Segunda-feira, 14 de outubro de 2019 Cadastre-se

ISSN 1983-392X

Ladrão arrependido

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016


Um advogado do Rio de Janeiro passou por situação inusitada no início deste ano. Eduardo Goldenberg narrou na internet que teve a carteira, recheada de dinheiro, furtada ao desembarcar na estação de metrô em Copacabana na noite do dia 31 de dezembro.

Mas na terça, 5, quando retornou ao trabalho, o causídico encontrou um envelope com um bilhete em que o ladrão arrependido pedia perdão e devolvia R$ 967 reais – R$ 50 a menos do que havia na carteira furtada.

"Dr. Eduardo estou devolvendo seu dinheiro que eu peguei da sua carteira no dia 31 em Copacabana. Não dormi arrependido e peço que me perdoe. Feliz Ano Novo. Só tirei cinquenta reais pra comprar uma champanhe pra minha mãe. Fábio."

O advogado afirmou que gostaria de poder agradecer pessoalmente e conhecer a história do rapaz que o furtou.

Veja o depoimento do advogado no Facebook:

Estou desde terça-feira, 05/01/2016, ainda impactado, decidindo com meus botões se conto ou se não conto a história que vivi entre a noite do dia 31, em Copacabana, e o começo da tarde do dia 05 de janeiro. Se estou aqui a dizer-lhe isso, é claro, decidi contar e dividir as emoções que a coisa envolve. Eu, décadas de réveillon em Copacabana nas costas, sempre parti pro furdunço munido apenas da chave de casa, um pouco dinheiro que me baste pra beber na praia e um documento de identidade, nada mais. Nesse último réveillon, sem qualquer razão aparente, saí de casa com a carteira que uso no meu dia-a-dia: cheia de documentos, carteira da OAB, cartões de banco, da seguradora, carteira do plano de saúde, do programa de sócio-torcedor do Flamengo, meus cartões de visita, tudo. E R$ 1.017,00 em dinheiro - vá entender.

Mal saltamos na estação Siqueira Campos, plau!, senti uma mão estatelada no bolso esquerdo da bermuda cargo que eu vestia e adeus carteira, adeus dinheiro e nada disso importa, é 31 de dezembro, que façam bom uso do dinheiro, dos documentos eu peço a segunda via e vamos pra festa que é o que interessa. A única alteração no programado foi que perdi 10min ao telefone cancelando os dois cartões que eu carregava.

Fim do primeiro ato.

Estamos almoçando no dia primeiro com amigos na mesmíssima casa onde estivemos na noite da virada e recebo uma mensagem aqui pelo Facebook. Um cara, cuja identidade preservo em respeito, me contava que achara, na noite anterior, na própria Siqueira Campos, minha carteira com alguns documentos dentro. Fui, por razões de logística, no domingo à noite, ao seu encontro: recuperei, efetivamente, a carteira e todos os documentos (todos!, a única coisa cuja falta senti foram meus cartões de visita).

Fim do segundo ato.

Não fui trabalhar na segunda-feira. Na terça, chegando ao escritório, me deparei com um envelope branco fechado, sem nada escrito nem na frente e nem no verso, com considerável volume dentro: senti que era dinheiro, só no tato.

Entrei, já aflito. Tranquei a porta. Acendi as luzes, sentei-me, pus os óculos, abri com cuidado o envelope e contei, atônito, R$ 967,00 em dinheiro.

E ainda um bilhete manuscrito cuja foto acompanha essa historinha.

"Dr. Eduardo estou devolvendo seu dinheiro que eu peguei da sua carteira no dia 31 em Copacabana. Não dormi arrependido e peço que me perdoe. Feliz Ano Novo. Só tirei cinquenta reais pra comprar uma champanhe pra minha mãe. Fábio.".

Eu só chorava.

Quem me protege não dorme.