Leitores

Lula

9/3/2021
Rosália Rios Marôt

"Quem poderia me tirar essa dúvida? Porque o ministro Edson Fachin mandou os processos do Lula para o Distrito Federal e não para São Paulo?"

Gramatigalhas

11/3/2021
Ridlley Henrique Pereira Lima

"Olá, professor, acompanho-o há um bom tempo neste sítio e há muito tempo uma dúvida me persegue. Sabe-se que, para fins comparativos, a expressão 'do que' aceita a supressão de sua preposição; já li, contudo, em algum site da internet, que, em casos em que um verbo encenta uma oração póstera, essa supressão não é bem-vinda; todavia não encontro respaldo algum em qualquer gramática que pesquiso. Desde já agradeço o apreço de análise."

12/3/2021
Franciele Lima

"Minha dúvida é se o pronome 'isto' pode ser usado como no exemplo: 'a M.M. Juíza determinou o sequestro dos valores, isto, porque o município descumpriu a decisão proferida nos...'."

Remoto x presencial

9/3/2021
José Diogo Bastos Neto

"Na pandemia o Judiciário acelerou os procedimentos sanitários afastando fisicamente os profissionais envolvidos nos procedimentos judiciais. Os atos passaram a ser integralmente remotos em inegável praticidade e rapidez gerando produção crescente no sistema jurisdicional brasileiro. Assim, o Judiciário tecnológico como diz o poeta tá tudo bem, tá tudo bom, mas tenho um nostálgico e pueril grito de alerta. Sou assumido barriga do balcão e estou com síndrome de abstinência de não fazer audiência presencial por meio de visão ilimitada com gestos, suor e o tom da voz dos advogados, MP, partes e juízes ou mesmo me falta entregar petição ou memorial aos juízes em conversa pessoal no gabinete quando às vezes se permitidos poderíamos até tomar um café com o juiz, desembargador ou ministro. Por fim, me tiraram a ansiedade na abertura da sessão de julgamento até ser chamado para a tribuna com a beca e vivenciar a dialética do julgamento saboreando um a um os votos até a proclamação do resultado. Isso é vida!"

Cristiano Zanin Martins, o advogado

10/3/2021
Hedran Siqueira de Nade

"Justa homenagem dedicada no Migalhas 5.057 ao colega Cristiano Zanin. Recordo que o mesmo, por vezes, foi julgado pelo "tribunal da internet", a exemplo de um fato em que com extrema ausência de técnica, foi atribuído indevidamente o aumento de pena do cliente à atuação do advogado. Não é necessário largo conhecimento jurídico para concluir que tal fato se deu pelo provimento de recurso interposto pela acusação, mas enfim, o tempo tratou de dar a resposta!"

11/3/2021
Herivelton Vieira

"Meus parabéns ao informativo Migalhas, pelo justo e merecido reconhecimento ao dr. Cristiano Zanin. Certamente ao longo do exercício de defesa do ex-presidente Lula - especialmente no período em que o ex-juiz Sergio Moro estava no auge de sua popularidade - a tarefa do ilustre advogado não deve ter sido nada fácil. No entanto, em nenhum momento, dr. Cristiano Zanin deixou de lutar, ou se mostrou vencido. Meus parabéns ao ilustre advogado."

11/3/2021
André Tayar

"Com todo respeito que o dr. Cristiano Zanin merece, a decisão monocrática, e no mínimo estapafúrdia do ministro Fachin, longe está de ser um 'gol no ângulo'. Será então que todos os 15 juízes que atuaram no feito (Vara de origem, Tribunal Regional e STJ) decidiram errado quanto à competência do Juízo? Quantos Habeas Corpus foram analisados pelo STF? Em quantos HC's houve arguição de incompetência? Agora e somente agora, anula-se as condenações tardiamente, para logo logo comemorar outro 'gol no ângulo', a prescrição dos crimes imputados ao mesmo! Comemorar a impunidade, rasgando-se a Constituição! E viva o circo e pão!"

12/3/2021
Eldo Dias de Meira

"Está de parabéns o Informativo, o doutor Zanin faz jus a homenagem, pela perseverante atuação e principalmente pelo fato de conseguir manter o patrocínio da causa por tão longo período, fato esse admirável que poucos advogados conseguem realizar, mérito que deve ser atribuído também à parte, independente de quaisquer outras interpretações, hipóteses e entendimentos sobre o mérito das provas e trâmites processuais, cabe aqui colacionar o trecho abaixo da famosa Carta de Rui Barbosa a Evaristo de Morais sob o título: O Dever do Advogado : 'O furor dos partidos tem posto muitas vezes os seus adversários fora da lei. Mas, perante a humanidade, perante o cristianismo, perante o direito dos povos civilizados, perante as normas fundamentais do nosso regímen, ninguém, por mais bárbaros que sejam os seus atos, decai do abrigo da legalidade. Todos se acham sob a proteção das leis, que, para os acusados, assenta na faculdade absoluta de combaterem a acusação, articularem a defesa e exigirem a fidelidade à ordem processual. Esta incumbência, a tradição jurídica das mais antigas civilizações a reservou sempre ao ministério do advogado. A este, pois, releva honrá-lo, não só arrebatando à perseguição os inocentes, mas reivindicando, no julgamento dos criminosos, a lealdade às garantias legais, a eqüidade, a imparcialidade, a humanidade'."

Envie sua Migalha