Quinta-feira, 17 de outubro de 2019 Cadastre-se

ISSN 1983-392X

Desagravo

quinta-feira, 16 de agosto de 2018


Reportagem da revista Época, narrando encontro do capítulo Brasília da Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito do Largo de S. Francisco, é de um desserviço inenarrável. A jornalista, recém egressa das Arcadas, diz que o ministro Toffoli, filho ilustre da Academia de Direito de SP, teria sido criticado no encontro. Mentira, mentira, mentira. Ao contrário. O ministro Toffoli, cultor da tradição acadêmica, discípulo de Goffredo da Silva Telles, é um orgulho de seus confrades. E o que a foca reputa como crítica nada mais é do que uma trova cantada pelos contemporâneos, conclamando o ministro a preservar o 11 de agosto, numa alusão à notícia que tinha saído naquele dia, de que ele pretende mandar projeto para alterar a anacrônica lei que concede vários feriados extras aos servidores da Justiça Federal (no que o apoiamos irrestritamente). A cantoria, que se enquadra no rol das típicas estudantadas, iria ser cantada com ele presente, mas S.Exa., diante da posse no TSE - que se estendeu até tarde da noite - não pôde ir. Enfim, foi isso que aconteceu, e o ministro, que bem conhece o estilo franciscano, certamente bem sabe disso. O resto é intriga de quem, pelo que se vê, nunca vai ter a honra de integrar a Bucha.