria ter sido, antes de promulgada, submetida ao voto popular, a um plebiscito para ser aprovada. Vê-se que os que a elaboraram fizeram-na pensando em si próprios, os políticos, aceitando a intromissão do Judiciário, para lhes dar apoio e também tirar proveito: deu no que deu! Onde se viu o Congresso poder dar aumento a si próprio, sem exercer o poder de veto o Executivo, que tem que prover as finanças? Instituírem como o salário maior o do Judiciário? Se tivessem submetido a Constituição a um plebiscito, ao povo, que deve ser o Poder maior da Nação, em nome de quem eles são eleitos,  isso não passaria. Afinal  são eles os Poderes maiores da Nação? Eles não foram e são eleitos para representar o povo? Como pode o Congresso dar aumento sem ouvir o Executivo, sem submeter à possibilidade de dá-lo, ao Executivo para que este pedisse opinião, a membros que tratam da economia para opinar? Olhem, essa não é obviamente a democracia que desejávamos: é só pedir a opinião por plebiscito, se tiverem coragem de corrigir, mesmo porque, se não corrigirem, a casa cai, infelizmente."

Envie sua Migalha