terça-feira, 29 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Retratos do Rio de Janeiro

Hoje de manhã, indo para o trabalho de ônibus, como muitos trabalhadores brasileiros, presenciei uma cena que me deixou esquálida. Uma jovem vestida de roupa social, a caminho do trabalho, em razão de uma freada brusca do motorista que falava ao telefone celular, teve parte da pele do seu dedo do pé decepada. Com o pé embebido em sangue e indignada com a situação, especialmente, pelo fato de que o motorista falava ao celular no momento em que o acidente ocorreu, foi reclamar com a trocadora, e para a sua decepção, teve sua situação ironicamente tratada pelos funcionários da empresa. Sem ter o tratamento digno que merecia, engolindo "sapos" e desaforos, a moça seguiu, com o pé sangrando. Há cerca de dois meses, uma jovem de 21 anos que freqüentava uma boate no Arpoador - bairro nobre da Zona Sul do Rio de Janeiro - levou um soco no rosto de um homem musculoso de 33 anos, morador de Copacabana, por ele ter entendido que ela estava "furando a fila" da boate. A jovem, que ficou com o olho roxo por quase um mês, fez o exame de corpo e delito e seguirá com uma ação penal e cível, de reparações morais e materiais, contra o "fortão". Situações como essas, que são apenas retratos 3X4 do Rio de Janeiro, se tornaram absolutamente comuns no dia-a-dia dos cidadãos brasileiros. Histórias como as das vítimas, ora descritas, vêm à tona nos mais diversos relatos, de pessoas de todos os nichos sociais. A sociedade parece de uma forma geral ter se acostumado com a violência. E, dizer isso, já está banalizado também. De noite, podemos deitar a cabeça no travesseiro e assistir confortavelmente às campanhas políticas que há muito já se iniciaram para as próximas eleições? Já passa da hora de lutarmos por mudanças sociais contra o preconceito em relação à mulher no mercado de trabalho, as discriminações raciais, a covardia e a completa banalização dos valores morais, da ética. Essa lista é longa. Precisamos questionar, para assim mudar o país, através de nós mesmos. É preciso pensar não só no grande (Corporações governamentais, globalização), mas no pequenininho, como os poucos centavos que encareceram o pão nosso de cada dia. Violentamo-nos ao aceitar o inaceitável. Calamo-nos quando o correto era encarar, enfrentar, botar a boca no mundo, denunciar. Coagidos por nossos próprios medos e incertezas, na desconfiança de que as autoridades não farão a sua parte, ficamos em silêncio. Pior que ter o dedo decepado, por um motorista irresponsável, e um olho roxo, causado por um covarde na fila de uma boate, é abafarmos a história. Abrir mão do exercício da cidadania é um exemplo disso. As campanhas publicitárias estão enfatizando muito em o direito à cidadania com o slogan "quatro anos é muito tempo, principalmente quando as coisas não vão bem." Responsabilidade social é votar com consciência. Depois não adianta chorar.


Retratos do Rio de Janeiro

Adriana Nogueira Tôrres*

Hoje de manhã, indo para o trabalho de ônibus, como muitos trabalhadores brasileiros, presenciei uma cena que me deixou esquálida. Uma jovem vestida de roupa social, a caminho do trabalho, em razão de uma freada brusca do motorista que falava ao telefone celular, teve parte da pele do seu dedo do pé decepada.

Com o pé embebido em sangue e indignada com a situação, especialmente, pelo fato de que o motorista falava ao celular no momento em que o acidente ocorreu, foi reclamar com a trocadora, e para a sua decepção, teve sua situação ironicamente tratada pelos funcionários da empresa.

Sem ter o tratamento digno que merecia, engolindo "sapos" e desaforos, a moça seguiu, com o pé sangrando.

Há cerca de dois meses, uma jovem de 21 anos que freqüentava uma boate no Arpoador - bairro nobre da Zona Sul do Rio de Janeiro - levou um soco no rosto de um homem musculoso de 33 anos, morador de Copacabana, por ele ter entendido que ela estava "furando a fila" da boate. A jovem, que ficou com o olho roxo por quase um mês, fez o exame de corpo e delito e seguirá com uma ação penal e cível, de reparações morais e materiais, contra o "fortão".

Situações como essas, que são apenas retratos 3X4 do Rio de Janeiro, se tornaram absolutamente comuns no dia-a-dia dos cidadãos brasileiros. Histórias como as das vítimas, ora descritas, vêm à tona nos mais diversos relatos, de pessoas de todos os nichos sociais. A sociedade parece de uma forma geral ter se acostumado com a violência. E, dizer isso, já está banalizado também.

De noite, podemos deitar a cabeça no travesseiro e assistir confortavelmente às campanhas políticas que há muito já se iniciaram para as próximas eleições?

Já passa da hora de lutarmos por mudanças sociais contra o preconceito em relação à mulher no mercado de trabalho, as discriminações raciais, a covardia e a completa banalização dos valores morais, da ética. Essa lista é longa. Precisamos questionar, para assim mudar o país, através de nós mesmos.

É preciso pensar não só no grande (Corporações governamentais, globalização), mas no pequenininho, como os poucos centavos que encareceram o pão nosso de cada dia.

________

*Estudante de Direito e membro da Comissão Brasileira das Mulheres da Carreira Jurídica do Rio de Janeiro






_____________________

Atualizado em: 5/9/2008 10:01

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui