terça-feira, 22 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Defensoria pública e Ilanud acordam implantação do núcleo de defesa da criança e adolescente do RN

Aproximadamente 17 mil jovens são assassinados todos os anos no Brasil, em uma relação de 1 menina para cada 24 meninos com idades entre 15 e 24 anos, segundo o Diretor Executivo do Instituto Sou da Paz, Denis Mizne, para ilustrar a temática "Juventude e Violência", em palestra proferida na Oficina Nacional de Atualização e Fortalecimento da Defesa do Adolescente em Conflito com a Lei, realizado no Distrito Federal nos dias 26 a 29 de fevereiro.

 

  • Sobre o artigo abaixo, confira as explicações enviadas posteriormente pelo Instituto Latino Americano das Nações Unidas para a Prevenção do Delito e Tratamento do Delinqüente - ILANUD. Clique aqui

_________


Defensoria pública e Ilanud acordam implantação do núcleo de defesa da criança e adolescente do RN

Kennedy Diógenes*

Aproximadamente 17 mil jovens são assassinados todos os anos no Brasil, em uma relação de 1 menina para cada 24 meninos com idades entre 15 e 24 anos, segundo o Diretor Executivo do Instituto Sou da Paz, Denis Mizne, para ilustrar a temática "Juventude e Violência", em palestra proferida na Oficina Nacional de Atualização e Fortalecimento da Defesa do Adolescente em Conflito com a Lei, realizado no Distrito Federal nos dias 26 a 29 de fevereiro.

O evento promovido por um órgão da ONU, o Instituto Latino Americano das Nações Unidas - ILANUD, discutiu os meios jurídicos e sua aplicabilidade na defesa da criança ou adolescente infrator, contando com a participação de Defensores Públicos Estaduais e Advogados de diversas entidades setoriais nacionais, propiciando a troca de experiências e informações.

Além de tratar dos meios de defesa, a oficina do ILANUD revelou um retrato brasileiro bastante precário das condições que crianças e adolescentes são tratados pelo Estado, denunciando a perpetuação da tortura destas por autoridades policiais, abusos sexuais dentro das unidades de internação, e insensibilidade do Poder Judiciário, que não abandonou o conceito de menorismo e inverte a presunção de inocência, como explanou Karyna Sposato, Consultora da UNICEF e Doutoranda em Direito Penal pela Universidad Pablo de Olavide, Sevilha/Espanha.

Para Paula Miraglia, Diretora Executiva do ILANUD, as principais causas das infrações juvenis são a drogadição e transtornos mentais, correspondendo estas a mais de 70% dos casos, porém o Estado não está aparelhado para atender a esse tipo de demanda, deixando as crianças e adolescentes sem tratamento e sem qualquer esperança de ressocialização.

Dificuldades como essas, aliadas a inobservância dos Estados Brasileiros às garantias constitucionais das crianças e adolescentes, fomentaram debates acerca do manejo da ação civil pública e instrumentos de representação às Cortes Internacionais, como meios de dar efetividade às medidas reivindicadas, acrescentando-se, ainda, a importância da mobilização da opinião pública, como defendeu Sergio Suiama, Procurador da República em São Paulo e um dos palestrantes da Oficina.

No entanto, sem a efetividade necessária das decisões judiciais, que são constantemente descumpridas pelos gestores públicos, e sem a visibilidade do problema na mídia, cresce a vitimização das crianças e adolescentes em confronto com as autoridades policiais ou sob sua tutela, gerando mais violência.

Além disso, evidenciou-se a imprescindibilidade dos mapeamentos das regiões de situação de risco e pesquisas de perfis psico-sócio-econômicos dos atores sociais e do tipo infracional, a fim de se nortear políticas consistentes de defesa e garantia destes. A esse respeito, felizmente para o Estado do Rio Grande do Norte, as pesquisas já estão sendo elaboradas pela FUNDAC, viabilizadas através de um convênio com a Subsecretaria de Defesa da Criança e Adolescente, órgão vinculado à Secretaria Especial dos Direitos Humanos, o que servirão de base para um planejamento de atendimento específico de combate à delinqüência juvenil.

Outra conquista do Rio Grande do Norte, através da imersão temática proposta pela Oficina, foi a manifestação de intenções da Defensoria Pública de, ainda neste semestre, implantar o Núcleo de Defesa da Criança e Adolescente, conquistando o apoio do ILANUD e da Subsecretaria de Defesa da Criança e Adolescente, que se prontificaram, nas pessoas de Paula Miraglia e Carmem Oliveira, dirigentes daqueles entes, respectivamente, em auxiliar na nova empreitada.

Esse núcleo especializado propiciará agilidade processual, maior observância aos direitos fundamentais, controle das aplicações das medidas sócio-educativas e acompanhamento amplo das crianças e adolescentes em conflito com a lei, o que auxiliará a viabilização da tão sonhada efetividade do Estatuto da Criança e do Adolescente.

Portanto, a implantação do núcleo especializado da Defensoria Pública, a realização das pesquisas psico-sócio-econômicas e mapeamento de áreas de riscos, além da compreensão sistêmica da infração juvenil e estruturação das unidades responsáveis pela execução das medidas sócio-educativas, poderão, nestas plagas potiguares, produzir ações que garantam dignidade às crianças e adolescentes, tornando-os cidadãos responsáveis e construtores de um futuro feliz.

________________

*Advogado, Coordenador de Planejamento da Defensoria Pública/RN





________________

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

Compartilhar

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

May Linn Liao Amorelli

May Linn Liao Amorelli

Migalheira desde 2020

Haroldo Lourenço

Haroldo Lourenço

Migalheiro desde 2020

Alneir Maia

Alneir Maia

Migalheiro desde 2020

Fernando Capez

Fernando Capez

Migalheiro desde 2020

Francine de Faria

Francine de Faria

Migalheira desde 2020

Fábio A. Figueira

Fábio A. Figueira

Migalheiro desde 2020