domingo, 18 de abril de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Operação Pasárgada

Corte Especial do STJ recebe denúncia e afasta desembargador do TRF da 1ª região

A Corte Especial do STJ recebeu denúncia criminal oferecida contra desembargador do TRF da 1ª região pela suposta prática dos crimes de corrupção passiva, formação de quadrilha e exploração de prestígio de forma continuada.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Operação Pasárgada

Corte Especial do STJ recebe denúncia e afasta desembargador do TRF da 1ª região

Corte Especial do STJ recebeu denúncia criminal oferecida contra desembargador F. de A. B., do TRF da 1ª região, pela suposta prática dos crimes de corrupção passiva, formação de quadrilha e exploração de prestígio de forma continuada.

O colegiado decidiu, ainda, afastar o magistrado do exercício do cargo até o término da instrução da ação penal. Outra desembargadora Federal do TRF da 1ª região também foi denunciada na ação, mas não foi afastada porque o julgamento foi interrompido pelo pedido de vista do ministro Herman Benjamin.

Até o momento, a denúncia foi rejeitada pelo relator, ministro Castro Meira, seguido pelos ministros Cesar Asfor Rocha, Nancy Andrighi, João Otávio de Noronha, Massami Uyeda, Humberto Martins e Luis Felipe Salomão. A ministra Maria Thereza de Assis Moura divergiu, parcialmente, recebendo a denúncia quanto ao delito de corrupção passiva.

Fundo de Participação dos Municípios

Segundo a denúncia do MPF, os dois desembargadores Federais, então juízes Federais, e mais cinco pessoas teriam montado um esquema de venda de decisões para a liberação indevida do FPM - Fundo de Participação dos Municípios a prefeituras mineiras em débito com o INSS, além de liberações de mercadorias apreendidas pela Receita Federal. Os fatos foram investigados durante a Operação Pasárgada, deflagrada em 2008.

O processo foi desmembrado no STJ por decisão da Corte Especial, em questão de ordem decidida em outubro de 2010, em razão de dois dos investigados serem desembargadores Federais do TRF da 1 região, que possuem prerrogativa de foro.

O MPF atribuiu ao primeiro magistrado, afastado nesta quarta-feira, a prática dos delitos de quadrilha ou bando, corrupção passiva e exploração de prestígio continuada e em concurso material. Quanto à segunda magistrada, o MPF imputou a prática dos delitos de prevaricação, corrupção passiva e quadrilha.

Indícios suficientes

Para o relator do caso, ministro Castro Meira, as provas colhidas durante a fase preliminar da instrução criminal permitem concluir que existem indícios suficientes de que o denunciado aceitou vantagem indevida em razão da função judicante, incorrendo no crime de corrupção passiva.

"Também", continuou o ministro, "há prova indiciária de que o magistrado solicitou dinheiro e utilidade para influir em decisão do TRE/MG e para acelerar o processamento de recurso interposto, o que configuraria o delito de exploração de prestígio."

Quanto ao crime de formação de quadrilha, o relator verificou indícios de associação do magistrado aos demais réus, de forma estável e permanente, para o fim de cometer os crimes. Ele lembrou que a jurisprudência do STF admite não haver óbice ao desmembramento do processo, mesmo no que diz respeito à imputação do crime de quadrilha, nada impedindo que eventual decisão absolutória repercuta na situação pessoal dos demais acusados.

Justa causa

Em relação à desembargadora Federal, o ministro rejeitou a denúncia por ausência de justa causa para a ação penal. Segundo ele, não há como considerar configurado o crime de corrupção passiva porque as vantagens apontadas na denúncia não teriam o potencial de corromper a magistrada, tal a sua insignificância.

O ministro considerou, ainda, ausente qualquer indício de que a magistrada participava de organização criminosa.

  • Processo relacionado: APn 626

_________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 8/12/2011 08:42

LEIA MAIS