quarta-feira, 22 de setembro de 2021

MIGALHAS DE PESO

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. Queremos o mando de campo

Queremos o mando de campo

Não fomos criadas para praça, quiçá para termos o mando do campo. Mas, porque reclamamos, quanto 'mimimi', já podemos jogar... Bem, agora, queremos cantar, nossa canção iluminada de Sol!

quarta-feira, 31 de março de 2021

Historicamente, a nós mulheres não é dado voz e vez no comando do jogo. Atualmente, até podemos até participar, mas a bola é deles e as regras foram feitas por e para eles. E se agimos neste modelo somos mandonas, histéricas, descontroladas.

Somos minoria no executivo, no legislativo, no judiciário, no sistema OAB. A despeito de sermos quase metade da população, nos espaços de poder, essa paridade de gênero não se reflete.

Assim, seguimos alijadas e invisibilizadas, nossas necessidades e peculiaridades seguimos na insanidade do machismo institucional. Por quê?

Porque fomos criadas para o cuidar, para o jardim e para maternar. Não fomos criadas para praça, quiçá para termos o mando do campo. Mas, porque reclamamos, quanto 'mimimi', já podemos jogar... Bem, agora, queremos cantar, nossa canção iluminada de Sol!

Na verdade, para aquelas (ainda poucas) que desbravam a ocupação dos espaços de poder, o caminho é espinhoso. Mas, uma rosa floresce no despertar para a relevância e premência da participação feminina. Porque só quando as nossas vivências forem consideradas para a criação das regras do jogo é que a brincadeira ficará mais justa.

O machismo nos permeia com tanta sutileza e de forma tão visceral que muitas vezes nem notamos. Sequer percebemos falas absurdas proferidas contra nosso único pecado de sermos mulheres: vaca, gorda, descontrolada histérica.

Representatividade importa, precisamos mulheres liderando com sensibilidade, com integridade, com transparência e sem subterfúgios, sem discursos de fachada. Líderes cheias de atitude, de amabilidade, de firmeza, doçura e generosidade.

Pluralidade de realidades (gênero, raça e sexualidade) é alicerce para uma ambiência verdadeiramente democrática, para uma sociedade com pessoas capazes de enxergar o outro. É pontapé para desconstrução de um padrão de jogo estritamente masculino e sem diversidade.

Representatividade e diversidade é fomento da alteridade; é estimular que meninas possam sonhar.

A cada mulher hoje em espaço de poder, siga firme! Pois as pessoas na sala de jantar são ocupadas em nascer e morrer... Persista, não é mais só por você, é por mim, é por nós! É a esperança por um dia em que poderemos ser corteses e generosas, plurais e diversas, meninas e mulheres em um mundo, onde todas essas características não sejam tão difíceis. Sejamos folhas de sonho no jardim do solar, as folhas sabem procurar pelo Sol.

Atualizado em: 31/3/2021 14:39

Isabela Lessa Ribeiro

Isabela Lessa Ribeiro

Advogada, coordenadora do Curso de Direito da Faculdade Nova Roma e vice-presidente da ESA OAB/PE.