segunda-feira, 21 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Investigação pelo Ministério Público

Muito se tem debatido e escrito sobre o tema, complexo e polêmico. De maneira muito sucinta, será correto dizer que o Ministério Público pode e não pode investigar diretamente. Ou que pode, mas até certo ponto.

Investigação pelo Ministério Público


José Barcelos de Souza*

Muito se tem debatido e escrito sobre o tema, complexo e polêmico. De maneira muito sucinta, será correto dizer que o Ministério Público pode e não pode investigar diretamente. Ou que pode, mas até certo ponto.

Poderá investigar, em primeiro lugar, porque todo mundo pode. Assim é que a imprensa pode e investiga, e o particular idem. De sua vez, até porque gozam para tanto de autorização legal em certos casos, o Legislativo pode, e assim também até o juiz, que nos crimes de falência é autorizado por lei a presidir ao chamado inquérito judicial.

Com mais razão poderá o Ministério Público investigar, por isso que sua função típica, privativa e indeclinável, é a da promoção da ação penal pública, a exigir, de modo geral, investigações prévias para a exata apuração do fato e da autoria. Demais disso, investigar crimes se relaciona com seu poder de fiscalizar a correta aplicação da lei.

Se é inegável que pode investigar, isso não significa, entretanto - e aqui está a razão do "não pode" a que me referi de início -, que possa fazê-lo nos moldes de um inquérito policial, vale dizer, oficialmente. Essa é função da polícia, que compreende poderes que ele não tem, como o de ordenar busca e apreensão, mandar intimar testemunhas, a não ser quando autorizado por lei.

Autorização legal para investigar tem o Ministério Público nas infrações penais praticadas por membros da instituição e, excepcionalmente, em caráter supletivo, como modalidade de sua função constitucional de controle externo da atividade policial, se a tanto autorizado por lei orgânica. Antiga lei mineira, por exemplo, lhe permitia assumir a presidência de inquérito policial, quando outras medidas resultassem ineficazes para a elucidação do fato criminoso.

Fora daí, duas razões limitam a atividade investigatória do Ministério Público na generalidade dos casos: de um lado, a falta de autorização legal, e, de outra banda, o fato de existir legalmente para esse fim um outro órgão, vale dizer, a polícia, à qual em princípio cabe, embora sem exclusividade, a investigação criminal.

É por isso que não pode, exceto nos casos apontados, intimar testemunhas a comparecer sob as penas da lei, diferentemente do que ocorre num inquérito civil que tiver instaurado. Em matéria penal, contudo, fora as exceções mencionadas, quem vier a ser intimado, ou melhor, convidado para "depor no Ministério Público", não é obrigado a comparecer. Neste caso, não restará outro caminho senão o de requisitar à autoridade policial a prática do ato. Saliente-se, porém, que por várias razões não serão, necessariamente, inválidos os resultados de uma investigação criminal que o Ministério Público tiver logrado fazer.

O mal entendido que tem havido a respeito da matéria resulta da interpretação equivocada e elástica que se quer dar a um dispositivo de Lei Complementar que faculta ao Ministério Público "notificar testemunhas e requisitar sua condução coercitiva, no caso de ausência injustificada", mas isso, é bem de ver, "nos procedimentos de sua competência". Procedimento de sua competência, porém, é o inquérito civil público, não também assim um inquérito penal. Quanto a matéria penal, o que lhe é concedido é o direito, hoje já na Carta, de "requisitar diligências investigatórias e a instauração de inquérito policial" (Constituição Federal, art. 129, VIII). E também, conforme Lei Complementar, o de acompanhar as diligências e o inquérito. Não passa disso. O que é atribuição do Ministério Público é fiscalizar a falta de apuração das infrações penais em geral, entre elas o homicídio, o abuso de autoridade, e tantas outras.

De qualquer modo, é realmente admirável e proveitoso o notável trabalho que, com todas as dificuldades e limitações, tem realizado o Ministério Público, sem o que crimes graves, praticados por poderosos, certamente não teriam sido punidos.
________

* Diretor do Departamento de Direito Processual Penal do IAMG - Instituto dos Advogados de Minas Gerais







___________

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

Compartilhar

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Viviane Castilho

Viviane Castilho

Migalheira desde 2009

Gabriela B. Maluf

Gabriela B. Maluf

Migalheira desde 2018

Mario Luiz Elia Junior

Mario Luiz Elia Junior

Migalheiro desde 2006

Elie Pierre Eid

Elie Pierre Eid

Migalheiro desde 2013

Camile Eltz de Lima

Camile Eltz de Lima

Migalheira desde 2020

Sandro Ronaldo Rizzato

Sandro Ronaldo Rizzato

Migalheiro desde 2009

Gilberto Giusti

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Carolina Zimmer

Carolina Zimmer

Migalheira desde 2011