quarta-feira, 12 de maio de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Como utilizar as técnicas do Legal Design no seu escritório de advocacia

A proposta é trazer maneiras mais contextualizadas de pensar a própria advocacia. E pode representar, desse modo, um diferencial para um mercado bastante concorrido.

sexta-feira, 2 de outubro de 2020

t

É inegável o quanto a advocacia tem se transformado nos últimos anos, para não falar nas últimas décadas. Entre processo de globalização e avanço da tecnologia, é difícil encontrar uma área que tenha se mantido igualmente. E quando falamos da advocacia, esse processo de mudança vai desde o direito material e ao direito processual e ao próprio modo de advogar.

Novas técnicas de gestão e tecnologia ganharam e ainda ganham destaque no mercado jurídico. No aspecto ferramental, um software jurídico consegue automatizar muitos processos mecânicos. No aspecto técnico, estratégia como o Legal Design conquistam o meio.

A proposta é trazer maneiras mais contextualizadas de pensar a própria advocacia. E pode representar, desse modo, um diferencial para um mercado bastante concorrido. 

Em um mercado com mais de 1 milhão de profissionais, pode ser difícil encontrar o elemento que faça com que um tenha mais clientes do que outro, principalmente quando todos também parecem se qualificar cada vez mais. Para muitos, a resposta tem sido apostar na formação de sociedades mais robustas e fortalecidas. E sim, esta é parte de uma alternativa.

A solução, no entanto, pode também estar fora da zona jurídica propriamente dita e desembocar em outras facetas da oferta do serviço na advocacia.

O que é Legal Design: entre o Visual Law e o Design Thinking

Muitos se equivocam ao pensar que o Legal Design trata apenas de estética das petições, dos contratos ou da marca do escritório, em uma confusão com o Visual Law. Embora o aspecto visual seja também importante, sobretudo para um meio em que a comunicação é vista com formalismo, existem mais benefícios nessa técnica que mescla design e administração. 

O Legal Design, assim, pode estar na marca, na forma de um contrato, mas também pode estar na estrutura dos escritórios de advocacia, no modo de entender e de atender ao cliente. 

Quantas entrevistas, por exemplo, você realizou sobre seus clientes antes de montar o escritório? Ou apenas definiu as suas áreas de atuação?

Por meio do Legal Design e das técnicas de investigação e prototipação provenientes do design thinking, é possível compreender melhor aquele que utilizará o serviço - seja cliente, seja juiz - e, dessa maneira, desenvolver o seu trabalho de modo que concilie os seus objetivos com os interesses dessas pessoas. Isto gera, assim, mais eficácia para a atividade.

Como aplicar o Legal Design ao escritório de advocacia

Enquanto o Legal Design caminha em direção à aplicação do Design Thinking ao meio jurídico para além do seu aspecto visual, o Visual Law foca mais especificamente no caráter estético das produções jurídicas: peças, contratos, marca e outros.

Aplicar o Legal Design ao escritório é mais uma mudança de mindset do que necessariamente a mudança estética do empreendimento.

No ADV Conference de 2019, por exemplo, o palestrante Alexandre Zavaglia trouxe cases de empresas que mudaram a forma de elaborar seus contratos para que aquele que fosse contratar entendesse melhor o objeto do contrato. Isto não significa abdicar das formalidades muitas vezes exigidas juridicamente.

Mas um contrato mais inteligível pode acompanhar o outro mais formal de modo a gerar clareza para as partes e eventuais transtornos por desconhecimento de cláusulas, por exemplo. Afinal, nem todos entendem exatamente termos jurídicos ou mesmo a forma de escrever própria ao Direito.

Apesar dos cursos ensinarem técnicas, contudo, é preciso diferenciar o trabalho de um designer do trabalho de um advogado ou de uma advogada. As especializações são ótimas para que o profissional tenha controle sobre as estratégias do escritório. No entanto, é sempre recomendado buscar profissionais capacitados a efetuar o serviço de design.

Assim, o gestor consegue definir os elementos do projeto e repassá-los a quem tem a quem tem a expertise na área visual.

Ficou interessado no tema? Confira o artigo completo sobre Legal Design e a aplicação em escritórios de advocacia.

E para melhorar ainda mais a sua gestão, experimente as vantagens de um software jurídico com inteligência artificial na sua rotina!

t

_________

t*Athena Bastos é mestra em Direito e analista de conteúdo do SAJ ADV - Software Jurídico.

Atualizado em: 2/10/2020 08:13

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade