MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. Entenda como a decisão de fechar o aeroporto de Guarulhos prejudica os brasileiros

Entenda como a decisão de fechar o aeroporto de Guarulhos prejudica os brasileiros

Para se ter dimensão da importância do aeroporto, no ano de 2019, mais de 43 milhões de pessoas passaram pelo local, sendo mais da metade dos passageiros de voos nacionais.

quarta-feira, 16 de junho de 2021

Atualizado às 08:22

 (Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Tratamos de uma notícia que não é das melhores, mas vai fazer muitos pensarem o que há por trás da decisão de fechar temporariamente um dos mais importantes aeroportos do país, o de Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo. Além de receber milhões de passageiros, o local também movimenta bilhões de reais em cargas.

Para se ter dimensão da importância do aeroporto, no ano de 2019, mais de 43 milhões de pessoas passaram pelo local, sendo mais da metade dos passageiros de voos nacionais. No mesmo ano, mais de 292 mil aeronaves pousaram em Cumbica, sendo que 76 mil foram voos internacionais. Quando falo em bilhões movimentados, não se trata apenas do valor financeiro, mas especialmente no sentido de logística empresarial.

Existe uma série de eventos que podem ocorrer ao fechar um aeroporto, entre eles, é necessário pensar nos milhares de funcionários, entre pilotos, comissários, mecânicos e os responsáveis pela manutenção do local, todas as pessoas envolvidas em atendimento e até mesmo os trabalhadores de lojas e restaurantes, além dos seguranças, Polícia Federal e Civil, etc. Esse é um negócio que gera empregos diretos e indiretos, existe uma cadeia produtiva inteira dependente do serviço prestado por esse campo e que serão prejudicados com o fechamento.

Desde o ano passado eu venho falando sobre a possibilidade de ter mais negócios quebrados do que mortos pela pandemia e, de fato, isso vem ocorrendo. As pessoas estão muito preocupadas em saber quem foi o culpado: governo federal, governo estadual ou prefeitos, mas isso não importa. O que realmente importa é que o país ainda não tomou as providências corretas para evitar esses problemas e achar um culpado também não os resolverá.

A solução é a conscientização coletiva; é fundamental que as pessoas entendam que este não é o momento de ir à festas, passar o feriado na praia ou aglomerando em diversos locais. Nos Estados Unidos quase todos os estados já estão abertos e, no Texas, alguns estabelecimentos até mesmo pedem para que as pessoas tirem a máscara por questões de segurança. Estamos usando os equipamentos de proteção por excesso de cautela, visto que a maioria das pessoas já tomou as duas doses da vacina e fizeram testes para garantir a imunidade.

Com tudo isso, voltam as questões relacionadas à culpa, que pode ser da empresa aérea, que não fiscalizou os passageiros que poderiam transmitir o vírus; da Anvisa, ou do próprio passageiro que não teve consciência ao viajar; afinal, o ideal é que cada pessoa realize o teste antes de entrar no avião para evitar contaminar outras pessoas. Além disso, vale ressaltar que tanto os governos federal e estadual, quanto a prefeitura de Guarulhos têm culpa nesse quesito.

O preço a ser pago é fechar o maior aeroporto do país por 15 dias, causando um enorme prejuízo. Durante esse período, também é possível que o preço de diversos produtos passe a aumentar nos meses seguintes devido à escassez.

A consequência dessa decisão inviabiliza especialmente a vida de empresários, que acabam pagando a conta, além dos cidadãos de classe média (alta ou baixa), que não possuem isenção de impostos que serão cobrados após o fechamento de Cumbica. Certamente, a vida da população brasileira seria muito melhor se não houvesse tanta vaidade política e disputas por poder no país.

Daniel Toledo

Daniel Toledo

Advogado do escritório Toledo Advogados Associados. Especializado em Direito Internacional. Consultor de negócios. Palestrante. Membro da Comissão de Direito Internacional da OAB/SP e Santos.

Toledo Advogados Associados