terça-feira, 22 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Projeto de Lei de Cibercrimes precisa de mais transparência

Encontra-se em tramitação no Congresso o projeto de lei que pretende tornar crimes algumas condutas danosas à sociedade e que são perpetradas por meios eletrônicos como a Internet, conhecido como Projeto de Lei de Cimes de Informática (ou Cibercrimes).


Projeto de Lei de Cibercrimes precisa de mais transparência

Rodrigo Guimarães Colares*

Encontra-se em tramitação no Congresso o projeto de lei que pretende tornar crimes algumas condutas danosas à sociedade e que são perpetradas por meios eletrônicos como a Internet, conhecido como Projeto de Lei de Cimes de Informática (ou Cibercrimes). Se por um lado é importante termos respaldo legal para punir atos lesivos à sociedade, por outro é preocupante saber que, nos próximos dias, poderá ser aprovado pelo Senado um texto cuja tramitação não teve transparência, não contou com a participação de importantes segmentos da sociedade e parte de premissas no mínimo estranhas ao ordenamento jurídico brasileiro.

Atualmente sob a relatoria do Senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), o PL de Cibercrimes é substituto de três projetos de lei preexistentes que tratavam da matéria. Seu texto oficial, que está sendo discutido na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado (CCJ), não foi levado ao conhecimento da sociedade para que pudesse sofrer análises e críticas dos interessados. Atenta a esse fato, a Comissão de Tecnologia da Informação da OAB Pernambuco, que conta com um Grupo de Trabalho dedicado à matéria, em 26 de maio de 2007 enviou carta eletrônica ao relator, para que pudesse se posicionar a respeito, sem que tenha recebido resposta até o momento.

É sobre um projeto de lei cujo texto oficial é desconhecido pela sociedade que será realizada uma audiência pública no próximo dia 20 de junho deste ano (2007). Esta seria a oportunidade para que interessados se pronunciassem a respeito, mas não foram convocadas importantes entidades representativas da sociedade civil, como OAB, IBDI (Instituto Brasileiro de Política e Direito da Informática) e SaferNet Brasil, dentre outras. Após essa audiência, o PL de Cibercrimes, cuja redação não é de conhecimento público, pode simplesmente ser aprovado pelo plenário do Senado.

A inspiração declarada do PL de Cibercrimes brasileiro é a Convenção de Cibercrimes do Conselho da Europa. Aberta à assinatura de outros países, esta Convenção não se encontra ratificada por nenhum país de relevância política ou econômica da Europa, excetuando-se a França. Durante sua elaboração, que contou com a participação ativa dos EUA, o texto foi duramente criticado por diversas entidades, sob o argumento de que ofenderia o direito à privacidade dos indivíduos. Leis que apresentem restrições dessa natureza normalmente surgem em sociedades que vivem problemas como o terrorismo, o que não parece ser o caso do Brasil.

Ao contrário do que ocorre na vida privada dos indivíduos, a tudo que é público deve ser empregada a maior transparência e publicidade possível. O curso do PL de Cibercrimes parece percorrer um caminho inverso, que pode ser corrigido criando-se novas oportunidades para discussões antes de sua aprovação pelo Senado. É uma situação paradoxal que um projeto cuja inspiração é uma convenção internacional de cibercrimes, baseada em princípios capazes de causar restrições à privacidade dos cibernautas, não seja tornado público.

____________

*Presidente da Comissão de Tecnologia da Informação da OAB/PE, mestre em Direito da Tecnologia da Informação e Telecomunicações pela Universidade de Strathclyde (Escócia) e diretor do IBDI - Instituto Brasileiro de Política e Direito da Informática.





____________

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

Compartilhar

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Márcia Glomb

Márcia Glomb

Migalheira desde 2020

Bibianna Peres

Bibianna Peres

Migalheira desde 2019

Luís Borrelli

Luís Borrelli

Migalheiro desde 2020

Brunna Frota Silva

Brunna Frota Silva

Migalheira desde 2020

Anna Carolina Venturini

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014