domingo, 1 de agosto de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Consórcio responsável por vazamento do Enem em 2009 devolverá R$ 73 mi ao governo
Enem

Consórcio responsável por vazamento do Enem em 2009 devolverá R$ 73 mi ao governo

A AGU obteve, na Justiça Federal de Brasília, decisão que obriga o consórcio responsável por prejuízo causado com vazamento de provas do Enem em 2009 a ressarcir o Inep - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais em mais de R$ 73 milhões.

domingo, 25 de dezembro de 2011

Enem

Consórcio responsável por vazamento do Enem em 2009 devolverá R$ 73 mi ao governo

A AGU obteve, na Justiça Federal de Brasília, decisão que obriga o consórcio responsável por prejuízo causado com vazamento de provas do Enem em 2009 a ressarcir o Inep - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais em mais de R$ 73 milhões.

A AGU havia ajuizado uma ação de execução fiscal contra o Connasel - Consórcio Nacional de Avaliação e Seleção para cobrança de prejuízos sofridos pelo Inep no vazamento das provas do Enem de 2009, fato que obrigou a autarquia a contratar emergencialmente outras entidades (Cespe/Cesgranrio) para repetir os procedimentos para aplicação da prova, o que acabou gerando graves prejuízos ao erário.

Após a tramitação de processo administrativo em que foi assegurada a ampla defesa e o contraditório ao consórcio, o crédito foi inscrito em dívida ativa pela Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região, por intermédio de seu Núcleo de Defesa do Patrimônio e Recuperação de Créditos, com os parâmetros fornecidos pela PF/INEP.

Com atualização da Selic - Sistema Especial de Liquidação e de Custódia e a inclusão de multa de mora e encargos legais, os valores devidos pelo Consórcio são de R$ 73.491.621,50.

Como o consórcio, formado pela Consultec, Funrio e pelo Instituto Cetro, não efetuou o ressarcimento na esfera administrativa, em 19 de agosto deste ano, a PRF1 ajuizou a ação de execução fiscal.

A juíza Federal da 11ª vara da Seção Judiciária do DF acolheu os argumentos da AGU e deferiu a petição inicial, dando prazo de cinco dias para que o consórcio pague o débito ou garanta a execução, sob pena de penhora de bens para satisfação da dívida.

Atuaram nessa ação, a PRF1 e a Procuradoria Federal junto ao Instituto. A PRF 1ª Região e a PF/INEP são unidades da Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU.

  • Processo: 46660-86.2011.4.01.3400

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 23/12/2011 10:29