Atos secretos

17/6/2009
Pedro José F. Alves

"Sarney, os marimbondos e o fogo azoinado. Poucas vezes vimos algo tão trágico, como o falso sentimento de clemência! Sim, porque esse foi o espetáculo dramático de um cidadão que fez da política seu percurso para a fama, e não para a satisfação do interesse público; que fez da política seu percurso para o que imagina seria a sua história, e não para a construção da história da República. Que triste exemplo nos deu um político que usou as normas, para as quais contribuiu, para se eleger por um Estado em que não tinha qualquer vínculo, já que não podia competir no seu próprio Estado, porque sabia que seria derrotado! Sarney, que melhor poderia estar fazendo se estivesse abrigado na Academia, na qual obteve um acento - eu não disse assento! Sarney, que tal como um marimbondo-caçador, buscou capturar os Cidadãos, em emoção, para após lançá-los às suas larvas, envolvendo-os num vale de lágrimas, sobre o qual sobrepairava, envolto na pseudofilosofia megalônoma de uma Medusa de terno e gravata! Sarney, o que jamais poderia se considerar, finalmente, an ordinary (adj) citizen, por não ter cultuado o censo crítico e a humildade de um homem público!"

Envie sua Migalha