Caos aéreo

27/12/2006
Reginaldo Vitullo

"Amantíssimo Diretor: Minha neta de 6 anos também sofreu as agruras do caos aéreo. Explico: Veio para São Paulo em 15/12, desacompanhada, pela Gol. O vôo saiu às 4 da manhã. Supõe-se que, crianças desacompanhadas, recebam uma atenção especial dos comissários, além do 'envelopão' que são obrigadas a usar pendurado no pescoço, com seus documentos, autorizações, etc. ... Pois bem, a atenção 'especial' só ocorreu porque vomitou quase na chegada, e o comissário reclamou da sujeira pois teve que levá-la ao banheiro para que 'ela' fizesse a higiene. 6 anos de idade Diretor! Ontem (21/12) deveria voltar no vôo das 21h e, prevendo problemas, escalei meu outro filho para acompanhá-la na viagem. Check in realizado, não houve o procedimento correto porque - tecnicamente - a menor estaria viajando desacompanhada, pois meu filho estava como 'segurança da família' não como responsável. Somente eu tinha a autorização expedida pelo Juizado de Menores para permitir o vôo de retorno da menor ao seio de sua mãe. O atendente nada fez nesse sentido, apesar de ter lido a autorização judicial. Ocupou-se apenas em informar um atraso de ‘no máximo 60 minutos e embarque pelo portão 11’, sem disponibilizar um acompanhante para encaminhamento até o embarque. Assim, fomos à sala de embarque onde me despedi de minha neta. No terminal da Infraero, constava um outro vôo ao mesmo destino só que com horário original para '20h05 - embarque portão 7'. Esse vôo decolou às 21h56h e às 0h15 minutos desta madrugada minha filha telefona, dizendo que as bagagens chegaram mas 'cadê minha filha?' Alguns minutos após, quando já me vestia para retornar a Congonhas, meu filho conseguiu telefonar informando que 'o nosso vôo era o das 20h05 embarque pelo portão 7 e que tinham perdido o vôo'. Depois de muito bate-boca, (temos tudo documentado) demonstrando os seguidos erros da GOL, ambos, meu filho e minha neta conseguiram embarcar em outro vôo que partiu a 1h30 da madrugada chegando no destino sãos e salvos às quatro da manhã! O Código de Defesa do Consumidor foi rasgado, pisoteado e ignorado descaradamente pela Cia. aérea e os prejuízos - principalmente emocionais, deverão ser assumidos por ela. A ação será proposta imediatamente (se os tribunais estiverem funcionando de verdade como determina o livro). Algum dia este país haverá de andar para a frente, respeitando todos seus cidadãos, não apenas aos amigos do reizinho de plantão. Com um cordial abraço e votos sinceros de sucesso sempre,"

Envie sua Migalha