sexta-feira, 27 de maio de 2022

MIGALHAS DE PESO

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. A política de desenvolvimento de acervo em bibliotecas especializadas

A política de desenvolvimento de acervo em bibliotecas especializadas

"Onde quer que livros sejam queimados, os homens serão também, eventualmente, queimados" (Heinrich Heine)

sexta-feira, 13 de março de 2020

t

O tema da política de desenvolvimento de acervo (incluindo aquisição e descarte) em bibliotecas especializadas precisa ser tratado com responsabilidade nas instituições privadas.

Em tempos de rápido avanço tecnológico, muitos consideram a extinção das publicações impressas, como se esse suporte fosse extinto e imediatamente todas as publicações passassem para o ambiente eletrônico, sem levar em consideração diversas mudanças no decorrer do processo, tais como direitos autorais, mercado editorial, democratização do acesso e hábitos culturais dos leitores.

O crescimento, atualização e qualidade do acervo devem seguir procedimentos e padrões estabelecidos, um trabalho em sintonia do corpo jurídico responsável e a equipe da respectiva biblioteca e unidade de informação.

Tratando-se de escritórios jurídicos especializados, há títulos que, simplesmente, não devem ser selecionados para descarte baseando-se em critérios superficiais, como edições em demasia (o conteúdo pode sofrer alterações), ou temporalidade (autores consagrados e clássicos devem estar sempre presentes).

 Em quesitos temporais, textos de teoria geral e doutrina não se tornam obsoletos; podem se tornar menos úteis em determinado momento e voltar a ser utilizados em fins e contextos específicos. O direito trata de fatos pretéritos. Não é raro que os advogados tenham que consultar obras antigas, à medida em que ações judiciais podem demorar décadas até uma decisão final.

Regredir no tempo é necessário, muitas vezes crucial para a aplicação do direito.  A citação bibliográfica é a comprovação da fonte de informação que, mesmo defasada, pode ser eventualmente determinante para a solução do caso concreto. Quantas vezes os bibliotecários precisaram recorrer a uma publicação antiga, que só se encontra de forma impressa, para atender a demanda do advogado que analisa fatos ocorridos há décadas?

Em relação à aquisição de títulos, devemos ter em mente que bibliotecas especializadas devem ser ampliadas, todavia, sem fugir do principal foco de negócio e expertise da banca. Temas em desenvolvimento e pouco discutidos, ou até mesmo de literatura escassa, podem ser explorados no acervo, levando em consideração a expertise do autor em relação ao tema e sua aplicabilidade cotidiana.

Esses acervos especializados também geram outras questões, por exemplo: é viável adquirir publicações lançadas anualmente, com pequenas alterações? É pertinente investir em temas pouco explorados ou ainda em desenvolvimento, apostando na corrida pelo domínio do assunto?

A decisão deve ser tomada em conjunto, pelo corpo jurídico e os bibliotecários, que podem ajudar com sugestões, pesquisa de lançamentos e edições recentes, cotações de preços e distribuidores.

_____________________________________________________________________

*Jéssica Melissa Poquini é bibliotecária do Dias de Souza Advogados Associados. Graduada em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela FESPSP e pós-graduada em Gestão de Projetos Culturais pela USP.

Atualizado em: 13/3/2020 11:20

Jéssica Melissa Poquini

Jéssica Melissa Poquini

Bibliotecária no escritório Dias de Souza Advogados Associados. Bacharel em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela FESPSP. Pós-graduada em Gestão de Projetos Culturais pela USP.