quinta-feira, 15 de abril de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Caras pintadas, avante!

Já que os eleitos não sabem ou não querem cumprir seu papel, a função de representar a maioria passa para os eleitores.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Gilberto de Mello Kujawski

Caras pintadas, avante!

O sol deste radioso 7 de setembro de 2011 iluminou algo diferente sob o céu da pátria: a marcha contra a corrupção, em Brasília, ofuscou o desfile oficial da Independência.

Cerca de 25 mil pessoas, segundo a Polícia Militar, sempre vigilante, caminharam em protesto contra o tsunami de escândalos que ameaça por a pique a política brasileira. Exibindo faixas, fantasias, gritando palavras de ordem, a multidão bradou maciçamente contra a corrupção dos políticos, indignada com o congresso do PT em defesa da base aliada, que atacou a imprensa pela denúncia continuada das malfeitorias dos deputados e senadores que acabam de absolver a senadora Jaqueline Roriz. A manifestação de repulsa não poupou o presidente do Senado, José Sarney.

Sem vaias, disciplinada, a marcha impediu a intrusão dos partidos, como o PSOL, que levava bandeiras e adereços, e cortou a palavra do senador Álvaro Dias que ensaiou discurso. Exigiram a aplicação imediata da lei da ficha limpa, e não dispensaram um toque de ironia exibindo inscrição numa faixa, dizendo "Kadafi, não importa o seu passado, no Brasil você pode ser deputado". Numerosas faixas com frases contundentes e bem humoradas: "País rico é país sem corrupção", "Fim do voto secreto", "Contra Sarney e sua gangue", "Menos ratos e mais ratoeiras", "Jack horroriza" (alusão a Jaqueline Roriz) e outras mais. O rosto mefistofélico do ex-ministro José Dirceu não poderia ser esquecido.

Informa um jornal que a rede social Facebook foi a principal ferramenta de convocação do público presente na marcha. Sim, o Facebook foi e é uma "ferramenta" e só; quer dizer um instrumento, um meio e nada mais. Aqui vai uma lição decisiva para os entusiastas cegos da linguagem virtual. Esta tem limites. O Facebook, a Internet são instrumentos de informação e mobilização em massa. Mas não bastam. A mobilização real, em campo, a multidão marchando pelas ruas e praças da cidade e do país constituem um passo à frente sobre a convocação virtual. E foi isso o que a marcha contra a corrupção acrescentou à mera convocação virtual. A ferramenta não substitui a obra feita com ela, o virtual não se confunde com o real e os fins não podem ser substituídos pelos meios.

E por que a marcha real se tornou indispensável? Porque a democracia é um sistema político no qual a "representação" é tudo. A representação da maioria pelas minorias funciona como uma delegação - os senhores congressistas existem para representar o povo na sua totalidade. Mas tem mais.

A palavra "representação" em política tem outro sentido, além da simples delegação. Sentido cênico e teatral. O Parlamento digno deste nome, com oradores falando, alguns com brilho excepcional, respondendo a apartes, colocando-se em cena, como no teatro, constitui um espetáculo fascinante, o próprio espetáculo da democracia acontecendo.

De algum tempo para cá, o parlamento no mundo inteiro perdeu o brilho e a vivacidade de sua performance tradicional. Os políticos desaprenderam de falar, muitos são péssimos oradores, parecem tartamudos quando fazem uso da voz. Talvez por vergonha e sentimento de culpa.

Ora, o que vimos em Brasília, naquele vibrante 7 de Setembro, foi a população em cena, tomando para si as praças e as avenidas da capital Federal, sem nenhuma delegação oficial, mas mesmo assim re-pre-sen-tando a maioria do povo brasileiro, indignado com o escândalo da corrupção política crescente e a céu aberto, os políticos traindo vergonhosamente seus mandatos e mais vergonhosamente ainda, incompetentes para julgar e punir seus pares.

A função de representar a maioria passou diretamente para os eleitores, já que os eleitos não sabem e não querem cumprir seu papel. Não se trata de nenhum ensaio de "democracia direta", e sim do cumprimento daquela lei não escrita segundo a qual o sistema de poder não tolera o vácuo.

Ouçamos o que escreve um mestre sobre o significado da representação cênica em política:

"A representação potencia a dimensão projetiva de toda a sociedade, a faz essencialmente futurista e, portanto lhe impossibilita ficar reduzida ao funcionamento de suas propulsões tradicionais" (Julián Marías, "A estrutura social").

Caras Pintadas, avante!

__________




*Gilberto de Mello Kujawski é ex-promotor de Justiça. Escritor e jornalista

 



 

 

__________

Atualizado em: 15/9/2011 11:56

LEIA MAIS

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade