sábado, 19 de setembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Lançamento de obra "História do Café"


Lançamento de obra

A historiadora Ana Luiza Martins lança a obra "História do Café", fruto de uma pesquisa envolvente e saborosa

Data: 5/5
Horário: 19h
Local: SP (alameda Lorena, 1430 - Jardins)

Sobre a obra :

Este delicioso livro narra a trajetória de aventura e ousadia da mais saborosa e conhecida bebida negra em todo o mundo: o café.

Muito da história do Brasil está num pacote de café: o comércio internacional, a expansão de fronteiras, as finanças, a fundação de cidades, os costumes, a própria industrialização. Contraiu-se a presença do café na economia transformada, mas o país permanece como primeiro produtor mundial. O café não sai da vida do brasileiro.

A historiadora Ana Luiza Martins escreveu seu livro indo "do rural ao urbano, do Império à República, da opulência à ruína", para desenhar o percurso do café na vida econômica, política e social do Brasil. Há, por exemplo, as páginas do fragor e das amplas conseqüências da Crise de 1929. "Do dia para a noite, foram-se os dias despreocupados de Paris, as alfaias elegantes dos palacetes urbanos, enquanto as sedes de fazendas, outrora opulentas, figuravam como símbolos esvaziados de poder e de prosperidade perdida". Conhece-se de perto a figura do imigrante alemão Francisco Schmidt (1850-1924), o "primeiro rei do café", que em 1890 compra sua primeira fazenda na região de Ribeirão Preto. Outros "reis" viriam depois: Carlos Leôncio de Magalhães (1875-1931) e o imigrante italiano Geremia Lunardelli (1885-1962).

São muitos os personagens de épocas que se encadeiam em quatro capítulos: as "Origens" da planta, desde a África e seu avanço pelo Oriente; o "Império do café", abrangendo a difusão da lavoura no século XIX e sua importância na conformação da sociedade e da cultura brasileiras; a "República do café", quando se examina o papel do produto e das atividades a ele relacionadas, antes e depois da crise de 1929; e "Goles finais de uma história", páginas em que se analisa a economia cafeeira atual.

Desde sua descoberta, a Coffea arabica traçou novas rotas comerciais, criou espaços de sociabilidades até então inexistentes, estimulou movimentos revolucionários, inspirou a literatura e a música, desafiou monopólios consagrados e tornou-se o elixir do mundo moderno, consolidando as cafeterias como referência de convívio, debate e lazer. "Não há exagero nesse registro", alerta a autora.

Com charme, elegância e bom humor, a historiadora Ana Luiza Martins conta a trajetória do café, das origens como planta exótica no Oriente à transformação em produto de consumo internacional. A autora analisa também como o café no Brasil transformou-se na semente que veio para ficar e marcar a nossa história. Mais do que uma atitude simpática de bom anfitrião, oferecer um café é proporcionar uma das mais prestigiosas formas de convívio social que nos é dado a conhecer. Um simples gole dessa bebida torna você, leitor, parte de uma imensa cadeia de produção, embalada em muita aventura e ousadia. Venha tomar uma xícara com a gente.

Sobre a autora :

Ana Luiza Martins é doutora em História Social pela FFLCH-USP, onde se graduou e realizou seu mestrado. Historiadora do Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo), trabalha questões do patrimônio cultural, especializando-se na história do café. É autora de diversos livros e artigos, entre eles "O despertar da República" (Editora Contexto).

___________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

Compartilhar